Menu
2020-06-30T17:50:45-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Após o vexame

IRB reconhece balanços maquiados, mas joga a culpa na antiga diretoria

Nova gestão do IRB isentou o conselho de administração e as empresas de auditoria, que assinaram pelo menos um balanço depois que os questionamentos aos números se tornaram públicos; ações despencam

30 de junho de 2020
15:52 - atualizado às 17:50
ações gráficos empresários bolsa
Imagem: Shutterstock

Cinco meses depois do questionamento da gestora Squadra, a empresa de resseguros IRB Brasil enfim reconheceu que seus resultados foram de fato maquiados.

A companhia reapresentou os números de 2019 e 2018, que mostraram um lucro líquido R$ 670 milhões menor do que o apresentado originalmente na soma dos dois períodos.

Mas a nova gestão jogou toda a responsabilidade pelas irregularidades encontradas nas costas da antiga diretoria da companhia.

O atual presidente do conselho e diretor-presidente do IRB, Antonio Cassio dos Santos, isentou o conselho de administração, que assinou pelo menos um balanço – o do quarto trimestre de 2019 – depois que os questionamentos da Squadra se tornaram públicos.

Santos também não apontou responsabilidade das empresas de auditoria, tanto a PwC, que já era a responsável por atestar os números da companhia, como a EY (antiga Ernst & Young), contratada especificamente para dar um parecer sobre os números atuariais do IRB.

Mesmo depois do alerta da Squadra, ambas as empresas atestaram no balanço do quarto trimestre e de 2019 que os resultados não tinham problemas.

"Da mesma forma como o conselho foi vítima, a empresa e a auditoria também foram. As mesmas pessoas fizeram erros recorrentes por um longo tempo", disse o presidente do IRB, sem citar nomes, de acordo com o Broadcast.

No balanço reapresentado, a empresa informa que ex-diretores e outros colaboradores praticaram irregularidades que culminaram na “modificação intencional e sistêmica de dados operacionais”.

Vale lembrar que a antiga diretoria do IRB não caiu após o questionamento da Squadra, mas após o vergonhoso episódio da notícia falsa de que o megainvestidor Warren Buffett era acionista da companhia.

As conclusões da investigação interna conduzida pela empresa foram remetidas aos reguladores e ao Ministério Público, que devem apurar as responsabilidades, disse Werner Süffert, diretor financeiro e de relações com investidores do IRB, em teleconferência com analistas.

No pregão de hoje, as ações do IRB (IRBR3) mantêm a rotina de alta volatilidade e passaram a cair forte no começo da tarde. No fechamento, despencavam 12,52%, cotadas a R$ 10,90. Leia também nossa cobertura completa de mercados.

As irregularidades

A investigação interna iniciada pelo IRB após a queda da antiga diretoria detectou irregularidades no registro de provisões técnicas, que foram feitas em competências inadequadas, a menor ou simplesmente não foram feitas.

A resseguradora também reconheceu que os resultados do ano passado foram inflados por itens que não vão se repetir em balanços seguintes, como a venda na participação de shopping centers. Ambos os problemas foram detectados na análise da gestora Squadra.

Essa contabilização indevida resultou em uma redução de R$ 553 milhões no lucro líquido e de R$ 727 milhões no patrimônio líquido do IRB de 2019.

A empresa também reapresentou os números de 2018, que mostram um impacto de R$ 117 milhões no lucro e de R$ 369 milhões no patrimônio.

Além dos balanços, o IRB detectou que a antiga diretoria teria feito pagamentos indevidos a ex-administradores e outros colaboradores, no valor de R$ 60 milhões, além de recompras de ações no mercado além do autorizado pelo conselho de administração.

A empresa informou ainda ter encontrado os responsáveis pela disseminação da "fake news" sobre a compra de ações por Warren Buffett, mas não revelou os nomes. Os atos teriam sido praticados "em caráter individual, fora de seus mandatos e de seus poderes regulares de gestão".

Capitalização

Junto com o balanço do primeiro trimestre, o IRB anunciou que planeja fazer uma capitalização para voltar a se reenquadrar nos requerimentos da Susep.

O regulador determinou uma fiscalização na empresa após constatar que os ativos garantidores de provisões técnicas estão abaixo do mínimo regulatório. No balanço, o IRB mostra que encerrou março com uma insuficiência de liquidez de R$ 2,1 bilhões.

A empresa contratou os bancos Bradesco BBI e Itaú BBA para estruturar um potencial aumento de capital. Ambos os bancos são acionistas e mantinham integrantes no conselho de administração do IRB até a mudança na gestão.

Posição do IRB

Eu procurei a empresa com um pedido de entrevista e recebi um posicionamento em nota, reproduzida abaixo:

O IRB Brasil RE analisou todas as informações e fatos disponíveis, por meio de investigação independente e de apurações internas.

As apurações sobre as demonstrações financeiras contaram com especialistas de empresas renomadas e procedimentos internos de auditoria e compliance, que levaram aos ajustes e também identificaram os Diretores e demais colaboradores responsáveis pelos registros realizados de forma inadequada. Em breve, o IRB Brasil RE apresentará essas conclusões à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e à Superintendência de Seguros Privados (SUSEP), e analisará o oferecimento de denúncia às autoridades competentes sobre os fatos e indícios apurados, visando as devidas investigações.

Na semana passada, o IRB Brasil RE já havia apresentado a esses órgãos, bem como ao Ministério Público Federal (MPF), as conclusões relativas à investigação independente sobre a divulgação intencional de informações falsas ao mercado e apurações internas sobre pagamentos realizados de forma indevida.

A Companhia tem agora o dever de apoiar as autoridades competentes, de maneira isenta, e entende que todos os envolvidos devem ser devidamente responsabilizados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements