Menu
2020-04-27T16:23:37-03:00
Comércio brasileiro

Superávit na balança comercial na 4ª semana de abril é de US$ 1,744 bilhão

Valor de superávit primário foi alcançado por meio de total exportações de US$ 4,205 bilhões e de importações de US$ 2,460 bilhões

27 de abril de 2020
16:23
exportação logística
Imagem: Shutterstock

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,744 bilhão na quarta semana de abril (do dia 20 ao 24). De acordo com dados divulgados na tarde desta segunda-feira, 27, pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 4,205 bilhões e importações de US$ 2,460 bilhões.

Em abril, até o dia 24, o superávit acumulado é de US$ 5,061 bilhões. Já no total do ano, o superávit comercial está em US$ 10,624 bilhões.

No entanto, no mês, até o dia 24, houve queda de 1,3% na média diária das exportações na comparação com abril do último ano, passando de US$ 918,2 milhões para US$ 906,0 milhões.

O movimento de queda nas exportações foi puxado, principalmente, pela diminuição dos seguintes produtos: Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (-44,7%); Outros minérios e concentrados dos metais de base (-54,3%); Outros minerais em bruto (-23,1%); Pedra, areia e cascalho (-7,6%); Fertilizantes brutos - exceto adubos (-43,6%); Aeronaves e outros equipamentos, incluindo suas partes (-93,7%); Veículos automóveis de passageiros (-75,0%); Celulose (-26,9%); Obras de ferro ou aço e outros artigos de metais comuns (-75,2%); e Partes e acessórios dos veículos automotivos (-58,2%).

Já as importações registraram baixa de 9,1% na média diária em igual comparação. Elas saíram de US$ 649,0 milhões para US$ 589,7 milhões.

O movimento de queda nas importações ocorreu, principalmente, pela diminuição nos seguintes produtos: Pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (-75,3%); Cacau em bruto ou torrado (-100,0%); Frutas e nozes não oleaginosas, frescas ou secas (-15,6%); Centeio, aveia e outros cereais, não moídos (-50,5%); Animais vivos, não incluído pescados ou crustáceos (-69,9%); Óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos - exceto óleos brutos (-39,3%); Partes e acessórios dos veículos automotivos (-54,4%); Válvulas e tubos termiônicas, de cátodo frio ou foto-cátodo, diodos, transistores (-33,7%); Veículos automóveis para transporte de mercadorias e usos especiais (-66,2%); e Equipamentos de telecomunicações, incluindo peças e acessórios (-18,7%).

Tanto as exportações quanto as importações de produtos são influenciados, neste mês de abril, pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus sobre o comércio global. A corrente de comércio - que representa a soma de exportações e de importações - somou US$ 23,932 bilhões em abril até o dia 24. Neste período, a média diária foi de US$ 1,496 bilhão, o que representa uma diminuição de 4,6% em relação à medida de US$ 1,567 bilhão de abril do ano passado.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Análise do SD Premium

Onda de lucros: veja 4 motivos pelos quais o ouro pode continuar subindo

Após semana de queda interrompendo o ciclo de alta histórica, colunista do Seu Dinheiro acredita que a ‘nova corrida do ouro’ está longe de acabar

sinais ambíguos

Bolsonaro cita respeito a teto de gastos, mas acerta R$ 5 bi extras para obras

Uso de créditos extraordinários, sob o argumento de estimular a economia no pós-covid-19, é defendido pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho

gritty investidor

Quatro passos importantes para avaliar se uma empresa é bom negócio

Vou compartilhar com você quatro pontos importantes para ver uma empresa na bolsa

Disputa corporativa

Totvs entra na disputa pela Linx contra a Stone com oferta igual para todos os acionistas

A proposta formalizada hoje pela Totvs avalia a Linx em R$ 6,1 bilhões e não prevê pagamento adicional a conselheiros da empresa como a oferta da Stone

efeitos da pandemia

BNDES registra prejuízo contábil de R$ 582 milhões no 2º trimestre

prejuízo foi motivado por ajustes negativos de equivalência patrimonial em empresas investidas e por provisionamentos para risco de crédito visando a cobertura de eventuais perdas decorrentes do cenário de pandemia da covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements