Menu
2020-04-02T21:31:30-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Coronavírus

Diante da queda de demanda doméstica, Petrobras está exportando com sucesso, diz Castello Branco

Estatal cortou produção e vem reduzindo custos, tendo como prioridade preservar caixa. Demanda por energia elétrica e derivados de petróleo já teve queda sensível no país

2 de abril de 2020
21:31
Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras
Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras: guerra de preços entre russos e sauditas tornou-se irrelevante perante a crise. Imagem: Will Shutter/Câmara dos Deputados

Mesmo com a queda da demanda doméstica por derivados de petróleo por causa da crise do coronavírus, a Petrobras tem conseguido ser bem-sucedida nas exportações, disse nesta quinta-feira (2) o presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

“Estamos exportando e sendo bem-sucedidos, não em receita [dado que os preços estão baixos], mas em volume. As perspectivas para maio são boas, a China está se recuperando, e os chineses voltaram a comprar com intensidade, tanto petróleo cru quanto combustível marítimo”, disse durante uma transmissão ao vivo pela internet realizada pela XP Investimentos.

O presidente da Petrobras falou sobre como a estatal está lidando com a atual crise. Ontem, a Petrobras anunciou cortes na produção e disse que sua prioridade é preservar caixa, o que foi reforçado hoje por Castello Branco durante a live.

“Estamos numa situação nunca vista antes, de forte contração de demanda pelos nossos produtos e forte queda de preço. E uma volatilidade de preços enorme, maior do que a que se viu na crise de 2008”, disse Castello Branco.

A maior queda de demanda foi pelo querosene de aviação, combustível de aeronaves. Em segundo lugar, com 60% de retração, a demanda por gasolina. O diesel, disse o presidente, também viu uma redução de demanda expressiva, embora amenizada pela boa safra agrícola que o país está tendo.

“O único derivado de petróleo em que a demanda está se mantendo é o GLP [gás liquefeito de petróleo, usado nos botijões de gás de cozinha] porque as pessoas continuam comendo, seja em restaurantes ou em casa. Mas também porque há certo pânico: pessoas comprando para estocar. Mas eu queria assegurar aqui que não existe risco de desabastecimento”, disse o presidente.

Ele explicou que apesar de a Petrobras ter reduzido a produção de GLP, as importações continuam e serão suficientes para atender à demanda. Aliás, Castello Branco assegurou que não há risco de desabastecimento de nenhum dos produtos da estatal.

Diante de tal conjuntura, a Petrobras cortou a produção, dado que não teria como estocar tanto petróleo produzido e não vendido. “Teríamos que contratar navios para manter os estoques boiando nos mares até encontrar comprador”, disse Castello Branco.

Além disso, vem focando em corte de custos para preservar caixa o máximo possível. “A prioridade é preservar a liquidez da companhia”, afirmou.

Apesar de perguntado a respeito, Castello Branco não adiantou nenhuma possível mudança nos planos de investimento da companhia para o ano.

“Estamos num ambiente de incertezas. Para riscos, a gente tem uma distribuição de probabilidade. Para incerteza, não. É como estar trancado num quarto escuro sem saber para onde se vai. Estamos monitorando o mês de abril diariamente, como quem monitora um paciente no CTI”, falou.

Guerra de preços lá fora

Em relação à guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia que tanto vem impactando a cotação das ações da estatal na bolsa, Castello Branco avalia que tal disputa é mais uma evidência de que a Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) não tem condições de determinar preços a longo prazo.

Para o presidente da Petrobras, a guerra de preços mostra que não há concordância entre os países produtores de petróleo, pois para cada um a commodity tem um peso diferente na economia. Além disso, os sauditas não aguentam sustentar os preços baixos por muito tempo.

Para Castello Branco, a disputa entre os dois países "ficou irrelevante perante a crise", e os preços cairiam de qualquer forma porque a demanda caiu.

Eletrobrás ainda pretende investir em 2020

O presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, também participou da live, e disse que, por ora, não há alterações no plano de investimentos da estatal para o ano, no valor de R$ 5,3 bilhões, conforme já havia sido anunciado.

Ferreira Júnior também admitiu a queda na demanda por energia elétrica no país. “O Brasil está operando hoje com 86%, em média, da energia com que operava antes”, disse.

Também estava presente na live o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, já recuperado do Covid-19, que lhe havia acometido. O ministro, entretanto, afirmou que a doença foi totalmente assintomática, e que ele apenas respeitou o prazo de quarentena.

O ministro disse que o órgão pretende tomar medidas para preparar o setor energético para o aumento súbito da demanda quando a situação se normalizar, para lidar com a possível inadimplência que pode acometer as distribuidoras e para preservar sua liquidez.

Quanto aos leilões previstos para este ano e que foram adiados, Albuquerque disse que de fato o ministério e os setores chegaram à conclusão de que era melhor adiar dada a imprevisibilidade da crise.

Já em relação ao andamento da capitalização da Eletrobrás no Congresso, o ministro se disse otimista.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Dinheiro no bolso

Banco do Brasil anuncia percentual do lucro que vai pagar em dividendos em 2020 e 2021

Banco pretende distribuir 35,29% do lucro líquido do ano de 2020 aos acionistas e 40% do resultado deste ano

Seu Dinheiro na sua manhã

Pendurados em São Pedro

O desempenho pífio da economia brasileira nesta última década, quem diria, pode ter nos livrado de um grande problema: um novo racionamento de energia. A ameaça vem desde 2013, quando o país passou a consumir um volume muito grande de energia das hidrelétricas, o que derrubou o nível dos reservatórios — mais uma herança do […]

Pré-mercado

Em dia de feriado na B3, bolsas internacionais reagem a notícias sobre covid-19 e balanços

Semana nas bolsas será marcada pela divulgação dos balanços dos pesos pesadíssimos da tecnologia Microsoft, Apple, Facebook, Tesla e Amazon

Mais uma baixa

Wilson Ferreira Junior vai deixar a presidência da Eletrobras

A saída do presidente da Eletrobras enfraquece ainda mais a ala liberal do governo Bolsonaro e deve jogar ainda mais terra no plano de privatização da companhia

Entrevista

Como blindar a Petrobras do populismo com o preço dos combustíveis? Para Adriano Pires, a solução está na venda das refinarias

O diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) também defende o uso do gás do pré-sal para afastar o risco de um novo racionamento de energia no país

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies