Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-01-10T11:46:52-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
eleições americanas

Trump foi ótimo para pessoas como eu, diz bilionário Michael Bloomberg, pré-candidato à presidência dos EUA

Executivo lembra uma série de promessas do empresário alçado ao maior cargo do país – e ataca propostas, nas palavras dele, não cumpridas

10 de janeiro de 2020
12:39 - atualizado às 11:46
Michael Bloomberg e Donald Trump
Michael Bloomberg e Donald Trump - Imagem: Shutterstock

O bilionário Michael Bloomberg se disse favorecido por Donald Trump por conta da redução de impostos promovida pelo governo americano. "O presidente tem sido ótimo para pessoas como eu, mas eu vou ser ótimo para pessoas como você", escreve em tom de campanha.

Em artigo publicado no site MarketWatch, ele lembra uma série de promessas do empresário alçado ao maior cargo do país - e ataca propostas, nas palavras dele, não cumpridas.

Bloomberg é um dos pré-candidatos do lado democrata a presidência dos Estados Unidos. O executivo tenta se viabilizar como alternativa moderada às agendas de Elizabeth Warren e Bernie Sanders. O empresário é o nono homem mais rico do mundo segundo a lista de 2019 da Forbes, dono de uma fortuna de U$ 55,5 bilhões.

O executivo diz que, quando candidato, Trump foi até a porta da General Motors em Lordstown, Ohio, e prometeu manter a fábrica aberta - mas que o local foi fechado em 2018.

"No ano passado, os agricultores perderam bilhões de dólares e muitos perderam suas fazendas, como resultado direto da guerra comercial", escreve o bilionário.

Em 2016, Trump fez campanha com fortes críticas ao modelo econômico e social dos EUA. Ele dizia que a classe política não trabalhava mais pelos interesses dos cidadãos americanos.

"Para ser justo, enfrentamos sérios problemas econômicos antes da posse do presidente Trump - essa é uma das razões pelas quais ele venceu. Ele prometeu consertá-los", diz ainda Bloomberg.

O executivo bilionário ainda lembra que, na gestão do atual presidente dos EUA, o mercado financeiro chegou ao nível mais alto de todos os tempos. Há especialista defendendo que o S&P ainda pode subir 7% em 2020. "Mas quase metade do país não possui ações", escreve.

Entre 2002 e 2013, Bloomberg foi prefeito de Nova York. Nesta posição, um dos seus grandes desafios foi ajudar a cidade a se reerguer dos atentados de 11 de setembro de 2001.

Também foi sob sua gestão que ocorreu a crise financeira de 2008, e foi por causa da crise que ele propôs o terceiro mandato. No artigo publicado pela MarketWatch, Bloomberg aproveita o espaço, após atacar Trump, para exaltar feitos de sua gestão.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

ACIONISTAS FELIZES

‘Sextou’ com dividendos: Raia Drogasil (RADL3) e MRS Logística (MRSA3B) anunciam R$ 201 milhões em proventos

Ambas as companhias detalharam o valor por ação, a data de corte para receber os proventos e quando o dinheiro deverá cair na conta dos acionistas

FECHAMENTO DA SEMANA

Em semana de alta volatilidade, Ibovespa pega carona com PEC dos precatórios e sobe 2,78%; dólar também avança, mas juros passam por alívio

Variante ômicron, PEC dos precatórios e o futuro da política monetária americana dominaram a semana do Ibovespa

Evergrande vende parte de suas ações de empresa de tecnologia e obtém US$ 145 mi

O grupo chinês da Evergrande levantou cerca de US$ 145 milhões nos últimos dias com a venda de parte de suas ações em uma produtora de filmes e empresa de mídia na internet, a HengTen Networks. Assim, a gigante imobiliária vendeu cerca de 5,7% das ações da HengTen Networks e junta mais dinheiro à medida […]

Aperto monetário

Copom deve elevar Selic para 9,25% ao ano na próxima semana, aposta JP Morgan

Para o banco, a queda de 0,1% do PIB do terceiro trimestre e o avanço da PEC dos precatórios no Congresso fizeram com que as estimativas convergissem para a manutenção do ritmo de alta de 1,5 ponto

Intervenção estatal

Sob risco de novo calote, governo chinês envia ‘socorro administrativo’ para Evergrande

O movimento ocorre após a gigante imobiliária alertar que corria o risco de não cumprir mais uma grande obrigação financeira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies