Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-05-14T11:53:50-03:00
Marina Gazzoni
Marina Gazzoni
CEO do Seu Dinheiro. É CFP® (Certified Financial Planner). Tem graduação em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e MBA em Informação Econômico-Financeira e Mercado de Capitais no Instituto Educacional BM&FBovespa. Foi Diretora de Conteúdo e editora-chefe do Seu Dinheiro, editora de Economia do G1 e repórter de O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e do portal IG.
EFEITO CORONABÍRUS

Azul tem prejuízo líquido de R$ 6,1 bilhões no 1º trimestre de 2020, com forte pressão da alta do dólar

O resultado ajustado, que exclui da conta o efeito cambial sobre a dívida da empresa, traz uma perda de R$ 975 milhões.

14 de maio de 2020
9:46 - atualizado às 11:53
Azul
Imagem: Divulgação

A companhia área Azul divulgou nesta quinta-feira (14) um prejuízo líquido de R$ 6,136 bilhões no primeiro trimestre, fortemente pressionado pela alta do dólar no período. O resultado ajustado, que exclui da conta o efeito cambial sobre a dívida da empresa, traz uma perda de R$ 975 milhões.

A receita líquida da Azul somou R$ 2,8 bilhões no primeiro trimestre, uma alta de 10% em relação ao mesmo período do ano passado. O resultado foi puxado por uma forte demanda nos meses de janeiro e fevereiro, que tiveram um crescimento de 12% na capacidade.

A partir do mês de março a empresa sentiu o impacto das medidas de isolamento social e restrição de voos diante do coronavírus. O oferta de voos diários foi reduzida em 50% em março e em 90% em abril.

Por volta das 11h30, a ação da Azul registrava uma queda de 3,8%, acima da retração do Ibovespa, de 1,90%. Acompanhe aqui a cobertura dos mercados nesta quinta-feira.

O setor aéreo foi um dos mais afetados pelo coronavírus, com as restrições dos voos e queda na demanda por viagens. A Gol divulgou um prejuízo líquido de R$ 2,28 bilhões no primeiro trimestre.

O peso do dólar

A desvalorização cambial de 33% pesou no resultado, elevando o custo operacional da companhia e o seu endividamento.

A conta financeira

A regra contábil exige que as empresas corrijam no seu balanço sua dívida em dólar pela variação cambial. Apenas a alta do dólar levou a Azul a reportar uma perda financeira de R$ 4,23 bilhões no primeiro trimestre. Esse "prejuízo" é contábil e não tem efeito caixa.

Ao todo, a empresa teve uma perda financeira de R$ 6,386 bilhões. Além da variação cambial, a Azul também somou perdas de R$ 1,3 bilhão em operações de derivativos financeiros (hedge) para se proteger de variações no preço do combustível e de R$ 618 milhões com a redução da avaliação da sua participação na companhia área portuguesa TAP.

Custo operacional maior

A alta do dólar pesou também no custo operacional da companhia, que somaram R$2,6 bilhões no primeiro trimestre, representando um aumento de 19,8% sobre o ano anterior. Parte desse aumento se deve à variação cambial. O preço do combustível e a manutenção de aeronaves, por exemplo, são contas dolarizadas.

O custo por assento da companhia aérea subiu 7% no período. "Normalizado pelo combustível, moeda e o impacto do covid-19, o CASK (custo por assento) reduziu 2,1% ano contra ano".

Reação ao coronavírus

A Azul anunciou uma série de medidas para ajustar sua malha e preservar o caixa da empresa diante da queda da demanda do coronavírus.

Negociação com a Embraer

Na quarta-feira (13) à noite, a empresa comunicou que está negociando com a Embraer o adiamento da entrega de 59 aeronaves para a partir de 2024. Essas aeronaves estavam previstas para entrar em operação entre 2020 e 2023.

Corte de salários

A companhia espera reduzir em 50% o seu custo com salários no segundo trimestre. A Azul abriu um programa de licenças não remuneradas, que teve a adesão de mais de 10.500 pessoas, 78% da sua equipe. Além disso, a empresa reduziu salários de gerentes e executivos entre 25% e 100% por 90 dias, em linha com a flexibilização da lei trabalhista prevista na medida provisória aprovada pelo governo.

Redução de voos

Em comentário da administração sobre o resultado da companhia, o presidente da Azul, John Rodgerson , disse que a companhia pretende operar 115 voos diários com aproximadamente 20 aeronaves para 38 destinos em maio.

"Esperamos aumentar nossa malha gradualmente nos próximos meses à medida em que a economia volte a entrar em funcionamento", afirmou.

A estratégia da Azul é adotar uma operação mínima, priorizando rotas que tenham receitas suficientes para suportar os custos variáveis dos voos. A empresa espera uma redução de capacidade entre 75% a 85% no segundo trimestre de 2020 comparado com o mesmo período de 2019.

"Graças às iniciativas implementadas até o momento, encerramos abril com uma posição de caixa ligeiramente acima da realizada em março e esperamos uma queima líquida de caixa em maio e junho de R$3 milhões a R$4 milhões por dia, incluindo despesas com juros. Com a nossa posição de caixa atual esperamos suportar o atual ambiente de demanda por mais de um ano", afirmou o presidente da Azul.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Olho na safra

Balanços que vão movimentar o mercado: Veja os números de BB, Braskem e Totvs

Resultados divulgados na noite de ontem se juntam aos da Petrobras no radar dos investidores, que devem ficar atentos à reação das ações

Palavra do CEO

Eduardo Ragasol, da Neogrid: Como o sucesso do cliente pode ajudar no desenvolvimento do seu negócio

Conhecimento é poder. Entenda a fundo seu cliente. Utilize toda a tecnologia e informações que estão à disposição. Alinhe expectativas. E meça o desempenho dos envolvidos

Se cuida, bitcoin!

Atualização EIP-1559 concluída: confira as mudanças do Ethereum (ETH) com o ‘London Fork’

Batizada de “hard fork London”, a Proposta de Melhoria do Ethereum 1559 (EIP-1559) deve reduzir taxas e tornar a moeda deflacionária

olho lá fora

Petrobras dispara 14% em NY, após balanço e antecipação de dividendos

Por volta das 21h (horário de Brasília), PBR subia 14%; empresa reportou forte fluxo de caixa e lucro surpreendeu analistas

Sem surpresas, mas depende...

Fim do ciclo de alta da Selic? Tudo depende da manutenção do teto de gastos e da política fiscal — e as próximas semanas devem ser decisivas

Para Marcelo Fonseca,chama a atenção o posicionamento do Copom de elevar a taxa até um patamar restritivo, mas o BC está no caminho certo. O economista vê o fim do ciclo de alta no patamar dos 7,5%, mas tudo depende do destino do teto de gastos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies