Menu
2020-10-26T02:14:54-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Incorporadora

Ações da Moura Dubeux quebram escrita dos IPOs e estreiam em forte queda na B3

Incorporadora vai usar dinheiro do IPO para pagar dívidas com Banco do Brasil, Bradesco BBI e Caixa Econômica, que também foram coordenadores da oferta

13 de fevereiro de 2020
14:11 - atualizado às 2:14
Representantes da Moura Dubeux, durante o toque de campainha que marca o início da oferta pública de ações
Representantes da Moura Dubeux, durante o toque de campainha que marca o início da oferta pública de ações - Imagem: Cauê Diniz

As ações da incorporadora Moura Dubeux quebraram a escrita das duas primeiras estreantes da bolsa neste ano – Mitre e Locaweb – e são negociadas em queda no primeiro de negócios no pregão da B3.

No início da tarde de hoje, os papéis (MDNE3) recuavam 4,74%, cotados a R$ 18,10. Confira também a nossa cobertura de mercados hoje.

Os principais executivos e acionistas da Moura Dubeux celebraram na manhã de hoje a estreia das ações da companhia no pregão da B3 após a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês).

Mas quem tem mais a comemorar, pelo menos em um primeiro momento, são os bancos coordenadores da oferta, que pode movimentar até R$ 1,25 bilhão.

O preço por ação da companhia foi definido em R$ 19, no centro da faixa indicativa, que ia de R$ 17 a R$ 21 por papel.

Os recursos captados no IPO vão integralmente para o caixa da Moura Dubeux. Mas a maior parte desse dinheiro não ficará lá por muito tempo.

A empresa pretende usar 90% do valor para abater dívidas com três dos bancos que coordenaram a oferta: Banco do Brasil, Bradesco BBI e Caixa Econômica Federal. Além deles, Itaú BBA e Credit Suisse participaram da operação.

A situação da empresa parece longe de inspirar confiança. Nos nove primeiros meses de 2019, a companhia teve prejuízo líquido de R$ 68 milhões.

Para viabilizar a oferta, a família fundadora precisou aceitar uma forte diluição na participação, que passou de 99% para aproximadamente 30%.

Embora tudo pareça remar contra, a boa notícia é que o dinheiro do IPO deixa praticamente limpo o balanço da Moura Dubeux, uma incorporadora tradicional e que tem uma posição forte na Região Nordeste.

O preço das ações definido na oferta também refletiu a situação mais delicada da companhia em relação a outras incorporadoras listadas. Ou seja, trata-se de uma aposta de alto risco, mas quem investiu nos papéis no IPO pagou relativamente barato e pode ganhar bastante dinheiro em um cenário de recuperação mais vigorosa da economia.

Com a queda de hoje, as ações ficam ainda mais atrativas do ponto de vista de preço, embora – vale repetir – se trate de uma aposta bem arriscada.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies