Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-06-24T13:37:24-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Inflação no horizonte

Choque de preços tem causa temporária, mas persistência maior, diz Campos Neto

Em coletiva do RTI, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que os efeitos dos choques de preços têm durado mais que o previsto

24 de junho de 2021
13:37
Roberto Campos Neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento da Câmara dos Deputados. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, avalia que os choques de preços vistos no mundo, em sua maioria, têm um caráter temporário. No entanto, ele também ressalta que a duração desses fenômenos tem sido mais prolongada.

"Esse é um debate em todos os bancos centrais mundiais", disse Campos Neto, referindo-se à natureza das pressões inflacionárias. "O choque de commodities tem sido mais persistente do que se imaginava".

No comunicado da última decisão de juros do Copom, na semana passada, o BC retirou algumas menções ao "choque temporário" nos preços, dando margem a interpretações por parte do mercado — alguns agentes entendem que essa mudança na comunicação implica num cenário de inflação mais estrutural.

Campos Neto, no entanto, não cravou que a atribuição de um caráter transitório às pressões inflacionárias foi um erro. Para ele, ainda há incertezas no horizonte, especialmente na relação de troca entre o setor de bens e o de serviços.

Com a reabertura gradual da economia brasileira, espera-se que a demanda por serviços aumente, ajudando a diluir a atual concentração no setor de bens. Ainda assim, ele lembra que, em muitos lugares do mundo, o alívio na demanda por produtos não ocorreu de maneira tão intensa quanto se imaginava.

"Parte grande do choque tem causa temporária, mas uma persistência e disseminação maiores. Por isso, entendemos que era importante o BC atuar como atuou", disse ele, fazendo menção à alta de 0,75 ponto na Selic e às sinalizações de continuidade do processo de normalização monetária.

Risco energético

Quanto aos riscos de alta nos preços da energia com a ativação de usinas termoelétricas — e, consequentemente, a aceleração ainda mais intensa da inflação —, Campos Neto afirmou que, por enquanto, a autoridade monetária usa as informações públicas a respeito da crise hídrica em suas modelagens de cenário.

Não cabe a nós especularmos sobre o cenário de energia

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central

O Relatório Trimestral de Inflação (RTI) do Banco Central, divulgado mais cedo, faz menção à crise hídrica e mostra preocupação por parte da autoridade — o acionamento da bandeira vermelha 1 pela Aneel em maio foi elencado como um dos principais motivos para manter a inflação mais pressionada que o previsto.

"Espera-se que o patamar mais elevado de bandeira [nível 2], acionado neste mês de junho, seja mantido até o final do período seco", diz o BC, no relatório. "Dessa forma, o sistema de bandeiras deve financiar parte significativa do aumento de custos derivados do acionamento adicional de fontes mais caras de energia".

Questionado sobre o tema, Campos Neto disse apenas que uma deterioração adicional da situação energética do país precisará ser levada em conta pelo BC — ele ressaltou, no entanto, que o cenário atual é de retorno à bandeira vermelha nível 1 em 2021 e 2022.

Projeções do RTI

O relatório manteve a projeção de inflação de 5,8% em 2021, acima do teto da meta para o ano, de 5,25%; em 2022, a inflação esperada pelo BC é de 3,5%, exatamente no centro da meta.

No curtíssimo prazo, o BC trabalha com a continuidade das altas nos preços. Em junho, a autoridade monetária projeta um IPCA de 0,62%; em julho, a inflação será de 0,39% e, em agosto, de 0,26%.

Em relação aos próximos passos do Copom, o RTI mostra um tom não tão agressivo por parte do Banco Central. Apesar de continuar deixando a porta aberta para uma eventual alta de um ponto na Selic na reunião de agosto, a autoridade monetária fez diversas ponderações em prol de um novo aumento de 0,75 ponto, mesma magnitude vista nos últimos três encontros.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O melhor do seu dinheiro

A corrida dos bilhões com barreiras nos balanços da semana e outras notícias que mexem com o seu dinheiro

Bom dia! Prepare-se para ler muitas vezes a palavra “bilhão” ao longo desta semana nas reportagens do Seu Dinheiro. Com a temporada de balanços na fase decisiva, estão programados para os próximos dias os resultados dos três maiores bancos brasileiros — Banco do Brasil, Itaú e Bradesco. Em outros tempos, os lucros bilionários projetados para […]

segredos da bolsa

Esquenta dos mercados: Copom e payroll devem movimentar os negócios junto com balanços dos grandes bancos

Além disso, os mercados amanheceram com apetite de risco nesta-segunda-feira; confira

Decolagem vertical

De olho nas cidades, Azul fecha parceria com startup alemã para ter carro voador

Acordo prevê a aquisição de 220 aeronaves fabricados pela Lilium, com um valor que pode chegar a US$ 1 bilhão e operação a partir de 2025

cardápio da semana

Itaú, Bradesco, BB e Petrobras divulgam resultados nesta semana; saiba o que esperar

Depois do baque com o início da pandemia, companhias que fazem parte do Ibovespa devem registrar uma alta anual de 255% do lucro por ação; veja agenda da semana

Mais uma empreitada

Do espaço para as fazendas: Elon Musk consegue licença para oferecer internet via satélite no Reino Unido

A Starlink, segundo informações do jornal Telegraph, quer chegar a regiões onde a cobertura por fibra e 5G não alcançam, e tem planos mais ambiciosos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies