Menu
2020-04-20T08:08:30-03:00
Estadão Conteúdo
avaliação de cenário

Sistema bancário é sólido e está muito bem provisionado, diz presidente do BC

Em entrevista na madrugada desta segunda-feira, 20, Campos Neto também avaliou que o cenário econômico do País “se deteriorou” desde a última reunião

20 de abril de 2020
8:07 - atualizado às 8:08
Roberto Campos Neto
Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/Banco Central do Brasil

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o sistema bancário brasileiro é "um dos mais sólidos do mundo" e está "super provisionado, super líquido e super capitalizado" em meio aos efeitos da pandemia do novo coronavírus, reforçando que "ninguém precisa se apavorar" quanto ao dinheiro depositado nos bancos.

Em entrevista ao programa "Poder em Foco" exibida pelo SBT na madrugada desta segunda-feira, 20, Campos Neto também avaliou que o cenário econômico do País "se deteriorou" desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) e disse achar que uma melhora da atividade deve vir no último trimestre, "obviamente de uma base muito baixa". "A dúvida é o terceiro trimestre, o quanto vai ser impactado (...) e a extensão do estrago que vai ter."

As oscilações e a volatilidade do mercado financeiro no quadro atual se formam uma "neblina" para a perspectiva do Copom para a política monetária, comparou o presidente do BC. Mas, apesar de reconhecer a deterioração do cenário desde a última decisão de juros, Campos Neto ressaltou que a próxima reunião levará em conta vários fatores: "Será que vai nos custar um (gasto) fiscal muito grande sair dessa crise? Será que as reformas ficam adiadas por um tempo grande? Será que essa volatilidade no mercado e essa saída de recursos grande do Brasil não atrapalham a tomada de decisão?", enumerou.

"Todos nós identificamos a doença: o Brasil tem um crescimento baixo e a gente quer que suba. Às vezes existe uma diferença em identificar qual é o remédio", afirmou o presidente da autarquia. "Tem pessoas que dizem que o remédio é colocar os juros o mais baixo possível. Mas se o mercado tiver uma situação em que o movimento de juros faça com que você tenha um efeito lá na ponta diferente do que você gostaria, então você não deu o remédio correto para aquela doença. Acho que aí é onde mora o debate."

Questionado sobre se a taxa de câmbio com o dólar cotado a mais de R$ 5 é o "novo normal", Campos Neto disse ser "difícil dizer". "Vale lembrar que a saída de capital que nós tivemos de mercados emergentes nessa crise, em alguns blocos de emergentes, foi dez vezes pior que 2008 se você olhar a dimensão tempo e quantidade. As moedas de mercados emergentes se desvalorizaram. A do Brasil se desvalorizou um pouco mais e obviamente tem aí toda a percepção do que vai ser o novo equilíbrio fiscal. Se a gente vai conseguir ter um equilíbrio fiscal que a gente faça um desvio e depois volte para a rota ou se realmente esse desvio vai ser mais um pouco mais longo. Isso tudo está no preço da incerteza."

Segundo o presidente do BC, o potencial de todas as medidas anunciadas pela autarquia para conter os efeitos da covid-19 chega a 16% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, enquanto a média observada nos mercados emergentes como um todo não chega a 5%.

Na entrevista, ele também abordou a Proposta de emenda à Constituição (PEC) do "Orçamento de Guerra", comentando que a autorização para o Banco Central comprar títulos de dívida privada no mercado secundário vai prover uma liquidez nessa área que vai ajudar a "corrigir" os juros cobrados ao longo da cadeia de crédito. "Se o Banco Central puder comprar os créditos no mercado secundário, isso vai fazer com que a taxa caia e o mercado volte a funcionar."

Campos Neto também afirmou que a proposta, dividida em dois projetos de lei - um na Câmara dos Deputados e um no Senado -, da independência do BC está "madura" e "tem tudo para ser aprovada" quando o Legislativo puder encarar outras prioridades além da proteção à renda, ao emprego e às empresas do País durante a pandemia do novo coronavírus.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ESTRADA DO FUTURO

Um pé no abismo e outro na casca de banana: como identificar ações de empresas decadentes

Excesso de otimismo, planos mirabolantes e desprezo pela inovação estão entre as receitas para uma empresa falhar, segundo o gestor que se dedicou a descobrir empresas terríveis

Novo competidor

Grupo catarinense que fatura R$ 8,8 bi vai abrir 1º atacarejo no estado de SP

O Grupo Pereira vai abrir uma unidade da Fort Atacadista, sua bandeira de atacarejo, na cidade de Jundiaí; forte competição em SP é desafio

Tensão em Brasília

Racha no Congresso põe reformas em xeque

A decisão do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de fatiar a reforma tributária foi vista como a pá de cal nas chances de avanço das reformas no Congresso até o fim do atual governo. Embora Lira tenha prometido abrir o diálogo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para definir os próximos passos, […]

Rapidinhas da semana

BLINK: Itaúsa, B2W, Eletrobras e mais recomendações rápidas

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Alpargatas, Eletrobras, Itaúsa, Lojas Americanas e muito mais no Blink

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies