Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-08-02T20:00:20-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
FECHAMENTO DO DIA

Ibovespa pisa no freio e recuperação robusta não se sustenta, mas bolsa volta aos 122 mil pontos; dólar vai a R$ 5,16

Embaladas pela temporada de balanços, as bolsas americanas até abriram o dia em alta, mas não sustentaram o ritmo. Por tabela, o Ibovespa também perdeu o fôlego, mas recuperou o patamar dos 122 mil pontos.

2 de agosto de 2021
19:01 - atualizado às 20:00
Foot,Pressing,The,Brake,Pedal,Of,A,Car

Se na sexta-feira (30), as preocupações com o teto de gastos brasileiro levaram o Ibovespa a registrar uma queda de mais de 3%, a semana começou com a preocupação com as contas públicas americanas impedindo um dia dourado na B3. 

O temor com a saúde fiscal do Brasil está longe de ser um problema do passado e também teve a sua parte de culpa no desempenho de hoje. É só olhar para o mercado de juros futuros, que até tentou uma recuperação, mas terminou o dia pressionado. Mas, ao longo do fim de semana, equipe econômica e políticos correram para reafirmar o compromisso de manter as contas públicas dentro de parâmetros saudáveis. 

Foi o suficiente para o mercado decidir deixar os excessos da sexta-feira na sexta-feira, mostrando disposição para recuperar o apetite por risco. Com isso, o Ibovespa chegou a subir mais de 2% na máxima e o dólar à vista encostou nos R$ 5,11.

Mas, com o passar das horas, o sorriso no rosto dos investidores se esvaiu — o teto da dívida americana voltou a vigorar, limitando o que pode ser feito pelo Departamento do Tesouro e obrigando que medidas sejam tomadas para ajustar as contas do governo. E vale lembrar que mais gastos podem vir por aí, com pelo menos dois outros pacotes de estímulos em negociação no Congresso americano.

Além disso, a variante delta continua avançando, aumentando o número de casos de covid-19 e trazendo temores com relação a um assunto que já parecia coisa do passado — a pandemia de coronavírus. 

Em Nova York, somente o Nasdaq manteve fôlego suficiente para fechar o dia no azul, com uma alta de 0,06%. O Dow Jones e o S&P 500 viraram para o negativo e lá ficaram, com recuos de 0,28% e 0,19%, respectivamente. 

Para Eduardo Cubas, head de alocações de recursos e sócio da Manchester Investimentos, o patamar mais descontado da bolsa brasileira quando comparado aos seus pares internacionais deixa a bolsa brasileira mais resiliente às notícias negativas que surgem do front político-fiscal. 

Assim, o dia terminou com o Ibovespa bem longe das máximas, mas ainda assim com um ganho de 0,59%, aos 122.515 pontos. A queda do dólar à vista perdeu força, mas a divisa ainda assim recuou 0,86%, a R$ 5,1653, beneficiada pela perspectiva de elevação da Selic e uma melhora momentânea nos riscos fiscais.

Para Nicolas Borsoi, economista da Nova Futura Investimentos, a reação de recuperação hoje também pode ter sido motivada por uma recomposição de carteiras, tradicionalmente feita no início do mês. 

Sensível aos ruídos

O mercado de juros futuros até tentou, mas não conseguiu segurar o movimento de queda até o fim do dia. No boletim Focus desta segunda-feira, os economistas elevaram mais uma vez a projeção para a inflação; e, com a próxima reunião do Copom se encerrando na quarta-feira (04), os investidores já dão como certa uma alta de um ponto percentual da Selic. 

As falas do presidente Bolsonaro sobre a prorrogação de um auxílio emergencial de valor acima do esperado trazem mais temores com relação aos gastos públicos, deteriorando as perspectivas de longo prazo. Confira o desempenho dos principais contratos de DI:

  • Janeiro/22: de 6,31% para 6,30%
  • Janeiro/23: de 7,85% para 7,86%
  • Janeiro/25: de 8,70% para 8,78%
  • Janeiro/27: de 9,04% para 8,95%

Freio no Ibovespa

O risco político, apontado por Cubas como o principal motivo para a defasagem da bolsa brasileira, não cessou nem mesmo durante o recesso parlamentar. “Temos um cenário fiscal frágil, temos dinheiro para nos financiar, mas estamos consumindo as reservas. Se não andarmos com as reformas neste ano, logo vêm as eleições e aí serão mais 18 ou 24 meses sem ação com relação às reformas, e vamos ficar para trás". 

Agora as coisas tendem a piorar. Com os deputados e senadores mais uma vez circulando pelos corredores do Congresso, a expectativa é de que as reformas administrativa e tributária voltem ao centro das discussões, mas a relação do Legislativo com o Executivo segue complicada.

Além da volta do funcionamento da CPI da covid-19, que investiga a atuação do governo federal durante a crise sanitária, uma das primeiras pautas a serem trabalhadas no Congresso será a PEC do voto impresso, tema caro ao presidente Jair Bolsonaro, mas que deve ser rejeitado no plenário. 

Sobe e desce

A semana será marcada pela divulgação do balanço dos grandes bancos brasileiros. A perspectiva é de bons números, acompanhando a tendência vista no exterior e tomando-se como referência os resultados do banco Santander. Com isso, as ações do setor financeiro lideraram os ganhos durante boa parte do dia, contribuindo para que o Ibovespa batesse as máximas da sessão.

Mas, na parte da tarde, a história mudou, e os balanços que já saíram voltaram a ser os grandes destaques. A Hypera Pharma(HYPE3) ficou com o melhor desempenho do dia, ainda repercutindo os bons números divulgados pela companhia na semana passada.

As companhias de energia elétrica também estão otimistas com o segundo trimestre do ano e seguem confiando na palavra do ministro Bento Albuquerque, da pasta de Minas e Energia, que descarta a hipótese de racionamento. 

Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
HYPE3Hypera ONR$ 37,184,29%
TAEE11Taesa unitsR$ 39,513,97%
TOTS3Totvs ONR$ 36,763,96%
AMER3Americanas S.A ONR$ 51,023,91%
ENEV3Eneva ONR$ 17,033,46%

O temor de que a economia chinesa esteja mostrando sinais de enfraquecimento acabou afetando o setor de commodities. Empresas como Petrobras e CSN foram alguns dos poucos papéis que fecharam o dia no vermelho. Confira as maiores quedas:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
CVCB3CVC ONR$ 21,86-1,97%
PETR4Petrobras PNR$ 26,47-1,64%
ECOR3Ecorodovias ONR$ 10,74-1,56%
CSNA3CSN ONR$ 44,80-1,50%
GOLL4Gol PNR$ 20,37-1,12%

Resumo do dia

Ibovespa0,59%122.515 pontos
Dólar à vista-0,86%R$ 5,1653
Bitcoin-2,85%R$ 202.000
S&P 500-0,19%4.387 pontos
Nasdaq0,06%14.681 pontos
Dow Jones-0,28%34.838 pontos
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

seu dinheiro na sua noite

Costurando uma saída

Não faz muito tempo que usei este mesmo espaço para lembrá-lo de como o mercado não gosta de incertezas e a falta de uma leitura clara sobre o futuro acaba prejudicando os negócios na B3. O dia de hoje veio para provar que, mesmo em meio às incertezas, ter uma noção mais clara do caminho que […]

carreira e diversidade

Magazine Luiza abre inscrições para 2º programa de trainees exclusivo para pessoas negras

Programa aceita candidatos formados entre dezembro de 2018 e dezembro de 2021, em qualquer curso superior; fluência em língua inglesa e experiência profissional não fazem parte dos pré-requisitos

pós-brumadinho

Vale (VALE3) muda alto escalão e tenta reforçar discurso ESG

Luciano Siani Pires, que desde 2012 ocupa posição de vice-presidente finanças e RI, assumirá a vice-presidência de estratégia e transformação de negócios, cargo criado em março pela mineradora

Troca de comando

Gustavo Raposo renuncia ao cargo de presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras (PETR4); sucessor já foi escolhido

Com a saída de Raposo, o conselho da empresa deverá deliberar sobre a nomeação do atual diretor de Serviços para o comando

atenção, acionista

Dividendos: WEG (WEGE3) paga R$ 86,8 milhões em juros sobre capital próprio

Valor líquido é de R$ 0,017 por ação; terão direito aos proventos acionistas na base em 24 de setembro, segundo a companhia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies