Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-29T19:05:05-03:00
Larissa Vitória
Larissa Vitória
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pelo portal SpaceMoney e pelo departamento de imprensa do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Fechamento hoje

Em mais um dia fraco, Ibovespa perde força e fecha em queda; dólar volta a flertar com os R$ 5,70

Temores com a ômicron no exterior e volumes reduzidos limitaram novas altas, o que pesou na bolsa brasileira; juros e dólar responderam mal ao IGP-M e à pressão dos servidores públicos por aumentos

29 de dezembro de 2021
18:51 - atualizado às 19:05
queda
No pior momento do dia, Ibovespa chegou a perder os 104 mil pontos. Imagem: Shutterstock

Parecia que, neste penúltimo pregão do ano, o Ibovespa poderia pegar carona no rali de ano novo do exterior e fechar no azul.

Mas, lá fora, após um certo otimismo no começo da semana - que não pegou muito por aqui -, faltou gás para novas altas, com os índices de ações fechando sem direção definida. E, em mais um dia de liquidez reduzida, a movimentação dos preços também não foi lá muito intensa.

Ao longo desta quarta-feira (29), o clima de rali foi, pouco a pouco, dando lugar a um cansaço pré-recesso de Réveillon, e os mercados locais seguiram o exterior.

Assim, o Ibovespa, que começou o dia alternando entre altas e baixas e lutando para manter os 105 mil pontos, logo se firmou em queda, e chegou até mesmo a perder o patamar dos 104 mil pontos, no pior momento do dia. No fim do pregão, fechou em baixa de 0,72%, aos 104.107 pontos.

A responsável pela água no chope da festa de fim de ano nos mercados mundiais é a variante ômicron do coronavírus, que paira como uma sombra sobre a cabeça dos investidores.

Inicialmente, eles reagiram bem ao fato de que os governos não devem impor restrições muito severas à circulação de pessoas por conta da pandemia, ao menos não agora, na reta final de 2021.

Mas hoje não houve fôlego para ganhos mais significativos, tendo em vista que a ômicron ainda assim é uma ameaça e que os volumes de negociação estão fracos em todos os mercados, como é típico desta época do ano.

Além disso, o noticiário não deixa os investidores esquecerem o risco: vários países, incluindo os EUA, vêm batendo recordes de casos, e hoje a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou para a potencial piora no quadro da pandemia com a nova cepa, mais contagiosa, e o seu convívio com a variante delta.

Assim, as bolsas asiáticas e europeias fecharam majoritariamente em baixa - o índice pan-europeu Stoxx 600, que reúne as principais empresas do Velho Continente, fechou com recuo de 0,63%.

E, em Wall Street, um pregão que começou relativamente animado terminou com movimentações modestas. O Dow Jones fechou em alta de 0,25%, o S&P 500 avançou 0,14%, após um pregão instável, e o Nasdaq recuou 0,10%. Ainda assim, o Dow Jones e o S&P 500 bateram novos recordes de fechamento.

O dólar à vista e os juros futuros, por sua vez, tiveram altas firmes nesta quarta. A divulgação do IGP-M acima da mediana das estimativas, combinada com a pressão dos servidores federais por aumentos salariais, pesou sobre o risco fiscal, mesmo com o bom desempenho das contas públicas em novembro, exibindo superávit primário pela primeira vez para o mês em quatro anos.

Com isso, a moeda americana fechou em alta de 0,95%, a R$ 5,6934, voltando a flertar com o patamar de R$ 5,70. Confira também o desempenho dos principais vencimentos de DI:

  • Janeiro/23: de 11,68% para 11,825%;
  • Janeiro/25: de 10,592% para 10,685%;
  • Janeiro/27: de 10,501% para 10,58%.

Ômicron ameaça rali

A principal ameaça para o rali de final de ano dos mercados é a disseminação da ômicron. 

As autoridades mundiais têm optado por medidas de distanciamento social mais brandas, que não parecem ser suficientes para conter o avanço da nova cepa do coronavírus. A França, por exemplo, registrou ontem mais de 179 mil infecções por covid-19, o maior número desde o início da pandemia.

Portugal também renovou o recorde, com 17 mil novas infecções, enquanto a Inglaterra confirmou mais 117 mil casos. Apesar disso, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reiterou que não pretende impor novas restrições antes de 2022.

No Japão, autoridades sanitárias em duas das maiores cidades do país, Tóquio e Osaka, pediram que a população evite aglomerações nas festividades de final de ano. 

Já na Espanha e em Xian, na China, os governos regionais foram mais duros: o país europeu decidiu limitar as celebrações pela chegada de 2022, e a cidade chinesa entrou no sétimo dia de lockdown hoje.

Inflação incomodou

Com a prévia da inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) vindo abaixo das expectativas em dezembro, os investidores aguardavam ansiosamente para conferir como seria o comportamento do IGP-M, divulgado hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O resultado foi uma alta de 0,87% no mês, contra avanço de 0,02% em novembro. O índice, mais conhecido como a “inflação do aluguel”, veio um pouco acima da mediana de 0,74% dos especialistas ouvidos pelo Broadcast, mas dentro do intervalo geral para os palpites, que ia até 1,02%. Ainda assim, fez pressão sobre os juros futuros.

Com a nova aceleração, o IGP-M terminou 2021 com alta de 17,78%. Apesar de ainda estar elevado, o percentual é menor do que os 23,14% acumulados no ano passado.

Sobe e desce

Confira as maiores altas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
VIIA3Via ONR$ 5,02+1,41%
TIMS3TIM ONR$ 12,89+1,02%
BEEF3Minerva ONR$ 10,62+0,66%
MRFG3Marfrig ONR$ 22,92+0,61%
VIVT3Telefônica Brasil ONR$ 48,27+0,60%

Confira também as maiores quedas do dia:

CÓDIGONOMEVALORVARIAÇÃO
AZUL4Azul PNR$ 23,86-7,34%
CVCB3CVC ONR$ 13,14-7,33%
GOLL4Gol ONR$ 16,66-6,72%
BIDI11Banco Inter unitR$ 27,58-4,90%
QUAL3Qualicorp ONR$ 16,02-4,76%
Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

SEM ESPAÇO NO ORÇAMENTO

Servidores iniciam manifestação e prometem greve para fevereiro, mas Mourão diz que não há espaço para reajustes

Na peça aprovada no Congresso em Dezembro foi incluída uma previsão de R$ 1,7 bilhão para reajustes de salários do funcionalismo, contudo, a a categoria que seria beneficiada não foi especificada

NA CORRIDA PELA MINERAÇÃO

Intel planeja entrar no lucrativo ramo de mineração de criptomoedas e competir com Nvidia, a próxima empresa de US$ 1 trilhão

A escassez de condutores e semicondutores pode atrapalhar os planos da empresa, que divulgará o novo chip em fevereiro deste ano

TECHS SOFREM

Por que a alta dos juros nos EUA derruba as ações de Locaweb (LWSA3) e Inter (BIDI11) na B3?

O movimento com as ações ligadas ao setor de tecnologia na B3 ocorre desde o início do ano. Os papéis da Locaweb, por exemplo, acumulam queda de 40% apenas nos primeiros dias de 2022

FOLLOW ON

BRF definirá dia 1º preço da ação no follow on, que pode girar cerca de R$ 8 bi

A operação pode abrir o caminho para a Marfrig assumir o controle da BRF

Fatia maior

Gestora Alaska aumenta participação na Cogna (COGN3) para mais de 15%, e ação dispara

Papel tem uma das maiores altas do Ibovespa depois que gestora de Henrique Bredda e Luiz Alves Paes de Barros informou ter adquirido mais ações na companhia de educação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies