Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2020-04-15T06:43:13-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
Felipe Saturnino
Felipe Saturnino
Graduado em Jornalismo pela USP, passou pelas redações de Bloomberg e Estadão.
Impactos do socorro

Economistas veem risco de alta de juros com aprovação da “bomba fiscal”

Pacote de ajuda a Estados e municípios sem contrapartidas é criticado e traz receio de que o governo perca o controle dos gastos com medidas para conter coronavírus

15 de abril de 2020
5:15 - atualizado às 6:43
Bomba

O pacote de ajuda a Estados e municípios em discussão no Congresso e já aprovado na Câmara dos Deputados pode cobrar seu preço com o aumento da taxa básica de juros (Selic) no médio prazo. Essa é a opinião de economistas ouvidos pelo Seu Dinheiro.

O projeto prevê que a União terá de compensar os governos estaduais e municipais pela queda de arrecadação do ICMS e do ISS deste ano, sem qualquer tipo de contrapartida. A estimativa é que a conta para os cofres públicos seja de pelo menos R$ 80 bilhões.

A medida, em conjunto com outras ações de aumento de gastos necessários para conter os efeitos do coronavírus na economia, vai aumentar a dívida pública do país. O receio é que o governo perca o controle das despesas e torne permanente o que deveria ser temporário.

Com isso, a tendência é que o governo seja obrigado em algum momento a oferecer juros mais vantajosos para atrair credores, segundo André Marques, coordenador do Centro de Gestão e Políticas Públicas do Insper.

Marques defende que deve haver, sim, um suporte por parte do governo federal aos entes da Federação, mas que não é possível resolver todos os problemas fiscais de longa data em apenas uma tacada.

"Tem várias possibilidades, como a suspensão de dívida durante um período, mas é preciso verificar se os recursos vão para a saúde, por exemplo, para suprir ou demanda pontual, ou se estarão virando uma despesa contínua."

De acordo com Marques, é necessário uma "governança colaborativa" entre os envolvidos, com discussões que gerem consenso, já que a falta de diálogo entre as partes acaba gerando "eventuais distorções".

Na visão de Solange Srour, economista-chefe da ARX Investimentos, o projeto aprovado é uma "verdadeira bomba fiscal", dado que não existe contrapartida por parte de Estados e municípios. O congelamento de salários do setor público, por exemplo, deveria ter sido uma dessas concessões.

"O projeto é mal desenhado e incentiva os Estados a dar isenções e postergações", diz a economista da ARX. "O país ficou mais pobre e essa realidade precisa ser incorporada nos Estados também."

Mercado 'nem aí' (por enquanto)

Para a Selic no curto prazo, segundo os economistas, não deverá haver um efeito causado pela aprovação do projeto. A grande questão refere-se aos médio e longo prazos, tendo em vista a evolução da dívida pública.

"Se o prêmio de risco do Brasil subir muito, haverá impacto no câmbio e em algum momento isso pode virar inflação", afirma Srour.

No caso de a dívida também entrar no que ela chama de "trajetória explosiva", que depende de projetos como esse "pipocarem" no Congresso, em algum momento poderá haver desancoragem das expectativas de inflação em médio prazo.

Por ora, o mercado não dá sinais de preocupação. Ontem, a bolsa subiu e os juros futuros — o lugar em que a aprovação do projeto deveria ter sido mais sentida, em tese — em sua maioria caíram. O UBS explicou essa realidade aparentemente contraditória, como nós mostramos aqui.

"O mercado está completamente correlacionado com o exterior", diz a economista da ARX. "Não está dando importância para piora fiscal, mas isso ocorrerá em algum momento."

Qual será a ocasião em que isso acontecerá? Provavelmente, diz ela, quando os países desenvolvidos deslancharem e o Brasil, não.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: bolsa deve refletir taxa de juros mais alta em dia de leitura do PIB dos EUA

A agenda de balanços conta com Petrobras e Vale, enquanto o exterior deve sentir cautela antes da inflação nos EUA amanhã

NA DÚVIDA, ADIA

No restabelecimento da presença obrigatória em Brasília, governo fica sem quorum e retira PEC dos Precatórios

Nova tentativa de votação é esperada para hoje, mas o temor de que não haja deputados em quantidade suficiente para a aprovação persiste

Aquele 1%

Com juros em alta, esses títulos de renda fixa te pagam 1% ao mês, com baixíssimo risco e pouco esforço

A rentabilidade dos sonhos do brasileiro está de volta aos investimentos conservadores, e CDBs que pagam 1% ao mês ou mais já estão fáceis de encontrar

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Alta da Selic, bons números da Weg, IPO do Nubank e dividendos da Gerdau: veja o que marcou o mercado hoje

Há cerca de um mês, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade não mudaria o “plano de voo” a cada novo dado da economia brasileira. Mas, veja só, a realidade obrigou a instituição a recalcular a rota: há pouco, o Copom elevou a Selic em 1,50 ponto percentual, ao […]

Referência em SP

Na corrida do setor de saúde, Rede D’Or (RDOR3) garante fôlego com a compra do Hospital Santa Isabel

O ativo está avaliado em R$ 280 milhões. Porém, conforme explica a empresa, seu endividamento líquido será deduzido na conta final da transação

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies