🔴 FENÔMENO QUE TRANSFORMOU 1.500 PESSOAS EM MILIONÁRIAS PODE SE REPETIR – VEJA COMO SER O PRÓXIMO

Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
de olho no balanço

Ação da Via Varejo pode dobrar de valor, diz Credit Suisse

Empresa divulgou que teve lucro no primeiro trimestre e acelerou o canal online em meio à crise; movimento é visto com otimismo por analistas

Kaype Abreu
Kaype Abreu
14 de maio de 2020
11:02 - atualizado às 18:42
Fachada da loja Casas Bahia, rede pertencente à Via (VIIA3)
Casas Bahia é uma das redes de lojas operadas pela Via (VIIA3) - Imagem: Shutterstock

As ações da Via Varejo, dona das Casas Bahia, podem mais do que dobrar de valor, segundo analistas do Credit Suisse. O banco estima que os papéis têm potencial para chegar ao valor de R$ 21, em um período de 12 meses.

A estimativa do banco de investimento, acompanhada de uma recomendação de compra das ações, é feita após a companhia divulgar os resultados do primeiro trimestre de 2019. Entre outras coisas, a Via Varejo informou um lucro líquido de R$ 13 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 50 milhões no mesmo período de 2019.

Para os analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto, do Credit Suisse, a Via Varejo apresentou resultados sólidos, considerando as circunstâncias do mercado — que sofre o baque da crise do novo coronavírus. Eles destacam que as vendas em mesmas lojas — linha que mostra ganho de produtividade de uma varejista — aumentaram 4,2% antes da pandemia.

Os especialistas ainda apontam a aceleração de 46% nas vendas online e a margem Ebitda, uma métrica de rentabilidade operacional, a 6,6% (excluindo os efeitos contábeis da norma IFRS16). Eles também destacam os investimentos "mais eficientes" em marketing e melhorias nos aplicativos — que em abril atingiram 11,2 milhões de usuários, segundo a empresa.

"O crescimento das vendas online em abril pode ter chamado a atenção dos investidores, que estariam enxergando a Via Varejo como uma empresa de e-commerce", dizem os analistas do banco.

Os papéis da varejista subiram de R$ 4,65 no final de março para R$ 9,50 no último pregão de abril, mas ensaiaram uma queda no mês seguinte, depois da notícia que a empresa pretende lançar uma oferta de ações de R$ 5 bilhões — o que poderia indicar que a companhia tem pouco dinheiro dinheiro em caixa para enfrentar a crise.

"Reconhecemos que ainda há um longo caminho a percorrer, mas a disposição da empresa em manter intacto seu capex ['capital expenditure', a quantidade de recursos financeiros alocados para a compra de bens de capital] para a transformação digital e os resultados entregues até o momento nos deixam otimistas", diz o Credit Suisse.

Na quarta-feira, a Via Varejo ainda informou uma receita líquida de R$ 6,339 bilhões e volume bruto de vendas (GMV, na sigla em inglês) de R$ 7,8 bilhões — alta de 3%. Segundo a companhia, o canal online respondeu por 27% de participação.

Mesmo após os resultados vistos pelos bancos como otimistas, as ações da empresa caíram 1,31% no pregão de hoje, fechando cotadas a R$ 9,02. Veja a cobertura completa do Seu Dinheiro.

Compartilhe

Má fase

Ainda na esteira de escândalos e abalado pelo cenário econômico difícil, Credit Suisse troca de CEO após novo prejuízo bilionário

27 de julho de 2022 - 16:47

Thomas Gottstein será substituído por Ulrich Koerner, após banco suíço registrar perdas equivalentes a US$ 1,66 bilhão no 2º tri, muito superiores ao esperado por analistas

DESTAQUES DA BOLSA

Por que as ações da PagSeguro (PAGS34) despencam 20% apesar do lucro recorde no 1T22?

9 de junho de 2022 - 14:18

O mercado enxerga além do 1T22 e pode estar precificando novamente as dificuldades que a empresa talvez enfrente nos próximos meses

PÓDIO DO VAREJO

Arezzo (ARZZ3), Centauro (SBFG3) ou Renner (LREN3)? Qual varejista vai ganhar a corrida dos resultados do 1T22?

26 de abril de 2022 - 13:08

O Credit Suisse espera que os números das três empresas sejam bem recebidos pelo mercado, mas uma delas vai ocupar o lugar mais alto do pódio; saiba qual

Real vem forte

O dólar pode cair ainda mais? Veja as projeções do Credit Suisse para as cotações da moeda

24 de março de 2022 - 11:20

Tombo recente reverte apenas uma parte da valorização do dólar nos últimos anos; saiba até quanto a moeda pode cair, segundo o banco suíço

FUGINDO DE PUTIN?

Como os bancos de Wall Street estão driblando as sanções contra Rússia e negociando no país

11 de março de 2022 - 20:22

Goldman Sachs, JP Morgan e Deustche Bank são os primeiros a anunciar que estão deixando o país e podem ser seguidos por outras instituições financeiras globais

DINHEIRO SUJO

Vazamento de dados do Credit Suisse expõe supostas conexões criminosas entre 18 mil contas com mais de US$ 100 bilhões em depósitos

20 de fevereiro de 2022 - 18:13

Banco suíço debate-se hoje com o mais recente escândalo noticiado pela imprensa internacional; Credit contesta denúncia

DERRUBADO PELA COVID

Com presidente do Conselho fura-quarentena e perdas de clientes, Credit Suisse tem desafio de recuperar reputação

17 de janeiro de 2022 - 15:05

Credit Suisse volta a ser abalado com saída de presidente do Conselho que veio para recuperar a imagem do banco, mas foi pego violando as regras da quarentena contra a covid-19

PISTA LIVRE

CCR (CCRO3) ou EcoRodovias (ECOR3)? O Credit Suisse aponta qual a via mais rápida para o lucro na bolsa

5 de janeiro de 2022 - 11:06

O banco suíço tem recomendação de compra para ambas as empresas e vê potencial de alta de mais de 40% para as ações. Mas o portfólio de uma delas é visto como mais sólido no momento

FALTA CLAREZA

Setor de maquininhas está descontado, diz o Credit Suisse, mas ausência de catalisadores inibe espaço para reação

24 de dezembro de 2021 - 14:12

Banco suíço corta preço-alvo da PagSeguro, da Stone e da Cielo, mas ainda vê espaço para crescimento das empresas de meios de pagamento

PARADA NO ACOSTAMENTO

Credit Suisse coloca o pé no freio com a EcoRodovias: banco rebaixa recomendação para ECOR3 e corta preço-alvo; ação cai na bolsa

14 de dezembro de 2021 - 13:17

Alta dos juros e custos de captação mais elevados foram os principais motivos alegados pela instituição financeira para a revisão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar