Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-16T16:03:38-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
MERCADOS HOJE

Ibovespa recua seguindo piora em Nova York e na expectativa por “Super Quarta”; dólar cai

Reunião do Copom e do Federal Reserve são destaques e mantém os investidores em compasso de espera

16 de março de 2021
10:29 - atualizado às 16:03
Selo Mercados Touro e Urso AGORA
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Depois de uma manhã de instabilidade, o Ibovespa parece ter se firmado em queda firme nesta terça-feira (16), acompanhando uma piora das bolsas americanas.

Com os investidores em compasso de espera pela "Super Quarta", quando teremos a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que decidirá a taxa básica de juros do país, e a decisão de política monetária também nos Estados Unidos, os investidores optam por posturas mais cautelosas.

Por volta das 16h o principal índice da bolsa brasileira operava em queda de 1,02%, aos 113.708 pontos. Após o estresse recente, o dólar à vista recua 0,42%, a R$ 5,6142.

A piora das bolsas americanas mais uma vez acompanha a disparada do retorno dos títulos públicos longos americanos, que começaram o dia em queda, mas reverteram o sinal há pouco.

No campo doméstico, temos a repercussão da queda de Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde, com o governo tentando mostrar mostra um novo tom no enfrentamento da pandemia. 

De olho nos juros

Nos Estados Unidos, a expectativa do mercado está mais voltada para a coletiva que deve vir após o anúncio do Federal Reserve do que para a decisão em si. O Fed deve manter a sua política monetária inalterada, mas, diante da escalada da inflação, os investidores buscam sinais de que a instituição pode elevar a taxa de juros antes do esperado. 

No Brasil, o mercado já precifica um aumento da taxa Selic. Agora resta saber qual será o tamanho do ajuste realizado pelo Banco Central. 

O mercado de juros brasileiro, que começou o dia acompanhando o movimento visto nos Estados Unidos, diminuiu o ímpeto de queda. Confira as principais taxas do dia:

  • Janeiro/2022: de 4,29% para 4,25%
  • Janeiro/2023: de 6,04% para 5,96%
  • Janeiro/2025: de 7,40% para 7,32%
  • Janeiro/2027: de 7,94% para 7,84%

Calibrando expectativas

Agora cedo, dados do varejo americano decepcionaram os analistas, mas, com a perspectiva de que em breve os americanos comecem a receber os cheques de US$ 1,4 mil a reação dos índices futuros em Wall Street, que caminham sem direção definida, foi tímida. 

A produção industrial do país também decepcionou, caindo 2,2% em fevereiro ante janeiro. A previsão dos analistas era de uma leve alta de 0,3% no período.

O primeiro impaccto dos números mais fracos do que o esperado foi uma queda dos juros futuros e do rendimento dos títulos públicos, já que a leitura de um "superaquecimento" da economia ficou em segundo plano, mas o cenário começa a se reverter.

Nos Estados Unidos, as bolsas abriram sem um sinal único e tiveram uma piora significativa na última hora, coma recuperação dos T-Notes mais longos. Somente o Nasdaq avança.

Na Europa, as bolsas fecharam em alta, mesmo com a preocupação do mercado com a interrupção da vacinação feita com o imunizante produzido pela AstraZeneca.

Dança das cadeiras

A pasta da Saúde teve uma nova substituição. Depois de ser dirigida pelos médicos Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, assumiu o general da reserva, Eduardo Pazuello, e agora o Ministério passa a ter novamente um profissional da saúde à sua frente: o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga.

A troca acontece no pior momento da pandemia, sendo o décimo primeiro ministro do governo de Jair Bolsonaro a sair por pressões externas. A volta de um médico para a pasta indica uma tentativa de mudança de tom do presidente no combate ao coronavírus, o que é bem visto pelo mercado.

Sobe e desce

A alta do minério de ferro no mercado internacional, após alguns recuos, puxam as ações de Usiminas e CSN, que sobe após a companhia decidir fazer reajustes em sua tabela de produtos. Confira as maiores altas do pregão desta terça-feira (16):

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
USIM5Usiminas PNAR$ 18,40 7,73%
CSNA3CSN ONR$ 37,15 3,68%
SUZB3Suzano ONR$ 75,37 3,46%
KLBN11Klabin unitsR$ 29,32 3,35%
BRKM5Braskem PNAR$ 35,66 3,15%

As empresas que tiveram uma alta expressiva na sessão de ontem ficam na parte de baixo da tabela neste começo de sessão. Confira as maiores quedas:

CÓDIGONOME VALORVARIAÇÃO
EMBR3Embraer ONR$ 13,96 -4,97%
CVCB3CVC ONR$ 18,08 -4,39%
AZUL4Azul PNR$ 41,17 -3,90%
GOLL4Gol PNR$ 23,15 -3,82%
JHSF3JHSF ONR$ 6,79 -3,55%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: impasse dos precatórios deve pressionar bolsa hoje antes dos dados do varejo nos EUA

Além disso, no radar ficam o risco fiscal antes da eleição de 2022 e os dados da economia dos Estados Unidos, com destaque para os pedidos de auxílio-desemprego

NA B3

Ações do setor de saúde foram as que menos sofreram em agosto

Levantamento da Teva Índices mostra que os papéis do comércio e da construção foram os mais castigados no mês passado

NÃO AGRADOU

IBP critica mudanças regulatórias na venda de combustíveis

Representante das grandes distribuidoras de combustíveis defende manutenção do modelo de exclusividade no mercado de revenda de derivados de petróleo

Tempo de entrega menor

Randon terá linha férrea própria no interior de SP

Linha férrea partirá de dentro da fábrica e percorrerá 1,5 km transportando vagões, reboques e semirreboques a um ramal principal na mesma cidade; expectativa é de que a obra fique pronta em 2023

Entrevista exclusiva

Após vender Hortifruti para Americanas, Partners Group quer investir US$ 300 milhões e lançar fundo para o varejo no Brasil

Com um total de US$ 120 bilhões sob gestão, responsável pela gestora suíça no Brasil e América Latina fala ao Seu Dinheiro sobre potenciais alvos de aquisição e “concorrência” com IPOs na B3

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies