Menu
2020-06-30T16:05:11-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Mercados ressabiados

Ibovespa tem dia instável e dólar sobe; novos atritos entre EUA e China pressionam os mercados

Uma possível escalada nas tensões geopolíticas entre americanos e chineses inspira cautela aos investidores no mundo. Como resultado, o Ibovespa e as bolsas globais caem, enquanto o dólar volta a subir

30 de junho de 2020
10:41 - atualizado às 16:05
Selo Mercados AGORA Ibovespa dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Ibovespa e as demais bolsas globais exibem um tom mais prudente nesta manhã de terça-feira (30). Apesar dos sinais animadores vindos da economia da China, a nova escalada nas tensões geopolíticas entre americanos e chineses mexe com os ânimos dos investidores no mundo — o que se reflete em instabilidade nas negociações.

O Ibovespa chegou a cair 0,97% logo depois da abertura, tocando os 94.806,47 pontos, e virou ao campo positivo ainda durante a manhã. Mas, no início de tarde, o índice voltou ao vermelho: por volta de 16h00, recuava 0,49%, aos 95.264,60 pontos. Na Europa, as principais praças ficaram perto do zero a zero; nos EUA, o Dow Jones (+0,03%), mas o S&P 500 (+0,82%) e o Nasdaq (+1,28%) sobem.

Com o desempenho do momento, o índice brasileiro ainda caminha para fechar o mês de junho com um desempenho bastante positivo, acumulando ganhos de quase 10% — no semestre, contudo, o Ibovespa ainda amarga perdas de mais de 17%.

  • Eu gravei um vídeo para falar um pouco mais sobre os acontecimentos que movimentaram a bolsa brasileira e o mercado de câmbio no primeiro semestre. Veja abaixo:

O clima é mais pesado no mercado de câmbio nesta terça: o dólar à vista chegou a R$5,5078 na máxima do dia (+1,50%), mas reduziu os ganhos após um leilão do Banco Central (BC) no mercado à vista — no mesmo horário, avançava 0,16%, a R$ 5,4350.

A cautela global se deve à aprovação, pelo governo chinês, da lei de segurança nacional para Hong Kong — o que, na prática, aumenta o controle de Pequim sobre a ilha. A medida é polêmica porque a ex-colônia britânica gozava de um status relativamente independente em relação à China continental, tendo, inclusive, um status especial nas relações com os EUA.

Com a aprovação da lei, contudo, o governo americano já sinalizou que essa relação diferenciada com Hong Kong será revogada — o que aumenta as tensões geopolíticas entre Washington e Pequim e pode, em última instância, descambar numa nova rodada de taxações comerciais por ambas as partes.

Esse cenário conturbado se sobrepõe aos dados econômicos mais fortes divulgados mais cedo pela China: os índices de atividade (PMIs) industrial e de serviços aumentaram de maio para junho, contrariando as expectativas dos analistas — um resultado que, no entanto, fica em segundo plano perto das turbulências envolvendo Hong Kong.

Desemprego em alta

Por aqui, os investidores repercutem os mais recentes dados de desemprego: a taxa de desocupação subiu para 12,9% no trimestre encerrado em maio, de acordo com os dados da Pnad contínua — ao todo, são 12,7 milhões de pessoas desempregadas no país.

Esse é mais um indicador que evidencia a difícil situação econômica no Brasil em meio à pandemia do coronavírus — um panorama que apenas fortalece a percepção de que as taxas de juros devem permanecer baixas por um tempo prolongado, de modo a dar algum estímulo à atividade doméstica.

Assim, os DIs de médio e longo prazo operam em baixa nesta manhã — os mais curtos seguem relativamente estáveis, com os investidores ainda indecisos quanto a um eventual corte adicional na Selic na próxima reunião do Copom:

  • Janeiro/2021: estável em 2,07%;
  • Janeiro/2022: de 2,93% para 2,92%;
  • Janeiro/2023: de 4,05% para 4,01%;
  • Janeiro/2025: de 5,74% para 5,67%.

Top 5

Veja abaixo os cinco papéis de melhor desempenho do Ibovespa nesta terça:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
USIM5Usiminas PNA7,39+3,36%
TOTS3Totvs ON23,13+3,17%
BRFS3BRF ON21,51+3,07%
MRVE3MRV ON18,31+2,75%
GOAU4Metalúrgica Gerdau PN7,29+2,53%

Confira também as cinco maiores quedas do índice:

CÓDIGONOMEPREÇO (R$)VARIAÇÃO
IRBR3IRB ON11,83-5,06%
EMBR3Embraer ON8,13-3,44%
BBAS3Banco do Brasil ON32,44-2,99%
SUZB3Suzano ON36,67-2,81%
SANB11Santander Brasil units28,27-2,69%
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Decisão cautelar

TCU proíbe governo Bolsonaro de anunciar em sites que exerçam atividades ilegais

Indícios de irregularidades na veiculação de propagandas do governo federal levaram o TCU a tomar a decisão cautelar, concedida pelo ministro Vital do Rêgo

PGR

Aras recomenda a Guedes mais transparência em gastos no combate à pandemia

A pedido de procuradores do MPF-PE, o procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou recomendações para Guedes dar transparência aos gastos federais

Setor em destaque

Estatais de saneamento querem flexibilizar regras para contratar empréstimos

Com regras mais fáceis para a entrada do setor privado, as estatais de saneamento querem que a concessão de empréstimos ao segmento seja menos rigorosa

Preocupação ambiental

Para empresários, discurso do governo sobre desmatamento mudou

Após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, empresários parecem satisfeitos quanto aos compromissos firmados pelo governo a respeito do desmatamento

O melhor do Seu Dinheiro

MAIS LIDAS: O canto da sereia

Uma matéria alertando para os riscos do day trade foi a mais lida desta semana no Seu Dinheiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements