Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-09-24T19:56:43-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DA SEMANA

Problemas na China minam apetite por risco dos mercados globais e pressionam o dólar, mas Ibovespa fecha a semana em alta de 1,65%

O alívio dos mercados com a gigante chinesa durou pouco, e o Ibovespa voltou a fechar o dia no vermelho

24 de setembro de 2021
17:35 - atualizado às 19:56
Investidor tem um binóculo com gráficos do Ibovespa e a bandeira da CHina
Imagem: Shutterstock/Sunflowerr/valeriiaarnaud, com intervenção de Andrei Morais

Ainda que as perdas registradas nesta sexta-feira (24) tenham sido mais modestas do que as da última segunda-feira (20), a semana termina da mesma forma que começou — com os olhares do mundo voltados para a China. 

Os analistas e especialistas diminuíram as apostas de que uma eventual falência da incorporadora chinesa Evergrande possa se transformar em uma repetição da crise financeira de 2008, mas as incertezas e o impacto do evento na segunda maior economia do mundo ainda geram cautela. 

O banco central chinês vem injetando bilhões de dólares na economia para tentar animar o mercado e segurar a onda de pânico, mas a notícia de que a companhia não honrou o pagamento de juros das suas dívidas que venciam nesta quinta-feira voltou a pressionar o mercado. 

Marcel Andrade, head de renda variável da Vitreo, diz que ninguém aposta mais em uma quebra de empresas generalizada, mas o governo chinês é muito imprevisível e não dá para ter certeza sobre até onde está disposto a ir para salvar a incorporadora. Com a incerteza em alta, a busca foi por proteção, o que levou o dólar à vista a acumular uma alta de 1,17% na semana.

No cenário doméstico, hoje também tivemos notícias pouco animadoras. O IPCA-15, considerado a prévia da inflação oficial, acelerou 1,14% em setembro, na maior elevação para o mês desde 1994 e acumulando uma alta superior a 10% nos últimos 12 meses. 

O saldo da semana foi positivo para o Ibovespa, que avançou 1,65%, mas a sexta-feira interrompeu uma sequência de três altas. O principal índice da bolsa brasileira recuou 0,69%, aos 113.282 pontos. O dólar à vista teve alta de 0,64%, a R$ 5,3438.

Uma solução para a questão dos precatórios parece encaminhada, mas a mais nova aceleração da inflação voltou a colocar pressão sobre os juros futuros, que também passam por ajustes pós-Copom.

O movimento de alta também teve fatores externos. Com a redução de estímulos sinalizada e projeções dos próprios dirigentes do Fed apontando para uma elevação de juros já em 2022, os principais contratos de DI seguiram o movimento das taxas americanas. Confira:

  • Janeiro de 2022: de 7,10% para 7,14%.
  • Janeiro de 2023: de 8,93% para 8,96%
  • Janeiro de 2025: de 9,98% para 10,03%
  • Janeiro de 2027: de 10,38% para 10,42%

Veja alguns dos destaques do noticiário corporativo desta sexta-feira (24):

Qual investimento foi mais impactado?
Depois de saber como o mercado fechou essa semana, que tal entender como seus investimentos reagiram? Confere aqui como o Real Valor pode te ajudar!

Apontando o elefante na sala

Embora o assunto esteja caminhando mais lentamente do que foi sinalizado na terça-feira (21), a indicação de que os Poderes irão encaminhar uma saída para o impasse dos precatórios ajudou o Ibovespa a terminar a semana com saldo positivo. 

Os líderes do Legislativo, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, se reuniram com o ministro da Economia, Paulo Guedes, para dar andamento a uma das principais pedras no sapato da saúde fiscal brasileira. Uma comissão já foi formada para encaminhar o tema. A proposta costurada entre os líderes tem como objetivo respeitar o teto de gastos. 

Dos R$ 89 bilhões previstos no Orçamento para pagamento dos precatórios, quase metade do saldo restante seria pago em 2023 e não mais parcelado, como a ideia original propunha e que dava margem para uma possível pedalada fiscal ou até mesmo um calote, o que poderia tirar credibilidade dos investidores brasileiros. 

A Super quarta

Na quarta-feira tivemos mais uma edição da Super quarta, dia marcado pelas decisões de política monetária tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil. 

Por aqui, o Banco Central brasileiro confirmou as expectativas do mercado e elevou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual, a 6,25% ao ano. O comunicado indicou uma elevação de mesma magnitude no próximo encontro e que, no cenário-base, a Selic deve terminar o ano em 8,25%, chegando a 8,50% em 2022.

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve também seguiu o roteiro já esperado, com a manutenção da taxa básica de juros na faixa dos 0% a 0,25% ao ano. A instituição, no entanto, indicou que a redução do programa de recompra de títulos pode começar em breve. Jerome Powell, presidente do Fed, chegou a falar sobre novidades já na próxima reunião, que ocorre em novembro. Para que isso ocorra, é preciso apenas um relatório de emprego (payroll) que mostre uma recuperação mediana, o que tira a pressão dos indicadores de curtíssimo prazo. 

Sobe e desce do Ibovespa

Enquanto as preocupações com o futuro da Evergrande arrefeciam, o minério de ferro aproveitou para se recuperar parcialmente da queda brusca dos últimos meses, o que permitiu que a Usiminas liderasse os ganhos da semana, com alta superior a 17%. 

A reabertura gradual das fronteiras para brasileiros ao redor do mundo também impulsionou a recuperação do setor aéreo. No caso da Embraer, a companhia também foi beneficiada pela assinatura de novos contratos pela sua subsidiária de mobilidade urbana, a Eve. 

Já as mudanças no alto escalão da Ultrapar, anunciadas nesta semana, impulsionaram as ações da companhia. Confira as maiores altas da semana:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
USIM5Usiminas PNAR$ 16,3117,17%
CVCB3CVC ONR$ 23,7616,36%
EMBR3Embraer ONR$ 23,8614,27%
GOLL4Gol PNR$ 21,7613,75%
UGPA3Ultrapar ONR$ 15,7013,03%

Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARSEM
BRKM5Braskem PNAR$ 57,96-12,20%
AMER3Americanas S.AR$ 34,24-6,86%
QUAL3Qualicorp ONR$ 21,00-6,00%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 15,63-5,67%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 5,18-5,65%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

De olho nos serviços financeiros

Depois da compra da Neoway, B3 (B3SA3) investe US$ 10 milhões em rodada de investimentos na startup Pismo

Com o investimento, a B3 busca aproximar ainda mais a relação com um fornecedor-chave para desenvolvimento futuro em seus mercados

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa desaba junto com o teto de gastos, e lançamento do Auxílio Brasil é adiado

Hoje o Ibovespa viveu um dia sangrento, muito semelhante aos jogos macabros da série-fenômeno que turbinou o balanço da Netflix no terceiro trimestre – e o saldo foi uma queda de quase quatro mil pontos em uma única rodada. No exterior, o dia foi ameno, mas dentro de casa a coisa complicou antes mesmo de o pregão […]

Destaques da mineradora

Produção de minério de ferro da Vale (VALE3) sobe 18% no terceiro trimestre, mas vendas ficam próximas à estabilidade

O número também superou as expectativas dos analistas, que projetavam um total inferior ao registrado entre julho a setembro do ano passado

FECHAMENTO DO DIA

Auxílio Brasil fora do teto de gastos apavora Ibovespa, e índice perde quase 4 mil pontos; dólar e juros disparam

O ministério da Cidadania chegou a anunciar um evento para lançar o novo programa social, mas com a bolsa indo abaixo dos 110 mil pontos, a festa não teve clima para continuar. O anúncio foi cancelado por ora, mas vai ser preciso mais do que isso para tranquilizar o mercado

Batatinha frita 1-2-3

Na Netflix (NFLX34), a virada operacional e financeira veio no Round 6 — e deu impulso ao balanço do terceiro trimestre

A Netflix (NFLX34) deu um salto no número de novos assinantes no trimestre, reanimando um ano que estava péssimo — tudo graças a Round 6

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies