Menu
2020-02-18T18:57:40-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Ranking

Os 27 fundos multimercados que superaram o CDI com consistência no longo prazo

Fundos badalados como o Bahia AM Maraú, o SPX Nimitz e o Kapitalo Kappa aparecem no topo da lista divulgada pela consultoria Economatica, mas o fundo Verde ficou de fora.

19 de fevereiro de 2020
5:30 - atualizado às 18:57
Homem desenha gráfico em alta
Bull market a caminho - Imagem: Shutterstock

Depois de divulgar o ranking dos fundos de ações que foram capazes de superar o Ibovespa em nove anos e em janelas móveis de três anos, a consultoria Economatica fez uma pesquisa similar, porém com os fundos multimercados, aqueles que podem investir em diversas classes de ativos.

A consultoria montou um ranking com os 27 fundos multimercados que conseguiram superar o seu índice de referência - o CDI - nos últimos sete anos (de 31 de dezembro de 2012 a 31 de dezembro de 2019) e em janelas móveis de três anos.

Isso significa que eles não só bateram o seu benchmark no longo prazo, como também em prazos mais curtos: de dezembro de 2012 a dezembro de 2015; de dezembro de 2013 a dezembro de 2016; de dezembro de 2014 a dezembro de 2017, e assim por diante.

Em outras palavras, esses fundos apresentaram retornos bastante consistentes acima da média de retorno do mercado, um verdadeiro desafio para os gestores.

O topo da lista ficou por conta de alguns fundos bastante badalados, como o Bahia AM Maraú, o SPX Nimitz e o Kapitalo Kappa. Outros medalhões, porém, ficaram de fora, como é o caso do fundo Verde, de Luis Stuhlberger.

A classe dos multimercados é bastante ampla, pois inclui uma miríade de estratégias e níveis de risco, do fundo mais conservador e sem renda variável ao mais arrojado, com risco similar ao dos fundos de ações.

Porém, de forma geral, pode-se dizer que os multimercados são fundos que podem investir em diversas classes de ativos, sejam eles de renda fixa ou renda variável, e buscando proteger o patrimônio dos cotistas. Eles são normalmente um passo intermediário entre o investimento exclusivo em renda fixa e o investimento em ações.

Critérios

Além da rentabilidade, a Economatica estabeleceu outros critérios para chegar aos 27 fundos da lista: todos eles deveriam ter histórico de 31 de dezembro de 2012 a 31 de dezembro de 2019 (ou seja, fundos mais jovens não entraram); ter mais de 500 cotistas no dia 31 de dezembro de 2019; não serem fundos exclusivos e não serem classificados como crédito privado.

Desta vez, a Economatica não excluiu os grandes bancos da lista, como fez com o ranking de fundos de ações. Assim, três fundos do Banco do Brasil e um do Itaú figuraram entre os melhores.

A rentabilidade mostrada na tabela está em percentual do CDI. A terceira coluna traz o retorno acumulado desde dezembro de 2012, segundo essa métrica. Ou seja, o líder Bahia AM Maraú, teve retorno de 173,38% do CDI em sete anos.

Já a última coluna traz o retorno médio em sete anos, também em percentual do CDI. Nesse caso, a rentabilidade do Maraú foi de 149,49% do CDI em média.

No prazo analisado, o CDI teve um retorno nominal acumulado de 91,64%, o que significa que a rentabilidade do Bahia AM Maraú foi de pouco mais de 200% no período.

O fundo da Bahia Asset Management é seguido do Polo Macro; do SPX Nimitz e dois fundos que investem apenas nele, os fundos espelho do CSHG e o do Safra; do Kapitalo Kappa, da Kapitalo; e pelo AZ Quest Total Return.

Infelizmente, desses fundos que compõem o top 5, apenas o Polo Macro ainda está aberto para novos aportes. É comum que fundos multimercados fechem para captação para não ficarem com patrimônio grande demais e, assim, poderem aplicar suas estratégias de forma mais eficiente. Também se encontram fechados o fundo Navi Long Short e o CSHG Top.

Uma boa notícia, porém, é que os fundos multimercados mais consistentes são, na sua maioria, voltados para o público em geral, diferentemente do que ocorreu com o ranking dos fundos de ações, no qual vários fundos eram restritos a investidores qualificados, private ou sócios da própria gestora.

Apenas o BB Mult LP Dinâmico Plus Private é restrito a investidores qualificados do segmento private do banco, como o próprio nome indica. Os investidores qualificados são aqueles que têm, no mínimo, R$ 1 milhão em aplicações financeiras.

Onde os melhores fundos multimercados investiram

A maioria dos fundos da lista pode ser classificada como Macro - cuja estratégia de investimento parte de uma análise macroeconômica - ou Livre - que não precisa se ater a uma única estratégia.

Há quatro fundos classificados como Long & Short Direcional, do tipo que faz operações compradas e vendidas para ganhar com distorções de preços: AZ Quest Total Return, Navi Long Short, Itaú Equity Hedge e BB Mult LP Arbitragem.

Dois são classificados como Trading, focados em operações de curto prazo: o fundo Dinâmico do BB e a sua versão Private.

Apenas o SulAmérica Endurance é classificado como Juros e Moedas, ou seja, é focado apenas em operações nesses dois mercados, sem lançar mão de estratégias com ações, o que o torna mais conservador.

A Economatica também divulgou o histórico de perfil de alocação dos fundos que ocupam o topo do ranking, mostrando as diferentes estratégias vencedoras.

O Bahia AM Maraú e o Polo Macro, por exemplo, têm uma exposição a ações historicamente maior do que o Nimitz. Este, por sua vez, tem uma parcela bem maior investida no exterior que os outros dois.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Seu Dinheiro na sua noite

La bolsa de papel

O roteiro dramático da bolsa nesses tempos de crise do coronavírus muitas vezes me lembra o da série espanhola La Casa de Papel. Para quem não conhece, trata-se da história de um grupo de ladrões que invade a Casa da Moeda para produzir e roubar o próprio dinheiro. A quarta temporada, aliás, acaba de estrear […]

Atualização do covid-19

Brasil registra 667 mortes por coronavírus e 13,7 mil casos

O número representa um aumento de 20% em relação a ontem

Flexibilização de regras

B3 suspende prazo para Oi e outras ‘penny stocks’ ajustarem cotação

Devido ao estado de calamidade pública decretado por conta do coronavírus, a bolsa anunciou uma série de suspensões e prorrogações de prazos para que empresas listadas façam ajustes de forma a se readequar às regras do mercado

Pisando fundo

Mini-rali: Ibovespa desacelera na reta final, mas fecha em alta e acumula 10% de ganhos em dois dias

O Ibovespa ganhou terreno pelo segundo dia consecutivo, amparado pela menor percepção de risco político e pelos dados econômicos domésticos mais animadores — fatores que compensaram o viés mais cauteloso visto no exterior

Precisa ser mais rápido

Luiza Trajano diz que medidas foram adequadas, mas precisam chegar na ponta

Medidas adotadas pelo governo para combater o coronavírus foram adequadas, disse a presidente do Conselho do Magazine Luiza, a empresária Luiza Trajano

Ajuda de emergência

Caixa já tem 10 milhões de cadastros finalizados, diz presidente

Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães atualizou na tarde desta terça-feira, 7, as informações sobre a procura por trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEIs) ao cadastro para o recebimento do auxílio emergencial

Mais crédito

BCE anuncia medidas que flexibilizam garantias necessárias para empréstimos

Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta terça-feira, 7, um pacote de medidas que flexibiliza garantias necessárias para empréstimos, com o objetivo de ampliar a tomada de crédito em meio à crise trazida pelo novo coronavírus

Efeito covid-19

S&P muda perspectiva de positiva para estável de instituições financeiras do Brasil

S&P informou em comunicado que a revisão da perspectiva, de positiva para estável, dos ratings de 15 instituições do setor financeiro do Brasil

Efeitos negativos

Com coronavírus, setor de telecom e TI deve perder US$ 15 bilhões na América Latina

Setor de telecomunicações e tecnologia da informação vai interromper o ciclo de crescimento e encerrar o ano em queda devido à crise do coronavírus, de acordo com projeção da consultoria IDC

o baque da pandemia

Covid-19 faz comércio perder R$ 53,3 bi em faturamento, diz CNC

Estimativa sinaliza uma queda de 46,1% no faturamento do comércio varejista desde a introdução de medidas restritivas até esta terça-feira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements