Menu
2020-02-10T08:34:27-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Balanços

BB Seguridade vê lucro ajustado crescer 21,3% e atingir R$ 4,3 bilhões em 2019

Companhia justifica o crecimento do lucro líquido contábil com o forte desempenho comercial e a redução na sinistralidade

10 de fevereiro de 2020
8:33 - atualizado às 8:34
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília.
Fachada do edifício sede do Banco do Brasil em Brasília - Imagem: Fernando Bizerra/Agência Senado

A BB Seguridade divulgou na manhã desta segunda-feira (10) os seus resultados do último trimestre de 2019. A companhia encerrou o período com um lucro ajustado de R$ 1,132 bilhão, uma alta de 34,8% com relação ao quarto trimestre de 2018.

O lucro líquido total de 2019 foi de R$ 4,3 bilhões, alta de 21,3% com relação ao ano anterior. O valor é um novo recorde para a companhia.

Segundo a empresa, o resultado foi influenciado principalmente pelos números da Brasilprev, pelo aumento nos prêmios ganhos e pela melhora do índice combinado da Brasilseg. O crescimento das receitas de corretagem e a melhora da margem operacional da BB Corretora também influenciaram positivamente o resultado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Insights Assimétricos

Preparado para a Super Quarta? O que você precisa saber antes das decisões do Fed e do Copom sobre juros

Um ajuste dos juros, mantendo-os ainda abaixo do neutro (entre 5,5% e 6,5%), seria salutar. Uma alta para além disso, contudo, poderá comprometer a retomada brasileira

Caçadores de tendências

Itaú Asset lança mais 3 ETFs com foco em inovação nas áreas de saúde, tecnologia e consumo dos millennials

Gestora do Itaú agora aposta em índices de empresas globais ligadas a tendências de consumo que estão mudando a sociedade

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

As ações das novas petroleiras valem a pena?

Nos recentes movimentos de rotação de carteiras nos mercados, temos nos deparado com a dicotomia Velha Economia (empresas de segmentos tradicionais) e Nova Economia (empresas ligadas à tecnologia e novas formas de consumo). Dentro do que se convencionou chamar de Velha Economia, temos visto o destaque das empresas de commodities, justamente o forte do Brasil. […]

Problemas no paraíso

Cesp, Engie, AES Brasil e mais: seca reduz brilho de ações do setor de geração hídrica

Com menos água, as empresas geram menos em hidrelétricas, mas não ficam livres de cumprir os contratos de fornecimento de energia

Jabuti do bem?

MP da Eletrobras: contratação de térmicas a gás pode diminuir conta de luz, diz estudo da Abegás

A medida vem sendo criticada pela maioria das elétricas, que alegam que ela vai na contramão da modernização e competitividade do setor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies