Menu
2020-03-12T16:08:30-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Caos nos mercados

Após dois circuit breakers, Ibovespa desaba 14%; aéreas lideram as perdas

Em meio ao pânico que toma conta do Ibovespa, o circuit breaker precisou ser acionado duas vezes nesta quinta-feira, algo que não acontecia desde 2008

12 de março de 2020
10:22 - atualizado às 16:08
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

Aconteceu de novo: em meio à onda de pânico que toma conta dos investidores, o Ibovespa abriu em forte queda e, em questão de minutos, bateu os 10% de baixa, acionando novamente o circuit breaker. O pessimismo de hoje, contudo, foi além: após a primeira pausa, o índice chegou aos 15% de queda — e, com isso, disparou o botão do pânico pela segunda vez no dia.

Às 11h14, o Ibovespa chegou aos 72.026,68 pontos, em baixa de 15,43%. Foi a primeira vez desde 6 de outubro de 2008 que o circuit breaker precisou ser acionado duas vezes no mesmo dia.

A segunda paralisação foi mais longa: desta vez, os negócios ficaram suspensos por uma hora. Mas, mesmo depois de tanto tempo no chuveiro, os investidores seguem de cabeça quente — às 15h50, o Ibovespa desabava 14,09%, aos 13.234,91 pontos.

E olha que a situação já esteve pior: no momento de maior tensão, o índice chegou a derreter 19,59%, aos 68.488,29 pontos, cravando a menor cotação intradiária desde 18 de agosto de 2017 (67.979,00 pontos)

Mas, apesar dessa "suavização" nas perdas, o Ibovespa ainda acumula perdas muito expressivas: o índice já cai mais de 25% na semana; no ano, a baixa já chega a 37%.

Há dois focos de enorme pressão para os mercados brasileiros nesta quinta-feira: lá fora, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a suspensão das viagens entre o país e a Europa, de modo a tentar conter o avanço do coronavírus — uma medida que gerou ainda mais preocupação e deu força à leitura de que o surto da doença causará fortes impactos à economia mundial.

Essa situação, obviamente, impacta diretamente as companhias aéreas do mundo — e gera reações imediatas por parte do mercado financeiro. Em Wall Street, as ações da Delta (DAL) despencam 16,8%, as da American Airlines (AAL) caem 10,58% e as da United Airlines (UAL) desabam 20,75%.

Na Alemanha, os papéis da Lufthansa (LHA.DE) fecharam em baixa de 14,04%; na França, os ativos da Air France-KLM (AF.PA) recuaram 12,69%.

E, no Brasil, a tendência é a mesma: por aqui, as ações PN da Gol (GOLL4) despencam 31,57%, enquanto os ativos PN da Azul (AZUL4) derretem 28,86%. Por mais que as companhias brasileiras não operem rotas entre os EUA e a Europa, o setor aéreo é altamente interligado — há alianças e acordos de compartilhamentos de voos em escala global.

Além disso, as ações das aéreas brasileiras também são diretamente impactadas pelo salto no dólar à vista, uma vez que uma fatia relevante de suas linhas de custos é denominada na moeda americana. Tanto o combustível de aviação quanto os gastos com manutenção em aeronaves são dolarizados.

A postura de Trump, somada ao número cada vez mais elevado de mortes e infectados no mundo, provocou uma enorme onda de aversão ao risco nos mercados globais: as bolsas da Europa fecharam em baixa de mais de 10% e, nos EUA, os principais índices acionários chegaram a cair mais de 9%.

No entanto, uma atuação do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) trouxe algum alívio aos mercados: a autoridade monetária vai injetar mais de US$ 1,5 trilhão em liquidez, através de operações de recompras de títulos.

Logo após o anúncio, os índices americanos reduziram as perdas pela metade. No entanto, o ritmo de perdas já voltou a se acentuar novamente: no momento, o Dow Jones cai 8,57%, o S&P 500 recua 8,27% e o Nasdaq tem baixa de 7,92%.

Turbulência doméstica

Por aqui, o mercado mostra-se bastante tenso com os atritos entre governo e Congresso: ontem, foi derrubado o veto imposto pelo presidente Jair Bolsonaro à elevação do BPC, criando um gasto adicional da ordem de R$ 20 bilhões por ano ao orçamento do país.

Esse revés no Congresso ameaça diretamente o cumprimento do teto de gastos do governo, além de representar um grande passo para trás na questão do ajuste fiscal. Além disso, a deterioração na relação entre os poderes cria ainda mais incertezas no front das reformas e outras pautas econômicas.

Dia caótico

No câmbio, a situação é igualmente tensa: o dólar à vista abriu em forte alta e chegou a bater os R$ 5,0280 no pico do estresse (+6,47%). O Banco Central, contudo, atuou de maneira rápida, promovendo leilões no segmento à vista, o que diminui parte da pressão.

Essa ação do BC brasileiro, somada à injeção de liquidez por parte do Fed, afastou a moeda americana das máximas: no momento, sobe "apenas" 2,05%, a R$ 4,8195.

Entre as curvas de juros, o tom também é de forte aversão ao risco, com um movimento amplo de abertura das curvas mais curtas. Os DIs com vencimento em janeiro de 2021 saltam de 4,21% para 5,14%.

Perdas massivas

Nenhuma ação do Ibovespa opera em alta nesta quinta-feira — o ativo de melhor desempenho é Equatorial ON (EQTL3), recuando 4,67%.

Veja abaixo as cinco maiores quedas do índice:

CÓDIGONOME PREÇO (R$)VARIAÇÃO
GOLL4Gol PN10,71 -31,57%
AZUL4Azul PN21,52 -28,86%
BPAC11BTG Pactual units31,84 -28,30%
CVCB3CVC ON13,92 -27,65%
IRBR3IRB ON9,20 -27,56%
Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

em Minas Gerais

Notre Dame Intermédica compra Grupo Serpram por R$ 170 milhões

Aquisição marca avanço da empresa em Minas Gerais; mais cedo, companhia anunciou compra de outra empresa, no Sul do País

forte expansão

Unidas reporta lucro líquido de R$ 124 milhões, alta de 44,4% e melhor da história

Empresa registrou uma forte retomada no segmento de Terceirização de Frotas, que apresentou recordes de contratação

desinvestimentos

Compass apresenta proposta para adquirir participação da Petrobras na Gaspetro

Empresa, que chegou a desistir de abrir capital, não revelou valor pela fatia; processo é mais um desinvestimento da Petrobras, que desembarca de vez da companhia

Dinheiro na conta

Santander pagará R$ 1 bilhão em juros sobre capital próprio

O valor líquido por ação será de R$ 0,10859906709 por ON, com retenção de IR na fonte.

PLANOS

Agora parte do BTG, Necton vai em busca de pequenos investidores

Corretora pretende lançar iniciativas e produtos para a base dos investidores, para quem tem entre R$ 10 mil e R$ 15 mil aportados no mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies