Menu
2021-04-26T20:20:30-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

Reformas voltam à mesa e o mercado reage aliviado – dólar caiu e bolsa teve leve alta

No exterior, as bolsas americanas fecharam sem uma direção definida, na espera de números da temporada de balanços e da decisão de política monetária do Federal Reserve

26 de abril de 2021
18:23 - atualizado às 20:20
Congresso Mercados
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Primeiro foi a pandemia. Com um novo vírus desconhecido batendo na porta, os esforços do Congresso precisaram ser revertidos para dar suporte econômico e sanitário à população. Depois, as eleições municipais se arrastaram por mais tempo do que o inicialmente esperado por causa da covid-19, atrapalhando mais uma vez o cronograma do governo. 

Na semana passada, o último desafio que impedia as reformas estruturantes de andarem pareceu finalmente ter sido superado. Após meses de negociações e atraso, o orçamento de 2021 foi sancionado e as reformas estão com o caminho (parcialmente) livre para serem o próximo foco de atenção do Congresso. 

Parcialmente porque a pandemia ainda se encontra fora de controle no país, e a CPI da Covid, que deve investigar a atuação do governo federal na crise, também mobiliza Brasília. Mas se depender das sinalizações do presidente da Câmara, Arthur Lira, as privatizações e a reforma tributária devem ter o seu momento de brilho nos próximos meses.

Em uma semana que deve ser marcada por balanços corporativos de peso e definição de política monetária nos Estados Unidos, essa perspectiva anima os investidores - mesmo que Nova York tenha atrapalhado um pouco os negócios nesta segunda-feira (26). 

Depois de flertar com uma leve queda durante a maior parte do dia, o Ibovespa conseguiu encerrar a sessão no azul, ao subir 0,05%, aos 120.594 pontos. Enquanto a bolsa teve um dia tímido, o câmbio refletiu com mais entusiasmo a perspectiva de melhora no campo fiscal e a desvalorização do dólar no mercado internacional. Assim, o dólar à vista fechou em queda de 0,88%, a R$ 5,4487.

Nas últimas duas semanas, a proximidade da sanção presidencial ao orçamento aliviou a curva de juros, ainda que o texto final não tenha agradado ao mercado. Hoje, os principais contratos de DI ensaiaram uma alta, mas acabaram fechando praticamente estáveis. Confira o fechamento das taxas de hoje:

  • Janeiro/2022: de 4,62% para 4,63%
  • Janeiro/2023: de 6,19 para 6,17%
  • Janeiro/2025: estável em 7,69%
  • Janeiro/2027: de 8,35% para 8,32%

Agora vai?

Na briga pela atenção do Congresso, a reforma tributária deve largar na frente e ser o tema dos próximos meses. Não é a primeira vez que essa promessa é feita, mas segue gerando expectativas no mercado, que vê uma mudança no sistema tributário brasileiro como essencial para destravar o crescimento e aumentar a competitividade. 

O presidente da Câmara, Arthur Lira, prometeu para o dia 3 de maio uma “versão inicial” do relatório. Segundo Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos, sinais de que um imposto nos moldes da polêmica antiga CPMF deve ficar de fora também são animadores.

Fique de olho

Não é só Brasília que deve movimentar o noticiário nos próximos dias. A temporada de balanços do primeiro trimestre já começou e promete semanas agitadas para o investidor brasileiro. Veja o que esperar das empresas que divulgam seus números nos próximos dias. 

E não se esqueça! Na noite de hoje teremos os números da Vale, que devem ser repercutidos no pregão de amanhã. 

Reforma tributária - versão Biden

Nos Estados Unidos, o Congresso também deve ter uma semana agitada. O presidente Joe Biden deve discutir com os parlamentares a proposta de aumento de impostos corporativos para financiar o programa de ajuda à infraestrutura. Além disso, temos a decisão de política monetária do Federal Reserve na quarta-feira, o que sempre vem acompanhado de um pé no freio por parte dos investidores. 

Enquanto as bolsas europeias fecharam o dia com altas moderadas, nos Estados Unidos o dia foi bem instável, com as bolsas exibindo sinais mistos. A temporada de balanços por lá deve movimentar bastante o setor de tecnologia nos próximos dias e isso se refletiu no saldo final do dia. 

O S&P 500 e o Nasdaq registraram novos recordes ao avançarem 0,87% e 0,22%, respectivamente. Já o Dow Jones recuou 0,18%. 

Repaginando o visual

Para além dos balanços, a semana começou com o noticiário corporativo agitado também no Brasil. 

O varejo está de cara nova. Primeiro, temos a mudança de nome da Via Varejo, uma das mais tradicionais empresas do setor, para apenas Via. A companhia também mudou o seu logo e cores, já que a partir de agora quer ser reconhecida como uma empresa com foco no e-commerce.

Segundo as novas projeções da empresa, a Via quer alcançar no mínimo 20% do e-commerce brasileiro em 2025. Na semana passada, a varejista já havia mudado o nome e o posicionamento de uma de suas principais marcas, o Ponto Frio, que agora se chama Ponto >:.

O maior destaque, no entanto, fica com as ações da Cia Hering. Após recusar a proposta de fusão da Arezzo, a companhia anunciou um acordo para unificar sua operação com o Grupo Soma, dona da Farm e outros marcas de alta renda. 

O pacote oferecido pelo Soma foi bem generoso: a proposta representa quase o dobro do oferecido pela Arezzo e é 50% superior ao fechamento das ações da Hering na última sexta-feira. Os analistas veem pontos positivos no negócio, mas a Hering tende a ser mais beneficiada que o Grupo Soma. Confira aqui o que pensam os analistas

Em uma medida de ajuste, as ações da Hering saltaram mais de 25%. Na sequência, empresas ligadas ao minério de ferro tiveram mais um dia de destaque. Confira:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
HGTX3Cia Hering ONR$ 28,6226,19%
CVCB3CVC ONR$ 23,325,14%
CSNA3CSN ONR$ 51,525,08%
EMBR3Embraer ONR$ 16,093,74%
USIM5Usiminas PNAR$ 22,943,57%

Confira também os principais destaques negativos:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CRFB3Carrefour Brasil ONR$ 22,09-2,21%
RADL3Raia Drogasil ONR$ 24,37-2,21%
EZTC3EZTEC ONR$ 33,51-2,10%
VVAR3Via Varejo ONR$ 12,85-2,06%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 22,35-1,97%
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mudanças

BB confirma Ieda Cagni para presidência do Conselho de Administração

Nesta quarta-feira, foi realizada a primeira reunião do novo Conselho do Banco do Brasil. Na ocasião, os membros eleitos na assembleia definiram os ocupantes dos cargos de presidente e vice-presidente do colegiado.

Seu Dinheiro na sua noite

A receita do dr. Copom: +0,75 ponto de Selic na veia

O Copom cumpriu as expectativas e aumentou a Selic ao nível de 3,5%. No entanto, o comunicado trouxe algumas surpresas

Ficou para 31 de maio

Bolsonaro veta novo adiamento de prazo para entrega do Imposto de Renda

O presidente aceitou a recomendação feita pelo Ministério da Economia, que previa um impacto negativo na arrecadação da União e estados com uma nova data

Mudança nos juros

COMPARATIVO: Veja o que mudou no novo comunicado do Copom

Veja o que ficou igual e o que mudou na decisão do Copom a respeito da taxa Selic, elevada ao patamar de 3,5% ao ano

CRYPTO NEWS

O mercado está cheio de bitcoin, mas as prateleiras estão vazias

O fluxo de saída da criptomoeda mais famosa das exchanges é algo inédito deste ciclo e pode representar a falta do ativo nas exchanges de cripto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies