Menu
2020-09-23T12:35:12-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Disputa com a Stone

Linx se recusa a assinar protocolo de oferta da Totvs, que sobe tom contra conselheiros da empresa

Totvs ainda não desistiu do negócio, mas disse que os conselheiros independentes da Linx trataram a oferta da companhia de forma desigual em relação à proposta feita pela Stone

21 de setembro de 2020
23:39 - atualizado às 12:35
Linx
Imagem: Shutterstok

O caminho para a Totvs apresentar uma proposta concorrente pela empresa de tecnologia para o varejo Linx ficou mais difícil. Isso porque o comitê formado pelos conselheiros independentes da companhia, responsável por analisar a oferta, se recusou a assinar a minuta do protocolo de incorporação apresentada pela Totvs.

A Totvs alega ter recebido como justificativa dos conselheiros o entendimento de que a assinatura do protocolo poderia ferir o acordo fechado com a empresa de maquininhas de cartão e meios de pagamento Stone.

Após a recusa, a Totvs aumentou o tom das críticas ao conselho da empresa. “Essa situação, após mais de 5 semanas de acesso à Proposta, reforça a percepção de que a maximização de valor para os acionistas da Linx não tem sido o compromisso, de forma objetiva, do comitê especial.”

Para a Totvs, os conselheiros independentes da Linx trataram a oferta da companhia de forma desigual em relação à proposta feita pela Stone. Como argumentos, apontaram que eles aprovaram a oferta da Stone no mesmo dia em que tomaram conhecimento do negócio.

Já no caso da proposta da Totvs, a empresa alega que a primeira reunião com os representantes dos conselheiros ocorreu apenas 16 dias depois que formalizou a oferta e ainda que não teve acesso aos papéis de trabalho dos auditores externos da Linx.

Apesar do caminho mais difícil, a Totvs ainda não desistiu do negócio. A empresa informou que deverá em breve entrar com o formulário F-4 na Securities and Exchange Commission (SEC) — necessário porque a empresa tem papéis negociados em Nova York.

A companhia também vai convocar a assembleia para submeter aos seus próprios acionistas a combinação de negócios. “Sendo aprovada pelos acionistas da Totvs, a combinação ficaria dependendo apenas da aprovação da assembleia de acionistas da Linx.”

O negócio depende ainda da aprovação do Cade, mas a Totvs se comprometeu a pagar uma multa de R$ 100 milhões à empresa se a proposta for vetada pelo órgão de defesa da concorrência.

Condições

A oferta da Totvs é válida até o dia 13 de outubro de 2020. Mas para manter a proposta de pé após esse prazo colocou algumas condições. A empresa quer que a administração da Linx proporcione o mesmo nível de acesso à informação dado à Stone na preparação dos documentos exigidos pela CVM e pela SEC.

Caso a assembleia para decidir sobre a proposta da Stone seja convocada antes de o formulário F-4 da Totvs ser declarado efetivo pela SEC, a empresa quer que Linx coloque em votação a possibilidade de suspensão dos trabalhos para que os acionistas possam decidir sobre as duas propostas em uma única reunião.

A Totvs também coloca como condição para a manutenção da oferta que a administração da Linx se manifeste sobre a proposta da companhia aos acionistas.

“A proposta da Totvs somente será mantida após 13 de outubro de 2020, caso as condições mínimas acima sejam respeitadas - e os acionistas de Linx tenham assim - o direito de decidir, de forma soberana, sobre o futuro da Linx”, acrescentou a Totvs, no comunicado.

Histórico da briga

O conselho de administração da Linx assinou contrato de venda para Stone no dia 11 de agosto, por R$ 6,04 bilhões. A proposta, contudo, provocou forte polêmica no mercado por envolver um pagamento diferenciado aos fundadores da Linx, que ocupam três das cinco vagas do conselho.

A Totvs entrou formalmente na disputa pela Linx com uma proposta de R$ 6,1 bilhões dias depois do negócio com a Stone. Mas alega que já havia procurado a empresa antes e preparava uma proposta quando foi surpreendida com o anúncio da transação. Ao contrário da Stone, a oferta da Totvs não prevê pagamento adicional a conselheiros da empresa.

Diante da polêmica e da proposta concorrente, a Stone aumentou o valor da oferta pela Linx para R$ 6,28 bilhões em 1º de setembro, mas manteve o pagamento diferenciado a fundadores, ainda que em condições menos vantajosas em relação à oferta original.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Direto na conta

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial

Nascidos em janeiro receberão nas contas poupança digitais

ESTRADA DO FUTURO

As ações de tecnologia estão caras ou baratas? Saiba como os analistas fazem as contas

Com o tempo, a análise dessas empresas migrou da abordagem de tradicional para um modelo de probabilidades e grandes números

Pandemia

Número de óbitos por covid-19 passa de 434 mil; casos passam de 15,5 milhões

Mais de 2 mil mortes e 67 mil novos casos foram registrados nas últimas 24 horas

Polui menos

Petrobras bate recorde de vendas de diesel S-10

Impacto ambiental do derivado é menor

Acabou a mamata?

Congresso reage a supersalários da cúpula do governo

Medida beneficia diretamente o presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies