Menu
2020-09-17T09:16:31-03:00
Estadão Conteúdo
pra passar pela crise

Latam modifica proposta de financiamento dentro da recuperação judicial nos EUA

Grupo retirou do tranche C a cláusula que abria espaço para conversão do valor a ser emprestado pelos controladores em ações, com desconto de 20%

17 de setembro de 2020
9:16
Avião da Latam
Imagem: Shutterstock

O grupo Latam apresentou ao Tribunal do Distrito Sul de Nova York uma proposta modificada do financiamento DIP (debtor in possession na sigla em inglês) no âmbito do seu plano de recuperação judicial, que permite que o grupo tenha acesso aos US$ 2,45 bilhões necessários para enfrentar os impactos causados pela pandemia de covid-19.

A informação foi divulgada na manhã desta quinta-feira. No modelo DIP, o credor que concedeu o financiamento tem prioridade no recebimento perante os outros.

Na nova proposta apresentada pela Latam, o grupo retirou do tranche C a cláusula que abria espaço para conversão do valor a ser emprestado pelos controladores em ações, com desconto de 20%. A brecha foi determinante para que o juiz James L. Garrity Jr., da corte de falência de Nova York, votasse contra o processo.

Entre as mudanças, o tranche C agora será composto por até US$ 1,15 bilhão (antes era de até US$ 1,5 bilhão), sendo US$ 750 milhões fornecidos pela Qatar Airways e pelos Grupos Cueto e Eblen e US$ 250 milhões pela Knighthead Capital.

Além disso, há a inclusão da participação de acionistas minoritários da Latam por até US$ 150 milhões. "Caso esse valor não seja atingido, o diferencial será fornecido pelos credores da Tranche C", explicou a empresa.

Já no tranche A, o valor de até US$ 1,3 bilhão continuará a ser liderado pela Oaktree Capital Management, L.P. que contribuirá com US$ 1,125 bilhão, enquanto a Knighthead Capital participará com US$ 175 milhões.

"A Latam está aguardando determinação do Tribunal em relação à proposta de financiamento DIP modificada", disse a empresa.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Virando a chavinha

Agibank traça estratégia para abandonar imagem de ‘financeira’

Banco gaúcho quer alcançar marca de 35 milhões de clientes em 6 anos

O melhor do Seu Dinheiro

O dragão à solta, Elon Musk, bitcoin e outras notícias que mexeram com seus investimentos

O temor com o retorno da inflação nos EUA, as falas de Elon Musk sobre o bitcoin, as ações de empresas em recuperação judicial e outros destaques da semana

Como vai ser?

Decisão sobre ICMS vai destravar ações, dizem especialistas

Cobrança continuará até que Receita seja autorizada a alterar sistema

Efeitos da reestruturação

CEO da Cogna afirma que ajustes feitos em 2020 já mostram primeiros resultados

Rodrigo Galindo cita margem Ebitda recorrente e prazo médio de recebimento de alunos pagantes como efeitos positivos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies