Menu
2020-03-03T16:55:16-03:00
Bruna Furlani
Bruna Furlani
Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB). Fez curso de jornalismo econômico oferecido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem passagem pelas editorias de economia, política e negócios de veículos como O Estado de S.Paulo, SBT e Correio Braziliense.
OLHO NO BALANÇO

Goldman Sachs prevê alta de 14% para ações da Stone e aumenta preço-alvo dos papéis

Os analistas viram como pontos positivos os esforços de ganho de participação de mercado (market share), e de boa expansão de margem

3 de março de 2020
16:55
Montagem de maquininha da Stone em cima de uma mesa vista de cima
Imagem: Montagem Andrei Morais/Divulgação/Shutterstock

O aumento da participação de mercado (market share) acompanhado de expansão de margem fizeram o banco Goldman Sachs apostar mais alto nas ações Stone (STNE). Diante do maior otimismo, a instituição aumentou o preço-alvo dos papéis em 12 meses para US$ 50, o que representa uma alta de 14% em relação ao fechamento da última segunda-feira (2).

Em relatório enviado a clientes hoje (3), os analistas Tito Labarta, Gustavo Schroden, Jonathan Uriel Schajnovetz e Ashok Sivamohan mantiveram a recomendação da compra e comentaram que os resultados do quarto trimestre divulgados ontem (2) foram animadores.

As ações da empresa chegaram a abrir o pregão de hoje (3) cotadas acima de US$ 46, mas por volta das 16h23 (horário de Brasília) apresentavam queda de 1,05% e que estavam sendo negociadas a US$ 43,40.

Aumento nas receitas e lucro

No relatório, os especialistas disseram que o lucro líquido do quarto trimestre veio 2% acima das expectativas do banco e que fechou em R$ 264 milhões. Diante dos resultados, os analistas aumentaram também as estimativas para o indicador nos próximos três anos em 3%, 2% e 1%, respectivamente.

Eles também se mostraram otimistas com o aumento das receitas. Segundo eles, em 2020, 2011 e 2022, as receitas devem subir 44%, 42% e 37%. No ano passado, a receita terminou em US$ 2,58 bilhões.

Além disso, eles destacaram que viram como positivos os esforços de ganho de participação de mercado (market share), que aumentou 50 pontos-base na comparação com o quarto trimestre do ano passado, e de boa expansão de margem, que cresceu 9,7 pontos percentuais na comparação com o mesmo período do ano passado.

Na visão deles, o crescimento do volume foi "sólido e em linha com as estimativas". E mesmo com uma take rate (valor das taxas recebidas por toda a cadeia) mais fraca, os analistas destacaram que os custos e a receita financeira se mantiveram bons durante o período.

Os analistas também se mostraram otimistas com a continuação dos investimentos que a companhia vem fazendo para expandir as redes de hubs, contratação e treinamento de funcionários.

Isso sem contar no lançamento da parceria com o Grupo Globo e que "pode se tornar um player relevante nos próximos anos no segmento de microempreendedores", segundo eles.

Números da companhia

A Stone reportou lucro líquido de US$ 804,2 milhões em 2019, o que representa um aumento de 163,5% ante 2018. No período, a companhia adicionou 226 mil clientes ativos.

A receita fechou o ano com alta de 63,1% em US$ 2,58 bilhões. A taxa de take rate terminou 2019 em 1,85%, uma expansão de dois pontos-base ante o ano de 2018.

A margem da companhia em 2019, por sua vez, subiu 31,2%, o que representa uma alta de 11,9 pontos percentuais na comparação ano contra ano.

Além disso, no ano passado, o volume total de compras (TPV) fechou em US$ 129,1 bilhões, uma alta de 54,8% em relação ao registrado um ano antes.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Pesquisa Datafolha

59% são contra e 37% a favor da renúncia de Bolsonaro em meio à pandemia

Um levantamento do Datafolha, divulgado neste domingo, 5, mostra que 59% dos brasileiros são contra uma renúncia do presidente Jair Bolsonaro em meio ao combate à pandemia pela covid-19. Outros 37% são a favor, conforme vem sendo pedido por políticos da oposição. Outros 4% não sabem dizer. Para apenas 33% dos entrevistados, a gestão da […]

LIÇÕES PARA O SEU DINHEIRO

Recomendações de leitura para um investidor em quarentena

Três livros para você sobreviver ao isolamento e sair deste furacão como um investidor ainda melhor.

O BC e o coronavírus

Preferimos ter um lado fiscal um pouco pior para que as pessoas possam honrar seus contratos, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou que a instituição se preocupa em dar condições às empresas cumprirem suas obrigações financeiras, evitando um movimento de quebra massiva de contratos

Crise da Covid-19

Brasil ultrapassa marca de 10 mil casos de coronavírus

Em 24 horas, o Brasil notificou mais de mil novos casos de coronavírus e outros 72 casos fatais. A taxa de mortalidade no país está em 4,2%

Em conversa com o setor de varejo

Governo faz o máximo para o dinheiro chegar à ponta final, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes, participou de conferência com líderes do setor de varejo neste sábado, detalhando as inciativas do governo na crise do coronavírus

Guerra de preços

Arábia Saudita e Rússia continuam trocando farpas e trazem preocupação ao mercado de petróleo

Arábia Saudita e Rússia voltaram a trocar acusações no âmbito da guerra de preços do petróleo — e já se começa a falar que a reunião emergencial da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) da próxima segunda-feira foi por água abaixo

Impactos

Crise do coronavírus reduz consumo de carne e já paralisa 11 frigoríficos no país

A indústria da carne já começa a sentir os primeiros efeitos da crise do coronavírus, com uma menor demanda por produtos — o que paralisa alguns frigoríficos no país

Seu Dinheiro no Sábado

MAIS LIDAS: Um bilionário na luta contra o coronavírus

A notícia a respeito das iniciativas do bilionário Elon Musk no combate à pandemia de coronavírus foi a mais lida dessa semana no Seu Dinheiro

Ano difícil

Braskem fecha 2019 com prejuízo líquido de R$ 2,8 bilhões, revertendo o lucro de 2018

A Braskem encerrou 2019 com um prejuízo bilionário e contração nas receitas e no Ebitda em relação a 2018

LIÇÕES PARA AVALIAR UM NEGÓCIO

8 formas de saber se é um bom investimento

Na escola, seu boletim é a marca do seu sucesso. Nos negócios, são as demonstrações financeiras. Se você quer ser bem-sucedido, precisa saber como tirar conclusões sobre a saúde da empresa e seu potencial.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements