Menu
2020-11-30T23:14:36-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
depois do fundo do poço

Na bolsa, Gol, Azul e CVC recuperam parte das perdas com pandemia

Avanço das vacinas empolgou o mercado todo, mas não basta para explicar o desempenho dos papéis ligadas ao setor de aviação

30 de novembro de 2020
22:57 - atualizado às 23:14
Avião da Gol
Avião da Gol - Imagem: Shutterstock

Depois de derreterem na bolsa ao longo do ano por causa da pandemia, Azul, Gol e CVC recuperaram em novembro parte das perdas — as empresas estão entre as maiores altas do mês no Ibovespa, o principal índice da bolsa.

O avanço das vacinas empolgou o mercado todo, mas não basta para explicar o desempenho dos papéis ligados ao setor de aviação e turismo. Mais do que uma crença na retomada imediata da demanda, o importante para o mercado são as sinalizações dos executivos.

O analista do BB Investimentos Renato Hallgren listou em recente relatório o que faz as ações das companhias aéreas subirem nas últimas semanas.

  1. Preservação de caixa

O setor aéro sempre foi caro e difícil de operar. Com a pandemia, as operações ficaram ainda mais frágeis e as empresas tiveram de implementar uma série de medias para garantir liquidez.

Ao longo deste ano, Gol e Azul cortaram custos, renegociaram o perfil de pagamento com seus arrendadores de aeronaves e fecharam acordos com fabricantes para postergar a entrega de novos aviões.

As empresas adiaram investimentos e aproveitaram medidas de ajuda aprovadas pelo governo federal para reduzir salário de funcionários. As atuações teriam sido suficientes para garantir algum alívio de caixa, segundo analistas.

2. Retomada lenta e gradual na demanda

As empresas têm demonstrado um aumento das operações. No início de outubro, a Gol ampliou a oferta de voos para 400 por dia. Desde agosto, a Azul vem divulgando melhoras sequenciais de tráfego, capacidade e taxa de ocupação.

No segundo trimestre, com a pandemia, a Gol teve redução de 90,5% da demanda por voos domésticos. A Azul registrou uma queda de 83,8% na procura por viagens no período.

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o total de passageiros transportados em outubro foi de 4,1 milhões — contra 3 milhões em setembro.

No entanto, na comparação anual o total de passageiros transportados em outubro ficou 51,1% inferior. Nos últimos 12 meses, foram transportados 51,7 milhões de passageiros, queda de de 45,3%.

3. Desvalorização do dólar

Parte do mercado acredita em uma perspectiva de desvalorização do dólar ante o real, depois da queda de 6,8% em novembro — embora a moeda ainda acumule alta de 33% no ano.

Dólar em baixa é bom para as empresas aéreas porque as companhias têm muitas linhas negativas do balanço — incluindo parte das despesas  —atreladas à moeda americana.

4. Capital estrangeiro na bolsa

A bolsa brasileira de forma geral foi beneficiada em novembro pela entrada de capital estrangeiro, motivada pela eleição do democrata Joe Biden nos Estados Unidos e pelo avanço das vacinas.

Foram R$ 30 bilhões que entraram na B3 em novembro, o maior valor desde 1995. O movimento impulsionou o Ibovespa para ganhos de 15,9% no período, marcando uma alta das empresas da chamada "velha economia".

5. Nível de desconto

Apesar da alta em novembro, Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3) acumulam baixas no ano: respectativamente de 34%, 36% e 55%. A interpretação de parte do mercado é de que os papéis estão descontados.

As ações de Azul subiram 68% em novembro, a R$ 38, e as da Gol avançaram 49% no período, a R$ 23. Enquanto isso, os papéis da agência de viagens CVC escalaram 48%, negociados a R$ 18,23.

CVC tem imbróglio à parte

A CVC tem um imbróglio à parte da pandemia. A empresa atrasou por várias vezes a divulgação dos balanços por causa de erros na contabilização de valores transferidos a fornecedores de serviços turísticos.

Depois de dar algumas respostas ao mercado, a companhia diz que nota a retomada das viagens dentro do país, com aumento no número de reservas e de orçamentos solicitados pelos clientes.

Na primeira quinzena de setembro, as reservas atingiram 40% do valor do mesmo período de 2019, depois de as vendas ficarem próximas a zero entre abril e junho.

De acordo com a CVC, enquanto as vendas totais em junho representaram somente 8% do volume reservado na comparação com o mesmo mês de 2019, em setembro, até a última semana, elas alcançaram 35%.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Prepare o bolso

Petrobras diz que manterá ritmo de reajustes nos preços de combustíveis

Um executivo confirmou que não haverá mudanças na política de preços da estatal, que segue sem frequência definida

Educação

Ações da Cogna avançam, mesmo com prejuízo líquido de R$ 90,975 milhões no 1º trimestre

Confira outros destaques do balanço da empresa, que viu uma queda de 18,1% nos investimentos

Exile on Wall Street

As bolsas deixaram os fundamentos de lado esta semana — mas você não deve!

A semana é de resultados, mas não se fala em outra coisa a não ser na alta de juros, após reunião do Copom que levou a Selic para 3,5% ao ano. Além disso, a inflação americana, que veio acima da expectativa, elevou as estimativas de juros futuros nos Estados Unidos.  Com isso, mesmo empresas com […]

esg

BTG e consórcio de investidores compram ativos florestais da Arauco no Chile por US$ 385,5 milhões

Segundo o banco, a transação do TIG envolve cerca de 80,5 mil hectares de áreas florestais de “alta qualidade e com manejo sustentável”, nas regiões do Centro e Sul do país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies