ESTÁ CHEGANDO A HORA: CONHEÇA AS 5 CRIPTOS QUE PODEM ‘EXPLODIR’ EM BREVE – CLIQUE AQUI

Cotações por TradingView
2021-12-31T19:22:08-03:00
Carolina Gama
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Formada em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
MERCADOS HOJE

Show da virada: bolsas americanas deixam Ibovespa no chinelo e encerram 2021 com ganhos de até 27%

Índices em Nova York sentem efeito do baixo volume do último dia do ano e fecham sessão abaixo dos recordes recentes. Temores por disparada de casos de covid-19 nos Estados Unidos também pesam.

Seu Dinheiro
Carolina Gama, Larissa Vitória, Julia Wiltgen
31 de dezembro de 2021
11:38 - atualizado às 19:22
2022 Ano novo
Imagem: Envato

Não teve para Ivete Sangalo, Anitta, Iza ou Alok. O show da virada de 2021 ficou a cargo de Dow Jones, Nasdaq e S&P 500. Os três principais índices da Bolsa de Valores de Nova York encerram o ano com uma performance digna das grandes estrelas internacionais ao acumularem ganhos anuais de 19%, 22% e 27%, respectivamente. 

Na última sessão de 2021, no entanto, o trio não brilhou tanto: o Dow Jones caiu 0,16%, aos 36.338,30 pontos; o Nasdaq cedeu 0,61%, aos 15.644,97 pontos; e o S&P 500 teve baixa de 0,26%, aos 4.766,18 pontos.

No caso da bolsa brasileira, que hoje permaneceu fechada para os negócios, não vimos um rali de fim de ano, mas também não deu para dizer que o desempenho das ações domésticas em dezembro foi ruim. Com uma alta de 0,69% no último pregão do ano, o Ibovespa terminou essa semana de marasmo com uma queda de apenas 0,07%, acumulando ganhos de 2,85% no mês.

No entanto, o presente do Papai Noel não foi nem de longe o suficiente para amenizar as perdas do ano. O principal índice da B3 terminou 2021 com um tombo de 11,93%, aos 104.822 pontos, seu pior desempenho desde 2015, um ano de crise. Confira a cobertura do mercado brasileiro na última sessão do ano.

Lá e cá

No último mês do ano, vimos no Brasil o início de uma reversão de fatores que vinham pesando negativamente nos mercados. A PEC dos precatórios foi finalmente aprovada, com o "puxadinho" no teto de gastos, considerada a saída "menos pior" para os imbróglios fiscais.

O Banco Central também adotou uma postura mais dura contra a inflação, reancorando as expectativas do mercado. Ao mesmo tempo, os índices de preços já começaram a mostrar que a política monetária do BC parece estar surtindo efeito.

Nos Estados Unidos, o último pregão do ano foi marcado pela baixa liquidez, com ajuste de posições dos investidores para 2022, já que na próxima semana o Federal Reserve (Fed) - como é conhecido o banco central americano - divulga sua ata da reunião de dezembro. Confira a cobertura da decisão de política monetária mais recente do Fed

Muitos investidores e estrategistas esperam condições mais difíceis no próximo ano, à medida que o Fed reduz sua política monetária mais frouxa e enfrenta a inflação persistente.

Covid-19 no radar da bolsa

As preocupações com o ressurgimento de casos de covid-19 também estiveram no radar do mercado não só na sessão de hoje como ao longo de todo 2021. Esses temores ganharam mais força nas últimas semanas, com a disseminação da variante ômicron do novo coronavírus. 

Às vésperas da chegada de 2022, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertou o mundo que a circulação simultânea das variantes delta e ômicron pode provocar um tsunami de casos de covid-19.

“Delta e Ômicron são ameaças gêmeas que estão elevando os casos a números recordes, o que, mais uma vez, causa picos nas hospitalizações e mortes”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em sua última coletiva do ano, realizada nesta semana. 

O peso da covid-19 nas aéreas

A exemplo do que aconteceu no Natal, companhias aéreas de todo o mundo voltaram a cancelar voos por conta da pandemia. As empresas enfrentam dificuldades logísticas, com funcionários infectados na passagem de uma nova onda do vírus. Nos Estados Unidos, por exemplo, JetBlue, Allegiant e United Airlines cortaram mais de mil voos.

Em Hong Kong, a Cathay Pacific Airlines suspendeu voos de carga por uma semana graças a exigências estritas de quarentena para suas equipes, segundo a Associated Press. Segundo comunicado da empresa, voos para Europa, pelo Pacífico e para Riad e Dubai estão suspensos até 6 de janeiro.

Além das viagens, a covid-19 ainda atrapalha as celebrações pelo mundo. Foram cancelados fogos de artifício em Londres, Paris e Kuala Lumpur e a Índia endureceu as medidas restritivas para as festas de fim de ano.

Enquanto isso na Europa e na Ásia…

Na China, que segue um calendário diferente do ocidental, o dia começou com os mercados operando normalmente. A Bolsa de Xangai, a maior da região, fechou em alta de 0,57% e encerra 2021 com um avanço acumulado 4,80%.

Já na Europa o esquema de funcionamento foi diferente em cada país: as bolsas de Frankfurt, Milão e Madri ficaram fechadas, enquanto Londres, Paris e Lisboa operaram com horário reduzido e terminaram o dia com quedas de 0,04% a 0,28%.

Compartilhe

BRIGA PELO TRONO GRELHADO

Acionistas da Zamp (BKBR3) recusam-se a ceder a coroa do Burger King ao Mubadala; veja quem rejeitou a nova oferta

21 de setembro de 2022 - 8:01

Detentores de 22,5% do capital da Zamp (BKBR3) já rechaçaram a nova investida do Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

FECHAMENTO DO DIA

Wall Street se recupera, mas Ibovespa cai com varejo fraco; dólar vai a R$ 5,17

14 de setembro de 2022 - 18:34

O Ibovespa não conseguiu acompanhar a recuperação das bolsas americanas. Isso porque dados do varejo e um desempenho negativo do setor de mineração e siderurgia pesaram sobre o índice.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana derruba Wall Street e Ibovespa cai mais de 2%; dólar vai a R$ 5,18 com pressão sobre o Fed

13 de setembro de 2022 - 19:01

Com o Nasdaq em queda de 5% e demais índices em Wall Street repercutindo negativamente dados de inflação, o Ibovespa não conseguiu sustentar o apetite por risco

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

FECHAMENTO DO DIA

Expectativa por inflação mais branda nos Estados Unidos leva Ibovespa aos 113.406 pontos; dólar cai a R$ 5,09

12 de setembro de 2022 - 18:04

O Ibovespa acompanhou a tendência internacional, mas depois de sustentar alta de mais de 1% ao longo de toda a sessão, o índice encerrou a sessão em alta

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies