Menu
2020-04-14T18:16:53-03:00
Kaype Abreu
Kaype Abreu
Formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Colaborou com Estadão, Gazeta do Povo, entre outros.
de olho nos juros

Por que a ‘bomba fiscal’ do Congresso não provoca estragos no mercado? O UBS responde

Juros futuros caem, em um movimento incomum diante de uma medida que, em tese, aumenta a incerteza sobre as contas públicas

14 de abril de 2020
16:04 - atualizado às 18:16
bomba dinamite contagem
Imagem: Shutterstock

O avanço do projeto de ajuda aos Estados e municípios deveria fazer com que os juros futuros subissem. Contas públicas abaladas em tese aumentam a incerteza e exigem uma maior remuneração por parte dos credores. Mas um dia após a aprovação do texto na Câmara os juros futuros caem - e o UBS tem uma tese para explicar o movimento.

Segundo o banco suíço, o mercado precifica a aprovação do Projeto de Emenda a Constituição (PEC) conhecido como "Orçamento de Guerra". Entre outras coisas, a medida permite ao Banco Central comprar títulos privados e do Tesouro Nacional.

Para os economistas do UBS, a expectativa de que o BC entre forte no mercado comprando especificamente títulos públicos desestimula apostas mais agressivas de alta nos juros.

A medida - que contempla debêntures, cédulas de crédito imobiliário e de crédito bancário - seria uma forma de aumentar o poder da autoridade monetária de estabilizar o mercado em um cenário de crise, elevando a liquidez das empresas e injetando dinheiro na economia.

O projeto foi alterado ontem no Senado e voltou para votação na Câmara. Mas parte do mercado dá a medida como certa em meio a outros indicadores importantes, como o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) de fevereiro, que avançou apenas 0,35% - em mais um sinal de

Confira o desempenho dos juros futuros:

  • Janeiro/2021: de 3,09% para 3,04%;
  • Janeiro/2022: de 3,70% para 3,76%;
  • Janeiro/2023: de 4,89% para 4,73%;
  • Janeiro/2025: de 6,54% para 6,31%;
  • Janeiro/2027: de 7,40% para 7,25%.

O que é a 'bomba fiscal'?

A proposta aprovada nesta segunda-feira (13) recompõe por seis meses as perdas de estados e municípios com a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e com o Imposto Sobre Serviços (ISS).

O texto segue para o Senado, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, adiantou que o governo vai vetar o projeto. A discussão passa pelo embate que o presidente tem com os governadores por conta do isolamento social.

Enquanto o chefe do Executivo defende um afrouxamento das medidas às vésperas do pico do contágio, governadores não descartam até ação policial para dispersar multidões - conforme João Doria, em São Paulo, declarou.

Segundo as contas do Ministério da Economia, projeto deve ter um impacto de pelo menos R$ 105 bilhões - R$ 41 bilhões seriam em transferências para recompor perdas de arrecadação com o ICMS e o ISS.

Mas há também outros dispositivos no texto: R$ 9 bilhões são suspensões de dívidas com a Caixa Econômica Federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), além de R$ 55 bilhões em operações de crédito.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SD PREMIUM

Segredos da Bolsa: Semana promete ser agitada com Copom, IBC-Br, Biden e mais…

A semana promete ser agitada, com importantes indicadores no radar e a “mudança de guarda” nos Estados Unidos

Temos vacina!

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford/AstraZeneca

Primeiros profissionais de saúde já foram vacinados em pronunciamento do governador de São Paulo, João Doria

Mais uma recomendação

Técnicos da Anvisa recomendam uso emergencial da vacina de Oxford/AstraZeneca

Mais cedo, área técnica havia defendido aprovação da CoronaVac

Ainda falta...

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Laboratório russo não apresentou os requisitos mínimos para que o pedido de uso emergencial pudesse ser analisado pela agência

Quase lá

Área técnica da Anvisa recomenda uso emergencial da CoronaVac

Diretores da agência analisam pedidos de uso de vacinas. No momento, a área técnica ainda faz a apresentação. Em seguida, a relatora do tema, diretora Meiruze Freitas lerá seu voto, com os outros quatro diretores da agência votando depois

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies