Menu
2020-11-11T07:56:54-03:00
Estadão Conteúdo
Resultado forte

Positivo cresce com alta na demanda por notebooks

A fabricante de computadores paranaense teve resultados fortes no terceiro trimestre com a alta das vendas de notebooks durante a quarentena

11 de novembro de 2020
7:56
computador-1920×1080
Imagem: Shutterstock

Uma das poucas empresas nacionais de manufatura de produtos tecnológicos que operam em larga escala no País, a paranaense Positivo viu seus resultados serem ajudados pelo aumento de vendas no varejo. "O computador voltou a ser realmente pessoal nesta pandemia", afirmou Caio Morais, diretor financeiro e de relações com investidores da empresa, em entrevista ao Estadão/Broadcast.

A empresa divulgou na segunda-feira, 9, um alta de 455% em seu lucro no terceiro trimestre - os ganhos superaram R$ 50 milhões. Morais atribuiu o resultado principalmente à alta de 40,5% nas vendas em notebooks - reflexo principalmente das vendas no varejo, motivadas tanto pelo home office quanto pelo ensino a distância.

O crescimento não se deu somente nos produtos da linha básica da Positivo, que compõem a maior parte das vendas da empresa, mas também nos segmentos mais especializados, como a linha Vaio (marca que a empresa também representa no Brasil). "Isso mostrou pra gente que o consumidor está renovando seus equipamentos, talvez por conta dessa perspectiva de ficar mais tempo em casa e pela necessidade de que cada um tenha seu próprio notebook", disse Morais.

A demanda possibilitou que a Positivo reajustasse preços aos varejistas, como forma de abater a alta nos custos de insumos e materiais de fabricação, em decorrência do dólar valorizado. "Nós temos um mecanismo de hedge (seguro contra alta do dólar) bem montado, mas essa alta nos insumos acabou que não afetou tanto nossas margens porque conseguimos repassar ao varejista com a forte demanda."

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Procuram-se semicondutores

Falta de chips adia recuperação da indústria automobilística

O setor deve perder a chance de recuperar mercado no segundo semestre, período em que tradicionalmente se vendem mais carros

Mais uma na bolsa

Investindo no banco de investimentos: BR Partners sobe forte na estreia na bolsa

A BR Partners, banco de investimentos independente, concluiu seu IPO e estreou na bolsa nesta segunda — e a recepção do mercado foi boa

Tela azul

O “selo Buffett” no Nubank, a falha da Coca-Cola com CR7 e uma fraude no setor de tecnologia; confira os destaques da edição #37 do Tela Azul

Richard Camargo, André Franco e Vinícius Bazan comentam os principais assuntos no mundo das techs em papo descontraído e reforçam o convite para o evento que vai revelar as ações de tecnologia mais promissoras do momento

Bola rebola

Show das poderosas: Nubank estreia dueto com Anitta e cala os críticos com primeiro lucro

Fintech que já vale US$ 30 bilhões tem primeiro resultado positivo na história e anuncia contratação da cantora para compor o conselho de administração

Temperatura subindo

Febraban: carteira de crédito continua em expansão e deve registrar melhor índice desde 2013

As concessões de empréstimos devem apresentar crescimento de 4,7% em maio, acumulando aumento de 6,9% nos últimos 12 meses

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies