Menu
2020-05-14T18:42:06-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Jornalista formado pela UFPR. Fez parte da oitava turma de treinamento em jornalismo econômico do Estadão.
de olho no balanço

Ação da Via Varejo pode dobrar de valor, diz Credit Suisse

Empresa divulgou que teve lucro no primeiro trimestre e acelerou o canal online em meio à crise; movimento é visto com otimismo por analistas

14 de maio de 2020
11:02 - atualizado às 18:42
Fachada da loja Casas Bahia, rede pertencente à Via Varejo
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via Varejo - Imagem: Shutterstock

As ações da Via Varejo, dona das Casas Bahia, podem mais do que dobrar de valor, segundo analistas do Credit Suisse. O banco estima que os papéis têm potencial para chegar ao valor de R$ 21, em um período de 12 meses.

A estimativa do banco de investimento, acompanhada de uma recomendação de compra das ações, é feita após a companhia divulgar os resultados do primeiro trimestre de 2019. Entre outras coisas, a Via Varejo informou um lucro líquido de R$ 13 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 50 milhões no mesmo período de 2019.

Para os analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto, do Credit Suisse, a Via Varejo apresentou resultados sólidos, considerando as circunstâncias do mercado — que sofre o baque da crise do novo coronavírus. Eles destacam que as vendas em mesmas lojas — linha que mostra ganho de produtividade de uma varejista — aumentaram 4,2% antes da pandemia.

Os especialistas ainda apontam a aceleração de 46% nas vendas online e a margem Ebitda, uma métrica de rentabilidade operacional, a 6,6% (excluindo os efeitos contábeis da norma IFRS16). Eles também destacam os investimentos "mais eficientes" em marketing e melhorias nos aplicativos — que em abril atingiram 11,2 milhões de usuários, segundo a empresa.

"O crescimento das vendas online em abril pode ter chamado a atenção dos investidores, que estariam enxergando a Via Varejo como uma empresa de e-commerce", dizem os analistas do banco.

Os papéis da varejista subiram de R$ 4,65 no final de março para R$ 9,50 no último pregão de abril, mas ensaiaram uma queda no mês seguinte, depois da notícia que a empresa pretende lançar uma oferta de ações de R$ 5 bilhões — o que poderia indicar que a companhia tem pouco dinheiro dinheiro em caixa para enfrentar a crise.

"Reconhecemos que ainda há um longo caminho a percorrer, mas a disposição da empresa em manter intacto seu capex ['capital expenditure', a quantidade de recursos financeiros alocados para a compra de bens de capital] para a transformação digital e os resultados entregues até o momento nos deixam otimistas", diz o Credit Suisse.

Na quarta-feira, a Via Varejo ainda informou uma receita líquida de R$ 6,339 bilhões e volume bruto de vendas (GMV, na sigla em inglês) de R$ 7,8 bilhões — alta de 3%. Segundo a companhia, o canal online respondeu por 27% de participação.

Mesmo após os resultados vistos pelos bancos como otimistas, as ações da empresa caíram 1,31% no pregão de hoje, fechando cotadas a R$ 9,02. Veja a cobertura completa do Seu Dinheiro.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

sinais ambíguos

Bolsonaro cita respeito a teto de gastos, mas acerta R$ 5 bi extras para obras

Uso de créditos extraordinários, sob o argumento de estimular a economia no pós-covid-19, é defendido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho

gritty investidor

Quatro passos importantes para avaliar se uma empresa é bom negócio

Vou compartilhar com você quatro pontos importantes para ver uma empresa na bolsa

Disputa corporativa

Totvs entra na disputa pela Linx contra a Stone com oferta igual para todos os acionistas

A proposta formalizada hoje pela Totvs avalia a Linx em R$ 6,1 bilhões e não prevê pagamento adicional a conselheiros da empresa como a oferta da Stone

efeitos da pandemia

BNDES registra prejuízo contábil de R$ 582 milhões no 2º trimestre

prejuízo foi motivado por ajustes negativos de equivalência patrimonial em empresas investidas e por provisionamentos para risco de crédito visando a cobertura de eventuais perdas decorrentes do cenário de pandemia da covid-19

em queda

Prévia do PIB cai 6,28% no 1º semestre, diz BC

No Relatório de Mercado Focus divulgado pelo BC na última segunda-feira, a projeção é de queda de 5,62% do PIB em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements