Menu
2020-08-17T17:22:55-03:00
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
negócios em foco

Itaú nega que Rede fará oferta de aquisição da Linx

A informação é “inverídica”, disse o Itaú, em comunicado. Mais cedo, site divulgou que Rede ofereceria mais de R$ 7 bilhões pela Linx, já pleiteada por Stone e Totvs

17 de agosto de 2020
17:15 - atualizado às 17:22
Maquininha Rede em cima de uma mesa
Maquininha Rede - Imagem: Montagem Andrei Morais/Shutterstock/Divulgação

O Itaú informou nesta segunda-feira (17) que a sua controlada Rede, empresa de solução de transações financeiras, não realizará oferta para adquirir o controle da Linx, segundo comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários.

O documento vem à tona após uma notícia publicada no site NeoFeed hoje, dizendo que a Rede faria uma oferta pela Linx.

A informação é "inverídica", diz o comunicado. "A Companhia ressalta que não está negociando a aquisição do controle da Linx."

A notícia dava conta de que a Rede desembolsaria mais de R$ 7 bilhões pela empresa, segundo uma pessoa a par do assunto, cuja identidade não foi revelada pela matéria.

A Linx nos holofotes

A briga pelo controle da Linx é a grande história do mundo corporativo da última semana. A companhia de tecnologia para o varejo já está sendo pleiteada por Stone e Totvs.

Na terça passada (11), a Linx entrou nos holofotes divulgando que estudava uma fusão com a Stone. À noite, a fintech brasileira com capital aberto na bolsa Nasdaq confirmou o acordo com a companhia, em que avaliava as ações da Linx em R$ 33,76, totalizando um negócio de R$ 6 bilhões.

O negócio, porém, recebeu duras críticas de investidores por prever um pagamento diferenciado aos executivos que fazem parte do conselho da Linx.

Do outro lado, a Totvs entrou na contenda na sexta (14). A proposta, que avaliou a Linx em R$ 6,1 bilhão, não prevê pagamento adicional a conselheiros, mas, sim, uma oferta igual a todos os acionistas.

Mais cedo, a Linx negou que se recusou a ouvir oferta da Totvs, mas disse que o conselho irá analisar a proposta.

A Rede tem razão em se preocupar

A empresa de adquirência do Itaú, apesar de ter negado o interesse e a negociação pelo controle da Linx, teria razões para se preocupar com a oferta da Stone.

Ao menos esta é a visão de analistas do BTG Pactual. Isto porque a Rede abocanha 40%, ou R$ 35,6 bilhões, do volume total de pagamentos processado no sistema de transferência eletrônica de fundos da Linx.

Essa fatia representa 7,3% do volume total da Rede, hoje correspondente a R$ 488 bilhões, que poderia cair nas mãos da Stone.

"Mais importante do que o risco de perder 7,3% do volume total de pagamentos é o fato de que o movimento ousado e estratégico da Stone pode dar a ela uma significativa vantagem de longo prazo no mercado de adquirentes", dizem os analistas.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

Roubando a cena

Dólar dispara mais de 2% com aversão ao risco e tem 4ª sessão seguida de alta; bolsa cai

Dólar passou voando pela marca de R$ 5,50 e por pouco não bateu R$ 5,60; Ibovespa acompanhou sinal negativo vindo de Wall Street e perdeu piso de 96 mil pontos

eric rosengren

Presidente do Fed de Boston defende necessidade de novo pacote fiscal, mas se diz pessimista com acordo

O presidente da distrital de Boston do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), Eric Rosengren, reiterou hoje, durante seminário virtual, a necessidade de novas medidas de estímulos fiscais para acelerar a recuperação da atividade econômica dos Estados Unidos

DURAS CRÍTICAS

Para Doria, saída de investidores do Brasil ocorre por questões ambientais e negacionismo

Governador de SP não citou nominalmente o presidente Jair Bolsonaro, criticado por discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas

INJEÇÃO DE RECURSOS

EUA precisarão de mais ajuda fiscal para recuperar economia, diz Powell

Presidente do BC americano afirma que ainda há 16 milhões de pessoas desempregadas no país, ou trabalham em período parcial

programa de R$ 2,4 bi

Mercedes-Benz vê cenário de incerteza, mas diz que mantém investimentos no país

O programa de investimentos da montadora no Brasil prevê R$ 2,4 bilhões entre 2018 e 2022, com recursos destinados, principalmente, à atualização de plataformas e produto

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements