Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-03-30T18:49:25-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Ibovespa deixa tensão em Brasília e em NY para trás e avança forte; dólar fica estável

Mesmo com exterior negativo, mercado financeiro brasileiro repercutiu de forma positiva a reforma ministerial que deu mais poder ao Centrão e investidores aproveitaram para ir atrás dos setores descontados

30 de março de 2021
18:16 - atualizado às 18:49
contramão bolsa mercados Ibovespa
contramão bolsa mercados - Imagem: shutterstock

O dia nem bem amanheceu e todos já se preparavam para uma terça-feira (30) que certamente seria vermelha. O cardápio da aversão ao risco estava servido: nova alta do rendimento dos títulos públicos americanos, queda nos preços do petróleo, Wall Street em queda, pandemia descontrolada, uma reforma ministerial que estava fora do radar dos investidores e uma debandada dos oficiais que comandam as Forças Armadas. 

Mas, nos últimos tempos, o mercado financeiro brasileiro tem se superado em subverter as expectativas. Hoje não foi diferente. Enquanto no exterior as bolsas americanas terminaram o dia em queda e a tensão seguiu fechando o tempo em Brasília, o Ibovespa foi na contramão de tudo e teve um dia tranquilo, ainda que o começo das negociações tenha sido marcado por uma intensa volatilidade. 

O principal índice da bolsa brasileira encerrou o dia em alta de 1,24%, aos 116.849 pontos, maior patamar desde o dia 15 de março.  

O dólar à vista, chegou a ultrapassar a marca dos R$ 5,80 no pior momento do dia - em meio a falas do ministro Paulo Guedes sobre a possibilidade de alguns gastos com a pandemia ficarem de fora do teto de gastos -, mas também acabou cedendo, levemente, com um recuo de 0,08%, a R$ 5,7615

A razão para esse alívio observado durante a tarde pode ser explicado pelo fato de que o mercado financeiro tem procurado enxergar os pontos positivos das movimentações em Brasília. Bruno Madruga, sócio da Monte Bravo Investimentos, afirma que o ganho de espaço do Centrão dentro do governo, após as mudanças ministeriais, pode até desagradar os militares, mas, para os investidores, indica uma maior abertura para que as reformas e outras pautas prioritárias sejam encaminhadas. 

Com a percepção de que menos atritos devem chegar de Brasília, os investidores também focam na aceleração do ritmo de vacinação no país. Ainda que o número de doses seja incerto, o país tem acelerado o ritmo de imunização, o que faz os investidores anteciparem uma recuperação melhor do que o esperado - leitura que foi reforçada após a divulgação do Caged de fevereiro.

Até o momento, foram mais de 21,6 milhões de doses aplicadas - quase 8% da população recebeu a primeira dose e 2,32% completou as duas aplicações necessárias.

Depois da pressão inicial no começo do dia, o mercado de juros futuros também passou por um alívio diante de uma perspectiva de alívio político e de sinalizações de que as “distorções” encontradas no texto do Orçamento de 2021 serão discutidas. Além disso, o IGP-M abaixo do esperado, embora ainda bem elevado, animou os investidores - conhecido como a inflação do aluguel, o indicador subiu para 2,94%

A fala do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em evento, acelerou o movimento. Campos Neto disse que um ajuste na Selic "mais forte e rápido" pode levar a alta total a ser menor do que a esperada. Confira as taxas de fechamento de hoje:

  • Janeiro/2022: de 4,76% para 4,65%
  • Janeiro/2023: de 6,56% para 6,42%
  • Janeiro/2025: de 8,26% para 8,07%
  • Janeiro/2027: de 8,77% para 8,69%

Inesperado, porém bem recebido

Após um dia marcado pelo pedido de demissão de dois ministros, o governo Bolsonaro confirmou na noite de ontem uma reforma ministerial que mexeu com seis pastas. As mudanças envolvem a Casa Civil da Presidência da República, o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), o Ministério das Relações Exteriores, a Secretaria de Governo, o Ministério da Defesa e a Advocacia-Geral da União (AGU).

Hoje, mais surpresas. Descontentes com o crescimento da importância do Centrão dentro do governo, os três comandantes das Forças Armadas pediram demissão - Edson Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antônio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica).

As mudanças mostram que o clima em Brasília está longe de ser de paz, mas o aumento da base política do Executivo agrada os mercados. A leitura é de que, com o Centrão mais forte, as reformas e pautas prioritárias voltam ao destaque. A saída de Ernesto Araújo do Itamaraty também é vista como um facilitador para que o Brasil consiga negociar novas doses de vacinas contra a covid-19 e insumos para a produção. 

Ligando os motores? 

A melhora da bolsa brasileira coincide também com a divulgação de dados melhores do que o esperado do mercado de trabalho. Segundo o Caged, o país criou 401.639 vagas de trabalho em março, superando o teto das estimativas dos analistas ouvidos pela Broadcast. A projeção era de 283.936 vagas.

Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da Órama Investimentos e professor de economia da IBMEC-RJ, afirma que o número foi essencial para animar o mercado hoje, já que, aliado a uma vacinação mais rápida, pode significar uma recuperação da economia e um controle da pandemia no médio prazo. 

O elefante na sala

No radar das incertezas, as preocupações com o texto do Orçamento 2021, aprovado com quatro meses de atraso, persistiram. A pauta deve ser auditada pelo Tribunal de Contas da União, mas o mercado segue incomodado com a “festa de emendas”, e a possibilidade de pedaladas fiscais nas despesas obrigatórias causa desconforto até mesmo entre membros da equipe econômica.

Hoje, tanto o ministro da Economia, Paulo Guedes, quanto o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, falaram sobre o assunto e afirmaram que é preciso alterar o texto para que ele de fato se torne viável. 

No vermelho

No exterior, as bolsas asiáticas fecharam em alta, com a perspectiva de uma recuperação global, apesar das dificuldades enfrentadas por um fundo de investimento dos EUA, que atingiu grandes bancos no pregão de ontem. Os incentivos fiscais, com o pacote trilionário norte-americano, o avanço da vacinação e sinalizações sobre o pacote de infraestrutura, que deve ser anunciado amanhã, deram tom positivo às bolsas do continente e impulsionaram os negócios na Europa. 

No entanto, nos Estados Unidos o dia foi de recuo, na esteira da alta das perspectivas de inflação e de um movimento desordenado dos juros futuros. Ao fim do dia, o Nasdaq recuou 0,11%, o S&P 500 caiu 0,32% e o Dow Jones teve queda de 0,31%. 

Sobe e desce

Com uma visão um pouco mais otimista sobre o desenrolar da pandemia no exterior e o crescimento do ritmo de vacinação no Brasil, as empresas do setor de consumo e turismo, muito descontadas, aproveitam o momento para recuperar parte das perdas. As construtoras pegaram carona também no alívio dos juros futuros. Confira mais detalhes dos destaques de hoje nesta matéria.

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
EMBR3Embraer ONR$ 14,349,30%
GOLL4Gol PNR$ 22,358,65%
AZUL4Azul PNR$ 39,167,35%
EZTC3EZTEC ONR$ 32,236,55%
MRVE3MRV ONR$ 18,436,41%

Com a mudança de cenário no ambiente de negócios brasileiro, as maiores quedas ficaram por conta das empresas de commodities, que têm se favorecido do câmbio pressionado e das altas dos preços no mercado internacional. Ainda que o Canal de Suez já tenha sido liberado, essas empresas devem ser prejudicadas pelo atraso no abastecimento e normalização do comércio global. Confira as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
SUZB3Suzano ONR$ 70,80-3,07%
PRIO3PetroRio ONR$ 92,21-2,32%
KLBN11Klabin unitsR$ 28,31-1,12%
BEEF3Minerva ONR$ 10,38-0,86%
VALE3Vale ONR$ 97,18-0,82%
Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Me vê bitcoin

De olho no interesse dos clientes por bitcoin (BTC), Mastercard vai lançar plataforma que une criptomoedas com cartões de débito e crédito

Com essa integração, o cliente pode receber cashback em criptomoedas após compras no cartão de crédito, por exemplo

Exile on Wall Street

Felipe Miranda: Entre “O fim do Brasil —parte 2” e o começo da terceira via

Depois do desastre com o teto de gastos, o que podemos esperar de uma resolução que não envolva nem Lula nem Bolsonaro?

COLUNA DO JOJO

Bolsa hoje: Suas definições de “responsabilidade fiscal” foram atualizadas

A temporada de resultados brasileira, que começou na última sexta-feira, segue hoje com EcoRodovias, EDP Brasil, Neoenergia e TIM, após o fechamento do mercado. Enquanto isso, ao longo do dia, o presidente Jair Bolsonaro deverá lançar o Programa de Crescimento Verde, indicativo positivo para a COP26 de novembro

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) retoma os US$ 63 mil após cair na sexta-feira e outras criptomoedas sobem até 10% hoje; confira

Destaque para a Solana (SOL), que vem apresentando resultados acima da média das dez principais moedas do mundo

UM OLHO NO GATO, OUTRO NO PEIXE

Como a encrencada Evergrande pretende se inspirar em Elon Musk para sair da draga

Depois de depositar dinheiro devido a credores externos, fundador fala em deixar em segundo plano os empreendimentos imobiliários para investir em setores considerados mais promissores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies