Menu
2020-07-03T12:16:00-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Diretor do BC

Em cenário alternativo, inflação de 2021 se aproxima mais da meta, diz Kanczuk

Segundo Kanczuk, o cenário em que a demanda não cai tanto tem peso maior no balanço de riscos, gerando essa assimetria, citada no comunicado do Copom de junho

3 de julho de 2020
12:15 - atualizado às 12:16
Fábio Kanczuk
Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) sabatina Fábio Kanczuk indicado para diretoria de Política Econômica do BC - Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado

O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, afirmou que não vê contradição entre a comunicação da autoridade monetária e a projeção do BC de inflação aquém do centro da meta em 2021, em 3,2% contra 3,75% do alvo central, porque, em cenário alternativo, considerando o balanço de riscos, a inflação se aproxima da meta. No último Comitê de Política Monetária (Copom), o BC sinalizou que considerava adequado o nível de estímulo atual e que se houver novo ajuste será residual.

"Não há contradição entre essas duas coisas. Para entender porque não há contradição é preciso olhar o balanço de riscos, que deixa claro que há assimetria de riscos", disse ele, em videoconferência organizada pelo Banco Safra, referindo-se à introdução de novo risco, de que as políticas de composição de renda e de estímulo creditício poderiam indicar um hiato da economia menor do que o BC tem no cenário base, ou queda da demanda menor do que no cenário base.

Pelo risco altista para inflação, o diretor também citou que o BC também monitora o risco fiscal.

Segundo Kanczuk, o cenário em que a demanda não cai tanto tem peso maior no balanço de riscos, gerando essa assimetria, citada no comunicado do Copom de junho. "Em cenário alternativo, inflação de 2021 se aproxima mais da meta. O BC tem cenário básico, mas há viés que aponta para inflação maior em 2021."

Juro neutro

O diretor de Política Econômica do Banco Central explicou que o risco fiscal atual do País tem mais peso sobre o juro neutro considerado pela autoridade monetária do que outros fatores que reduziriam a taxa neutra, como, por exemplo, eventuais ganhos de produtividade. "Os fatores que abaixam o juro neutro acontecem, mas em magnitude menor do que o fator ele eleva o juro neutro, que é o risco fiscal. Há a percepção do mercado de que em algum ponto futuro possa haver problema fiscal, incorporando isso agora na atratividade dos títulos públicos", afirmou.

Kanczuk reforçou que, apesar da elevação do juro neutro, a ociosidade da economia justificou a decisão do Copom em ter continuar o ciclo de cortes na Selic nas últimas reuniões. "O aumento do hiato e de ociosidade mais do que compensou esse aumento do juro neutro e que motivou a decisão de redução da Selic nas últimas três reuniões", completou.

Câmbio

O diretor de Política Econômica do Banco Central disse que a autoridade monetária tem prestado bastante atenção na volatilidade do câmbio nas últimas semanas. "Independentemente de nível ou de ter uma tendência para cima ou para baixo, a volatilidade diária é bastante elevada, com um aumento grande de contratos pequenos. Estamos tentando identificar um pouco qual é a causa desse aumento de volatilidade, em que sentido ela é eficiente ou não", afirmou, em videoconferência organizada pelo Banco Safra.

Para o diretor, é necessário entender primeiro o movimento, para pensar em alguma ação por parte do BC. "O câmbio no Brasil está um pouco mais volátil do que em outros países emergentes", completou.

O diretor de Política Econômica do Banco Central reforçou que a intervenção do Banco Central no mercado secundário de títulos ocorrerá em caso de disfuncionalidade, como acontece no mercado de câmbio. Segundo ele, o BC está "totalmente pronto" para agir no mercado de títulos privados e de públicos. "Não há impedimento legal, podemos intervir em títulos daqui a 5 minutos se precisar."

Mas ponderou que a intenção do BC não é fazer política monetária, e muito menos fiscal, mas atuar em momentos de disfuncionalidade no mercado.

Kanczuk citou que essa é uma preocupação no mundo todo, com o aumento da dívida pública devido às medidas de estímulo no contexto da crise do coronavírus. Conforme o diretor, com o aumento da quantidade de títulos públicos, o BC tem de estar pronto para agir, em conjunto com o Tesouro Nacional, em momentos de disfuncionalidade para tornar os preços adequados. "Em termos de raciocínio, vemos igual ao câmbio."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

de olho nos números

Cemig registra lucro líquido de R$ 1 bilhão no 2º tri, queda de 50,6% em um ano

A receita líquida caiu para R$ 5,93 bilhões, de R$ 7,0 bilhões no mesmo trimestre do ano anterior.

balanço do coronavírus

Covid-19: Brasil registra 106.523 mortes e 3,27 milhões de casos

Nas últimas 24 horas, foram notificados 1.060 novos óbitos pela doença

seu dinheiro na sua noite

Quatro passos para escolher uma ação na bolsa

Os detratores da bolsa gostam de comparar o investimento em ações a um cassino, com apostas viciadas em favor da banca (ou dos bancos). Eu mesmo faço essa referência em tom de ironia no meu livro Os Jogadores — já fica a dica de leitura. Não há como negar que muitos investidores realmente encaram o mercado como […]

Sob nova direção

Banco do Brasil confirma indicação de André Brandão para presidência

O Banco do Brasil confirmou agora à noite a indicação de André Brandão para assumir o cargo de presidente da instituição financeira. Após a comunicação formal, via ofício do Ministério da Economia, iniciou-se no âmbito do BB os procedimentos de governança necessários à confirmação da elegibilidade do executivo para o cargo. Brandão faz parte do […]

Mercados hoje

Balanços trazem alívio ao Ibovespa e dólar sobe no fim de uma semana tensa nos mercados locais

Investidores avaliam sinais contraditórios do governo e aumento da popularidade do presidente em meio a cenário de recessão técnica

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements