Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-24T19:48:29-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO

BC mais brando e novo ‘pacote Biden’ deram o que falar — com inflação em foco, dólar se firma em R$ 4,90 e Ibovespa volta aos 129 mil pontos

A moeda americana registrou o quarto dia consecutivo de queda, com a pressão do pacote de infraestrutura dos EUA e a melhora do cenário local. No mercado de juros, os investidores reduziram as apostas em uma alta agressiva da Selic na próxima reunião

24 de junho de 2021
18:41 - atualizado às 19:48
Dólar em queda
Imagem: Shutterstock

O dia começou com o foco nos dirigentes dos principais bancos centrais do mundo e terminou com a celebração de um acordo para colocar em prática o pacote de infraestrutura proposto pelo governo Biden, mas a preocupação seguiu sendo uma só: inflação. 

Foram meses de intensa negociação e muitos embates, mas Joe Biden finalmente conseguiu o apoio de republicanos e democratas para o seu plano ambicioso. Para isso, foi preciso fazer algumas concessões, que acabaram reduzindo o valor total do pacote para US$ 1,2 trilhão. 

A novidade impulsionou as bolsas americanas para novas máximas, depois de um dia marcado por dados mistos da economia e novos discursos divergentes de membros do Fed sobre o futuro da política monetária do país - o Nasdaq subiu 0,69%, o Dow Jones teve alta de 0,95% e o S&P 500 avançou 0,58%. Mas também deve aquecer a discussão a intensidade da pressão inflacionária, já que o objetivo maior do projeto de Biden é criar empregos e acelerar a retomada da economia. O impacto pôde ser sentido no câmbio. 

Esse foi o roteiro seguido pelo mercado na parte da tarde. Pela manhã, foi a inflação brasileira que roubou a atenção dos investidores locais, com o Banco Central brasileiro sob os holofotes. O Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado hoje, trouxe um discurso mais ameno do que o visto na ata da reunião do Copom apresentada no começo da semana. Além das projeções mais otimistas para a economia, o documento também impactou a percepção sobre o futuro da taxa de juros.  

A primeira reação foi um desmonte das posições que apostavam em uma atuação agressiva do BC, acima dos 0,75 ponto percentual já sinalizado. O reflexo disso foi um alívio no câmbio, na bolsa e nos juros - com o pacote Biden vindo coroar o dia de recuperação. 

O dólar à vista seguiu testando as mínimas em mais de um ano e registrou o quarto dia consecutivo de queda. De olho na inflação americana e na melhora do cenário interno, a moeda americana terminou o dia cotada a R$ 4,9049, um recuo de 1,17%.

O pacote de infraestrutura americano serviu de combustível para que o setor ligado às commodities metálicas subisse forte no pregão desta quinta-feira, mesmo com o recuo do minério de ferro no mercado internacional. O resultado foi uma alta de 0,85% do Ibovespa, aos 129.513 pontos.

A cereja do bolo

O que tem chamado a atenção (e preocupado) é o movimento do mercado de juros. Nos Estados Unidos, o vai e vem segue se pautando nos discursos dos membros do Fed e nos números da economia. Tanto os dados quanto as falas dos dirigentes seguem trazendo sinais mistos ao mercado.

Pela manhã, o Produto Interno Bruto dos EUA no 1º trimestre teve alta anualizada de 6,4%, em linha com as expectativas dos analistas. As encomendas de bens duráveis cresceram menos do que os 2,6% que eram esperados - 2,3% na passagem de abril para maio. Para finalizar, os pedidos semanais de auxílio-desemprego chegaram a 411 mil. As projeções indicavam uma queda mais acentuada, para 380 mil. 

No Brasil, quem deu o tom foi o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central. No documento, o BC brasileiro reforçou uma nova alta de pelo menos 0,75 ponto percentual na reunião de agosto e revisou para cima as projeções de inflação.

A expectativa para o crescimento do PIB também foi elevada de 3,6% para 4,6%. Na coletiva de imprensa, o diretor de política monetária do BC, Fabio Kanczuk, e o presidente Roberto Campos Neto, falaram mais sobre a visão do Banco Central para a inflação. 

Segundo Kanczuk, a última reunião do Copom teve como horizonte a inflação para 2022, e o próximo encontro deve ficar de olho nas projeções para 2023. Sobre o atual choque de preços, Campos Neto afirmou que as causas são temporárias, mas que o movimento pode ter uma duração mais persistente.

A leitura do mercado foi de que o discurso mais ameno mostrado hoje reduz as apostas de uma atuação mais forte do que 1 ponto percentual na próxima reunião. Por isso, a curva de juros passou por ajustes, principalmente nos DIs mais curtos.

  • Janeiro/22: de 5,77% para 5,72%
  • Janeiro/23: de 7,31% para 7,22%
  • Janeiro/25: de 8,25% para 8,15%
  • Janeiro/27: de 8,63% para 8,53%

Agora vai?

Com as eleições de 2022 ameaçando travar as pautas mais polêmicas do governo, a equipe econômica corre contra o relógio para tentar emplacar as reformas.

As últimas novidades agradaram o mercado. Pela manhã, Arthur Lira, falou que acredita que a reforma administrativa pode ser aprovada na Casa até o começo de setembro. A partir daí, a pauta deve ser discutida no Senado.

Já a reforma tributária deve ganhar um novo capítulo amanhã (anote na agenda). O Ministério da Economia irá apresentar o projeto de lei que altera o imposto de renda para pessoas físicas, jurídicas e investimentos.

Sobe e desce

A JHSF liderou as altas do dia após receber autorização para operar voos internacionais no seu aeroporto São Paulo Catarina, em São Roque (SP).

A perspectiva de uma Selic mais controlada também favoreceu o setor de varejo, que vinha sendo penalizado nos últimos dias com a perspectiva de um freio no poder de compra.

O setor de commodities foi outra surpresa positiva, pegando carona no anúncio do novo pacote bipartidário de infraestrutura dos Estados Unidos, mesmo com o recuo do minério de ferro na China. Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
JHSF3JHSF ONR$ 7,825,96%
MGLU3Magazine Luiza ONR$ 21,685,35%
LAME4Lojas Americanas PNR$ 22,374,44%
EQTL3Equatorial ONR$ 25,394,06%
CSNA3CSN ONR$ 44,603,31%

Na parte de baixo da tabela, tivemos um predomínio de uma aparente realização de lucros recentes. Confira também as maiores quedas:

CÓDIGONOMEULTVAR
BIDI11Banco Inter unitR$ 69,20-3,45%
LWSA3Locaweb ONR$ 27,03-2,63%
ELET3Eletrobras ONR$ 45,85-1,40%
AZUL4Azul PNR$ 46,86-1,35%
BBSE3BB Seguridade ONR$ 24,40-1,21%
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

O melhor do seu dinheiro

A corrida dos bilhões com barreiras nos balanços da semana e outras notícias que mexem com o seu dinheiro

Bom dia! Prepare-se para ler muitas vezes a palavra “bilhão” ao longo desta semana nas reportagens do Seu Dinheiro. Com a temporada de balanços na fase decisiva, estão programados para os próximos dias os resultados dos três maiores bancos brasileiros — Banco do Brasil, Itaú e Bradesco. Em outros tempos, os lucros bilionários projetados para […]

segredos da bolsa

Esquenta dos mercados: Copom e payroll devem movimentar os negócios junto com balanços dos grandes bancos

Além disso, os mercados amanheceram com apetite de risco nesta-segunda-feira; confira

Decolagem vertical

De olho nas cidades, Azul fecha parceria com startup alemã para ter carro voador

Acordo prevê a aquisição de 220 aeronaves fabricados pela Lilium, com um valor que pode chegar a US$ 1 bilhão e operação a partir de 2025

cardápio da semana

Itaú, Bradesco, BB e Petrobras divulgam resultados nesta semana; saiba o que esperar

Depois do baque com o início da pandemia, companhias que fazem parte do Ibovespa devem registrar uma alta anual de 255% do lucro por ação; veja agenda da semana

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies