Menu
2020-02-25T22:21:28-03:00
Estadão Conteúdo
alerta amarelo

Epidemia de coronavírus já prejudica entrega de peças a indústrias brasileiras

Setor – especialmente de eletrônicos, que usa muitos itens importados da Ásia – acendeu o sinal de alerta

20 de fevereiro de 2020
8:15 - atualizado às 22:21
shutterstock_511208572
Trabalhadores de uma indústria automotiva Jiangxi, província da China. Dezembro de 2011. - Imagem: Shutterstock

A epidemia de coronavírus que eclodiu na China, grande exportadora mundial de peças, componentes e produtos acabados, e que nas últimas semanas vem abalando os mercados financeiros, fez acender um sinal de alerta entre indústrias brasileiras, especialmente de eletroeletrônicos, que usam muitos itens importados da Ásia.

A Multilaser, empresa que fabrica eletrônicos em Extrema (MG), já projeta uma redução de 17% no abastecimento de peças e componentes importados por conta da parada de quase um mês nas fábricas chinesas. "Essa é a perda esperada até agora por causa do que já aconteceu", afirmou Alexandre Ostrowiecki, presidente executivo. Ele ressaltou, porém, que o quadro pode se agravar se a produção chinesa não for retomada rapidamente.

A companhia produz cerca de 3,5 mil eletrônicos diferentes, entre quais estão telefones celulares, tablets, teclados e mouses, por exemplo. Atualmente, 80% de seus fornecedores que estão no país asiático não retomaram as atividades. A fabricante brasileira tem cerca de 450 fornecedores na região, que atendem a diversas marcas e empregam 500 mil operários.

"A Multilaser está totalmente inserida no olho do furacão do coronavírus", disse Ostrowiecki. Ele explicou, entretanto, que a companhia funciona com estoque de seis meses e que a chegada de produtos nas lojas só deve começar a ser impactada a partir de abril. "O quão grave isso vai ser depende de como a doença vai se desenvolver", afirmou. Não há estimativa para normalização das atividades na China. A marca tem operação própria com 70 funcionários da área de engenharia de teste no país, que está operando em ritmo mais lento.

Férias coletivas

Na virada do mês, o Sindicato dos Metalúrgicos de Jaguariúna (SP) recebeu um aviso de férias coletivas para os funcionários da Flextronics, responsável pela produção de celulares da Motorola. Segundo a entidade, a paralisação deve afetar 80% da fábrica. A empresa justifica a parada pela crise de saúde que acomete a China, e por contar com os insumos importados do país para a fabricação de seus produtos no Brasil.

"Basta não ter um componente para a linha ser interrompida", afirmou José Jorge do Nascimento, presidente da Eletros, associação que reúne os fabricantes de eletroeletrônicos. Em TVs, por exemplo, os componentes importados da China representam 60% das peças do equipamento. Em outras linhas, como eletroportáteis, essa fatia varia entre 30% e 50%, dependendo do produto.

Preocupados com a falta de insumos, fabricantes se reuniram na Eletros na semana passada. Nascimento disse que os executivos não revelaram o nível dos estoques de insumos em suas fábricas porque se trata de uma informação estratégica. Mas o presidente da Eletros afirmou que os volumes de componentes de maior valor, como semicondutores - que vêm de avião - eram na última quinta-feira suficientes para dar conta do abastecimento de, no máximo, dez dias de produção - o normal é 15 dias.

Segundo fontes do mercado, o risco de falta de insumos é maior para os fabricantes de celulares e itens de informática que trabalham com estoques mais curtos de componentes. Mas também é uma ameaça para a indústria automobilística, que usa muita eletrônica embarcada. Diante do risco de falta de insumos, o presidente da Eletros lembrou que a indústria tem poucas alternativas para manter o ritmo de produção porque é muito difícil mudar de fornecedor de uma hora para outra. Explica que os componentes têm de seguir um padrão de qualidade.

"Se a situação não se normalizar rapidamente, pode começar a faltar insumos para a produção de eletrônicos para o Dia das Mães", afirmou Nascimento. Essa data é tão importante para as vendas do varejo que é conhecida como o "Natal do primeiro semestre". E os produtos começam a ser fabricados no mês que vem.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

FECHAMENTO

Mercado olha desconfiado para Orçamento e Ibovespa acompanha queda do exterior; dólar fica estável

Com a agenda de indicadores esvaziada e a véspera de feriado trazendo uma maior cautela ao cenário, os investidores acabaram optando pela cautela

Prioridade na Casa

Câmara aprova requerimento de urgência sobre projeto de privatização dos Correios

A medida permite que a proposta “fure” a fila de votação de projetos e pode agilizar o processo de desestatização

produção em baixa

Netflix decepciona em novos assinantes, mas nega impacto da concorrência

Papéis da empresa negociados na Nasdaq caíam mais de 10% no after market; pandemia impactou em novas produções, com reflexo no balanço da companhia

Desencontro acadêmico perdoado

Eike Batista é absolvido pela CVM em processo sobre ‘inconsistências’ no currículo

A farsa do fundador do Grupo X, que se apresentava com diferentes credenciais para cada uma das empresas, foi descoberta após sua prisão

A maior desde 1994

Com recorde na arrecadação em março, Paulo Guedes fala em recuperação econômica

Os R$ 137,9 bilhões arrecadados no mês animaram o ministro e o levaram a afirmar que o país “se levantou”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies