Menu
2020-04-04T12:06:48-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
Ano difícil

Braskem fecha 2019 com prejuízo líquido de R$ 2,8 bilhões, revertendo o lucro de 2018

A Braskem encerrou 2019 com um prejuízo bilionário e contração nas receitas e no Ebitda em relação a 2018

4 de abril de 2020
12:06
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica em Paulínia, São
Vista da então nova unidade da Braskem Petroquímica em Paulínia, São Paulo. - Imagem: Estadão Conteúdo/Alex Silva

A Braskem teve um 2019 para ser esquecido. Problemas com a unidade de exploração de sal-gema em Alagoas, impasses entre seus principais acionistas, fraqueza no mercado petroquímico — tudo conspirou para que a companhia tivesse um ano particularmente fraco.

O retrato preciso dessa fraqueza foi conhecido agora, com a divulgação do balanço da empresa no quarto trimestre de 2019 — a entrega do documento foi postergada mais de uma vez, ocorrendo fora do prazo regulamentar da CVM. E, assim como nos períodos anteriores, a Braskem mostrou números pouco animadores.

Entre outubro e dezembro do ano passado, a petroquímica reportou um prejuízo líquido de R$ 2,922 bilhões — no mesmo intervalo de 2018, as perdas foram de R$ 78 milhões. Com isso, a Braskem encerrou 2019 com um prejuízo de R$ 2,798 bilhões, revertendo os ganhos de R$ 2,867 bilhões contabilizados no ano anterior.

A receita líquida também decepcionou no quarto trimestre de 2019, recuando 15% em relação aos três últimos meses de 2018, para R$ 12,6 bilhões. No acumulado do ano passado, a receita somou R$ 52,3 bilhões, queda de 10% na base anual.

Em mensagem aos acionistas, a Braskem destaca que as fortes perdas contabilizadas no quarto trimestre e em 2019 se devem à provisão contábil de R$ 3,383 bilhões referente ao acordo firmado com o governo de Alagoas, de modo a compensar o Estado pelo impacto das operações de mineração da empresa.

O Ebitda — ou seja, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização — também passou por um enfraquecimento: no quarto trimestre, caiu 45%, para R$ 1,047 bilhão; em 2019, recuou 31%, para R$ 7,84 bilhões.

Endividamento e alavancagem

No front do endividamento, há notícias negativas e positivas: a dívida líquida da Braskem subiu de US$ 4,869 bilhões ao fim de setembro para US$ 5,369 bilhões no término de dezembro — um salto de 10% em um trimestre.

Com isso, a alavancagem da companhia, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda nos últimos 12 meses, chegou a 3,70 vezes — em setembro, a relação era de 2,84 vezes e, em dezembro de 2018, era de 2,06 vezes.

Do ponto de vista de geração livre de caixa, a Braskem fechou 2019 com R$ 3,1 bilhões — um resultado positivo, mas ainda 56% menor que os R$ 7,06 bilhões gerados em 2018.

A posição de caixa da petroquímica no fechamento de 2019, contudo, era de US$ 2,373 bilhões, montante 32% maior que o visto em dezembro de 2018. Essa cifra, aliada ao perfil alongado do endividamento — quase metade da dívida possui vencimento apenas a partir de 2030 — dá tranquilidade à empresa.

A Braskem não passou qualquer tipo de projeção financeira para 2020. A única informação referente a esse ano é a de investimentos previstos, no montante de US$ 3,01 bilhões.

Ações em baixa

Em 2019, as ações PNA da Braskem (BRKM5) acumularam baixa de 35,22% e tiveram o pior desempenho de todo o Ibovespa — e olha que o índice brasileiro subiu 31,58% no ano passado.

A tendência de queda continua firme neste ano: em meio ao colapso das bolsas globais por causa do surto de coronavírus, os papéis da petroquímica já recuam 47,67% — na última sexta-feira (3), recuaram 7,41%, a R$ 15,62.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

fechando a conta

Mais um tombo aí? Ibovespa cai 3% e termina outubro no vermelho, com avanço da covid-19

Índice tem novas perdas fortes em semana difícil e fecha mês em queda de 0,7%. Desempenho reflete mau humor de Nova York com coronavírus e a sangria das ‘big techs’, antes das eleições dos Estados Unidos, fator de incerteza adicional. Após intervenção do Banco Central e com a formação da Ptax, dólar tem queda

pandemia

Governo vai comprar vacina desenvolvida na China, diz Mourão

Vice-presidente disse que polêmica em torno da vacina desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan é “briga política” com Doria

DESTAQUE DO DIA

Suzano se descola do Ibovespa e sobe mais de 1% após resultados do 3º trimestre

Analistas destacam que Ebitda superou estimativas e elogiam fluxo de caixa livre e desalavancagem

sob pressão

Inflação e redução do auxílio emergencial já derrubam vendas nos supermercados

Em outubro, a prévia da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor-15 (IPCA-15) atingiu 0,94%. O resultado é mais que o dobro da inflação registrada em setembro e a maior alta para o mês em 25 anos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies