Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-13T11:11:14-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Mudança de sócio

Fundo abutre compra participação de 50% na Rodovias do Tietê

Concessionária que possui um total de R$ 1,6 bilhão em dívidas, a maior parte nas mãos de investidores pessoas físicas que compraram debêntures da companhia, anunciou venda para gestora Latache

13 de maio de 2020
11:10 - atualizado às 11:11
Rodovias do Tietê
Rodovias do Tietê - Imagem: Divulgação

A portuguesa Lineas International encontrou um investidor disposto a adquirir sua participação de 50% na encrencada concessionária Rodovias do Tietê.

A empresa anunciou um acordo de venda para a gestora Latache, especializada em empresas em dificuldades financeiras – conhecido como "fundo abutre", no jargão do mercado.

A Rodovias do Tietê possui um total de R$ 1,6 bilhão em dívidas, a maior parte nas mãos de investidores pessoas físicas que compraram debêntures emitidas pela concessionária.

Leia também:

As condições do negócio não foram reveladas, mas o acordo prevê que a gestora assuma os créditos de R$ 12,5 milhões que a Lineas tem a receber da Rodovias do Tietê.

Os outros 50% da concessionária são detidos pela AB Concessões (dos grupos Bertin e da italiana Atlantia), que podem tanto exercer o direito de preferência de comprar a participação dos antigos sócios ou vender suas ações para a Latache nas mesmas condições.

A conclusão do negócio depende tanto da decisão da AB Concessões como do aval da Artesp, a agência reguladora de transportes de São Paulo. A Rodovias do Tietê é responsável pela concessão de 415 quilômetros de rodovias no interior do Estado.

E as debêntures?

Caso o negócio seja aprovado, resta saber qual será a proposta que a Latache pretende fazer para equacionar a dívida com os investidores de debêntures da Rodovias do Tietê.

A estimativa é que esses papéis estejam hoje nas mãos de mais de 16 mil pessoas físicas, que foram atraídas pelos papéis que eram distribuídos em plataformas de investimento.

Em fevereiro, as gestoras Journey Capital e Vitreo criaram fundo para unir investidores e viabilizar uma proposta de recuperação da empresa. Com quase 600 debenturistas, o fundo é hoje o segundo maior credor da concessionária, me disse Roge Rosolini, sócio da Journey.

Qualquer que seja o plano da Latache para a Rodovias do Tietê, ele precisa ser aprovado pelos credores da companhia, que está em recuperação judicial.

Criada em 2015, a Latache já investiu mais de R$ 2 bilhões em ativos de empresas em dificuldades, mas quase sempre do lado da dívida.

A gestora contou com a assessoria dos escritórios de advocacia Padis e TWK e a consultoria financeira da Pantalica Partners no negócio. Procurada, a Latache não comentou o assunto.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

de olho na inovação

Amazon sinaliza interesse por criptomoedas em anúncio de emprego

Empresa procura “um líder de produto experiente para desenvolver a estratégia e o roadmap de produtos e moedas digitais

balanço em foco

Lucro da Hypera Pharma aumenta 18% no segundo trimestre

Cifra chegou a R$ 470,6 milhões no período; companhia obteve alta de 43,5% na receita líquida, a R$ 1,5 bilhão

seu dinheiro na sua noite

Quebrando recordes na corrida dos ETFs

A pira foi acesa em Tóquio: os Jogos Olímpicos estão oficialmente abertos — e eu estou empolgadíssimo. Não sei vocês, mas eu adoro as Olimpíadas, principalmente os esportes não muito convencionais. Claro, é legal assistir futebol, vôlei e basquete, mas eu gosto mesmo é de ver as modalidades que nunca passam na TV. Duelo de […]

FECHAMENTO DA SEMANA

Inflação salgada pressiona juros, mas dados americanos amenizam alta do dólar — já a bolsa não escapou da queda

Em semana recheada de ruídos políticos e incertezas, o Ibovespa acumulou uma queda de 0,72%. Já o dólar à vista subiu 1,86%, a R$ 5,2105

de olho no ir

Alta da arrecadação não dá ‘total liberdade’ para reduzir impostos, diz secretário do Tesouro

Jeferson Bittencourt considerou também que a reforma do IR ainda está em aberto, com muito para se discutir

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies