Esse conteúdo é exclusivo para o
Seu Dinheiro Premium.
Seja Premium
Quero ser Premium Já sou Premium
O que você vai receber
Conteúdos exclusivos
Indicações de investimento
Convites para eventos
OK Computador. Conheça o fundo que lucrou nas principais crises desde 2008 - Seu Dinheiro
Menu
2020-03-19T21:41:35-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
SD Premium - Lupa dos fundos

OK Computador. Conheça o fundo que lucrou nas principais crises desde 2008

Com estratégia quantitativa, baseada em algoritmos e modelos matemáticos, fundo bateu o CDI na crise de 2008, no impeachment de Dilma Rousseff, no Joesley Day e na greve dos caminhoneiros

20 de março de 2020
5:10 - atualizado às 21:41
Selo Lupa dos Fundos
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Em momentos de grande pânico nos mercados como o que vivemos hoje é natural que nossas decisões de investimento sejam pautadas pela emoção. Isso vale também para os mais experientes gestores de fundos de investimento.

Por mais brilhantes que sejam, os gestores também contam com uma capacidade limitada de processar informações e dados que hoje vêm de todo o mundo.

E se pudéssemos eliminar componentes como medo e ganância e investir com base apenas em algoritmos e modelos matemáticos capazes de identificar padrões e ganhar dinheiro no mercado?

Essa é a promessa dos chamados fundos quantitativos. No exterior, alguns dos maiores e mais rentáveis fundos do mercado já operam “sem emoção”.

Aqui no Brasil, o uso do computador na tomada de decisões de investimento ainda engatinha, mas o número de gestoras vem crescendo e ganhando espaço na carteira dos investidores.

Acredito que ter uma pequena parcela do seu portfólio nesse tipo de fundo como estratégia de diversificação virou quase uma obrigação, ainda que ninguém tenha conseguido ainda criar um algoritmo de investimento à prova de falhas.

Desbravando os algoritmos

Uma das pioneiras entre as gestoras “quant” brasileiras é a Kadima, que lançou seu primeiro fundo em 2007. O nome da gestora carioca vem do hebraico e significa “avante”.

A Kadima foi fundada por Sérgio Blank, que começou a estudar o universo dos fundos quantitativos e testar os primeiros modelos quando ainda atuava na tesouraria do antigo Banco Brascan, do grupo canadense Brookfield.

A gestora conta hoje com um total de R$ 1,2 bilhão sob gestão e 12 pessoas na equipe. Mas o que as empresas que adotam estratégias quantitativas fazem de diferente?

“Enquanto uma gestora tradicional conta com analistas e operadores, nós temos engenheiros, programadores e matemáticos”, me disse Rodrigo Maranhão, sócio da Kadima.

O trabalho dessas pessoas é estudar as imperfeições do mercado e criar regras que possam ser executadas sempre que essas condições surgirem.

“Uma pequena vantagem estatística dá origem a um modelo, que quando repetido várias vezes traz bons resultados.” – Rodrigo Maranhão, Kadima Asset Management

Avante nas crises

Logo no primeiro ano de operação, a Kadima teve de fazer jus ao nome quando teve pela frente uma verdadeira pedreira: a crise financeira de 2008.

O histórico do Kadima II, o fundo que colocamos nesta edição da Lupa, começou em maio daquele ano, quando o Brasil havia acabado de conquistar a histórica condição de grau de investimento.

Apenas quatro meses depois, porém, o mundo virou de cabeça para baixo com a quebra do banco norte-americano Lehman Brothers, o que levou a bolsa brasileira a desabar 41%.

Enquanto o mundo financeiro atravessava a maior crise desde a quebra da bolsa de Nova York de 1929, o fundo da Kadima registrou uma rentabilidade de 16,6% – equivalente a 190% do CDI, o indicador de referência.

Vem, volatilidade!

A turbulência nos mercados, na verdade, foi mais do que bem-vinda para a Kadima. Isso porque o fundo costuma apresentar melhor desempenho em momentos de maior volatilidade.

O fundo Kadima II tem como estratégia obter ganhos com a captura de tendências de curtíssimo prazo – de 1 a 3 dias. Os melhores momentos nesses quase 13 anos de histórico foram justamente os de maior sobe e desce nos mercados. Vejamos alguns exemplos:

  • Em março de 2016, véspera do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, a rentabilidade do fundo atingiu de 5,1% – ou 436% da variação do CDI.
  • A tempestade de maio do ano seguinte, quando o então presidente Michel Temer foi flagrado em diálogos comprometedores com o empresário Joesley Batista, também foi boa para a Kadima, que conseguiu um retorno de 5% (538% do CDI).
  • Na greve dos caminhoneiros, os algoritmos que pilotam o fundo também encontraram oportunidades de ganho. A rentabilidade da carteira em maio de 2018 foi de 0,9% – 172% do CDI.

Nos períodos de maior calmaria, por outro lado, o retorno do fundo é bem menor. Mas o saldo até aqui tem sido positivo para os investidores. Desde a criação, o fundo acumula retorno de 261,85%, o equivalente a 127% do CDI até fevereiro de 2020.

O Kadima II também é um dos poucos fundos multimercados que conseguiram superar o CDI nos últimos sete anos (de 31 de dezembro de 2012 a 31 de dezembro de 2019) e em janelas móveis de três anos, de acordo com um levantamento da consultoria Economatica.

E agora?

Como você bem sabe, rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. A gestora passa agora por um novo e duro teste com o choque provocado pelo coronavírus nos mercados. Em março até o último dia 18 a cota do Kadima apresentava uma queda de 0,90%. No ano, porém, ainda acumula um ganho de 0,91% – 103% do CDI.

É claro que ainda é cedo para um veredicto, mas o fato é que nem a Kadima nem nenhuma gestora – por mais tecnológica que seja – está 100% blindada quando opera em mercados de risco.

Medalhões como o norte-americano Ray Dalio, da Bridgewater, que também se vale de estratégias quantitativas na gestão, vem amargando perdas na atual crise. “O santo graal não existe”, resume o sócio da Kadima.

Fundo na Lupa

Kadima II FIC FIM

Aplicação mínima: R$ 500 (via plataformas)
Taxa de administração: 2% ao ano mais 20% sobre o que superar o CDI
Patrimônio líquido: R$ 453 milhões
Resgate: 11 dias após o pedido
Data de início: 30/04/2008
Retorno da estratégia desde o início: 261,85% (até fevereiro de 2020, o equivalente a 127% do CDI)
Por onde investir: Ágora, Andbank, Ativa, Bradesco, BTG Pactual, CM Capital, Genial, Guide, Inter, Modal, Necton, Nova Futura, Órama, Pi, RB Capital, Rico, Uniletra/Hub, Warren e XP

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Seu Dinheiro na sua noite

La bolsa de papel

O roteiro dramático da bolsa nesses tempos de crise do coronavírus muitas vezes me lembra o da série espanhola La Casa de Papel. Para quem não conhece, trata-se da história de um grupo de ladrões que invade a Casa da Moeda para produzir e roubar o próprio dinheiro. A quarta temporada, aliás, acaba de estrear […]

Atualização do covid-19

Brasil registra 667 mortes por coronavírus e 13,7 mil casos

O número representa um aumento de 20% em relação a ontem

Flexibilização de regras

B3 suspende prazo para Oi e outras ‘penny stocks’ ajustarem cotação

Devido ao estado de calamidade pública decretado por conta do coronavírus, a bolsa anunciou uma série de suspensões e prorrogações de prazos para que empresas listadas façam ajustes de forma a se readequar às regras do mercado

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu