Menu
2021-04-28T12:13:09-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Gestão na crise

Onde investir num mundo onde tudo sobe de preço? Dahlia Capital diz que é hora de comprar bolsa e dólar

Com R$ 12 bilhões em patrimônio, gestora vê bolsa atrativa mesmo com subida da Selic, mas espera dólar valorizado com desempenho da economia dos EUA

28 de abril de 2021
6:05 - atualizado às 12:13
Dinheiro injeção liquidez governo bolsas mercados
Programas de estímulo dos governos devem levar os preços de todos os ativos para cima, segundo os gestores da Dahlia Imagem: Shutterstock

Um mercado com bolsa, dólar e juros em alta como o que vivemos hoje está longe de ser um fenômeno comum. Historicamente, a valorização das ações tem como contrapartida a queda do câmbio e das taxas de mercado, e vice-versa.

Mas essa realidade mudou como reflexo da resposta dos governos mundiais à pandemia do coronavírus. A enxurrada de dinheiro despejado na economia com os programas de estímulo fiscal e monetário provocou uma verdadeira inflação dos ativos negociados no mercado financeiro, como ações e commodities.

Com tudo subindo de preço, não há outra alternativa a não ser ir às compras na hora de investir. Essa é a visão de Felipe Hirai e Mauricio Fernandes, sócios da Dahlia Capital.

Com R$ 12 bilhões em patrimônio, a gestora formada por ex-profissionais do Bank of America e do antigo Garantia se tornou um dos destaques entre as casas independentes que surgiram nos últimos anos.

O Dahlia Total Return, fundo que é o carro-chefe da gestora e atualmente fechado para captações, acumula retorno de 85,95% desde o lançamento, em maio de 2018, contra 13,64% do CDI (indicador de referência) no mesmo período.

Bolsa na frente

Se o momento é para comprar, a dúvida que fica é: o que comprar? Dos três principais mercados, a Dahlia só não mantém exposição relevante em juros. As maiores posições dos fundos hoje estão compradas em bolsa, contaram os sócios da gestora durante uma conversa por videoconferência comigo e com a repórter Jasmine Olga.

A posição comprada da Dahlia no mercado de ações é bem conhecida. Ao participar de um evento em dezembro de 2019, José Rocha, um dos sócios-fundadores da gestora, fez uma projeção que provocou frisson na plateia: a de que o Ibovespa alcançaria os 250 mil pontos no fim de 2022.

Naquele momento, ninguém poderia imaginar que o mundo seria varrido por uma pandemia capaz de paralisar a economia global. Agora, os sócios da gestora preferem não falar em números, mas entendem que a perspectiva para a bolsa segue favorável.

Ainda que aos trancos e barrancos, o Ibovespa recuperou as perdas da crise e neste ano acumula uma pequena valorização de 0,31%. Mas será que o desempenho da bolsa não pode ser comprometido com o ciclo de alta de juros em meio ao repique da inflação?

“A gente acredita que a configuração para a bolsa não é tão negativa assim quando se olha para o médio e longo prazo”, disse Hirai.

Sobre a inflação, o gestor avalia que a pressão sobre deve persistir nos próximos meses, mas os preços devem começar a convergir de volta em direção às metas até o fim do ano.

Isso significa que o Banco Central não precisará de um ajuste tão drástico na Selic para conter a inflação. “A Selic deve ficar mais próxima dos 5% do que dos 10%.” Nesse cenário, o investimento em bolsa deve seguir atrativo.

Quanto ao desempenho abaixo do esperado do PIB, o sócio da Dahlia lembra que a bolsa não necessariamente reflete o estado da economia. “Na bolsa estão as melhores e maiores empresas do Brasil, que estão ganhando mercado das menores e sem o mesmo acesso a capital.”

Hirai também aponta uma preocupação menor — ou “menos catastrofista” com a situação fiscal do país. Ele aponta que o Brasil não tem um problema de dívida em moeda estrangeira e ainda conta com US$ 300 bilhões em reservas internacionais.

O nível de endividamento também não preocupa tanto porque o gestor considera que o número mais comparável com o de outros países é o da dívida líquida, que atualmente se encontra na casa dos 60%.

Os setores favoritos

Na hora de selecionar o que comprar na bolsa brasileira, os gestores da Dahlia passam em revista as premissas macroeconômicas de longo prazo.

Diante da visão de que a Selic deve permanecer em níveis baixos, a gestora coloca o setor elétrico entre os favoritos. “Não é o segmento de maior crescimento da bolsa, mas oferece uma remuneração atrativa para o acionista em relação ao nível de juros.”

Outra tese da Dahlia, essa sim baseada em crescimento, é a do chamado “financial deepening”, que é a tendência das pessoas buscarem alternativas de investimentos fora da prateleira dos grandes bancos. “É daí que surgem novas XPs e BTGs”, disse Fernandes, sem mencionar, contudo, quais são as apostas específicas da gestora.

A Dahlia também tem uma expectativa positiva para as empresas de tecnologia. Como se trata de um segmento ainda carente de ações na B3, Fernandes estende a definição para empresas que se valem da tecnologia como vantagem competitiva, como as que atuam com comércio eletrônico.

Aposta no dólar forte e na bolsa dos EUA

As compras da gestora não se limitam à bolsa brasileira. A Dahlia também mantém posições em ações norte-americanas e está comprada em dólar contra o real.

As duas apostas partem de um mesmo fundamento: o de que a economia dos Estados Unidos manterá um ritmo de crescimento nos próximos anos capaz de mantê-la como protagonista global.

“As bolsas e moedas que sobem mais são as de países que crescem mais, é muito difícil fugir disso”, disse Hirai.

Nesse sentido, o dólar valorizado deve se manter mesmo diante dos programas de estímulo trilionários do governo norte-americano. “Nós não acreditamos que a expansão fiscal vai enfraquecer o câmbio.” O risco para esse cenário é a trajetória do juro de longo prazo nos EUA, que pode afetar os mercados como um todo no caso de um ajuste muito abrupto.

Leia também:

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Reserva de emergência

Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, vende ações da Amazon e põe US$ 5 bi na conta

O bilionário Jeff Bezos vendeu cerca de 1,5 milhão de ações da Amazon nos últimos dias e pode vender outros 500 mil papéis em breve

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies