Menu
2020-03-30T11:00:19-03:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Ministro fala

Medidas contra coronavírus vão injetar R$ 750 bilhões em 3 meses, diz Paulo Guedes

Guedes afirmou que o rumor sobre uma eventual saída do governo é “conversa fiada total” e que a conta das medidas de estímulo não será paga pelas futuras gerações

28 de março de 2020
20:03 - atualizado às 11:00
Entrevista coletiva do ministro da economia, Paulo Guedes
Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

As medidas anunciadas pelo governo para combater os efeitos do coronavírus vão injetar R$ 750 bilhões na economia nos próximos três meses. A afirmação é do ministro da Economia, Paulo Guedes, que participou de uma transmissão ao vivo promovida pela XP Investimentos no YouTube neste sábado (28).

A conta inclui os R$ 200 bilhões em recursos do depósito compulsório que foram liberados pelo Banco Central. Outros R$ 150 bilhões virão do BNDES e da Caixa Econômica Federal.

A antecipação do 13º salário dos aposentados e pensionistas do INSS e o diferimento do pagamento do Simples por micro e pequenos empresários representam mais R$ 150 bilhões na economia, segundo Guedes.

O auxílio de emergência aos 38 milhões de trabalhadores informais deve liberar mais mais R$ 50 bilhões, de acordo com o ministro. Guedes também mencionou a inclusão de mais 1,2 milhão de pessoas entre os beneficiários do bolsa-família.

O governo vai entrar com mais R$ 50 bilhões na complementação da folha de pagamento das empresas. A medida ainda não está pronta, mas deve sair nos próximos dias, segundo o ministro.

Além do recurso direto, o Banco Central anunciou ontem uma linha de crédito de R$ 40 bilhões para financiar a folha de pagamento das pequenas e médias companhias.

Por fim, o ministro mencionou a liberação de R$ 88 bilhões em recursos para os governadores e disse que também fará um programa para os municípios.

Os recursos devem aumentar o rombo das contas públicas em 4,8% do PIB. “Vamos ter um déficit extra, mas não tem problema. Não vamos deixar os brasileiros pra trás.”

O ministro afirmou, contudo, que as medidas são temporárias e que a agenda de reformas deve ser retomada ainda neste ano.

“Não vamos empurrar essa conta para as futuras gerações” – Paulo Guedes, ministro da Economia

“Conversa fiada”

Guedes afirmou que o rumor sobre uma eventual saída do governo é “conversa fiada total”. “O presidente tem total confiança no meu trabalho. Como vou sair com o país no momento mais grave?”, afirmou, ao comparar o choque do coronavírus a um meteoro.

Após ter sido “despejado”, nas palavras do ministro, do hotel onde morava, Guedes passou os últimos dias do Rio de Janeiro, o que rendeu uma série de especulações sobre o futuro dele no governo.

O ministro afirmou que voltará amanhã a Brasília e vai se instalar com a família na Granja do Torto, a convite de Jair Bolsonaro.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Seu Dinheiro na sua noite

O grande respiro do câmbio e mais…

“Ih, vai ser uma semana daquelas”, pensei eu na segunda-feira, ao olhar a agenda de eventos previstos para os dias seguintes. Teríamos decisão do Copom e relatório de empregos nos EUA — e isso sem contar os inúmeros balanços corporativos. Em semanas assim, eu gosto de traçar alguns cenários na minha cabeça: se o BC […]

Fechamento da semana

Real ganha do dólar na semana e bolsa sobe mais de 2% com economia americana nem tão aquecida e Copom incisivo

Os problemas domésticos foram para baixo do tapete e os fatores externos ajudaram o Real a se valorizar e a bolsa a romper resistências importantes. Confira um resumo da semana.

Mudou de ideia?

Elon Musk passa a recomendar cautela com o dogecoin às vésperas de sua participação no SNL

O bilionário, que já fez a moeda-meme disparar 60% com apenas um tweet, exibiu um alerta para as limitações do mercado de criptoativos

pandemia

Estudo aponta relação entre negacionismo de Bolsonaro e evolução da pandemia no Brasil

Segundo o levantamento, em cidades onde o presidente obteve mais de 50% dos votos no segundo turno das eleições de 2018, número de mortes foi 415% maior do que nos municípios onde ele perdeu o pleito

Insistência incomoda

Ex-presidente do BC Affonso Pastore acredita que ajuste parcial da Selic é insustentável

O economista defende o reconhecimento explícito de que a instituição perseguirá o ajuste integral da taxa básica de juros

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies