Menu
2020-03-27T14:54:30-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
efeito coronavírus

Economia mundial vai encolher 2,1% em 2020, diz Moody’s

Zona do euro deve ter retração de 6,5% e a China de 0,1% este ano, de acordo com as previsões atualizadas

27 de março de 2020
14:53 - atualizado às 14:54
crise recessão mundo
Imagem: Shutterstock

A economia mundial inteira deve ter recessão em 2020, com o Produto Interno Bruto (PIB) devendo encolher 2,1%, prevê a Moody's Analytics. Segundo a instituição, os Estados Unidos devem registrar queda de 2,3%.

Já a zona do euro deve ter retração de 6,5% e a China de 0,1% este ano, de acordo com as previsões atualizadas, apresentadas em conferência pela internet nesta sexta-feira (27).

O economista-chefe da Moody's Analytics, Mark Zandi, reforçou que as previsões vêm sendo revistas para baixo em velocidade impressionante e as chances ainda são de piora nos números, dependendo do avanço da pandemia de coronavírus.

No caso dos Estados Unidos, a perda acumulada no PIB desde o início da crise já é de 3%, com vários locais, como Nova York e Pensilvânia, paralisados. "Vamos ver perda substancial de emprego", disse ele.

Oferta e demanda

Por enquanto, a maior parte do estrago causado pela pandemia nos EUA e na economia mundial é do lado da oferta, disse Zandi, ressaltando que a crise afetou cadeias internacionais de produção e serviços.

Mas está vindo piora também pelo lado da demanda, na medida em que o desemprego já está em forte alta, fazendo com que as pessoas tenha perda importante de renda e posterguem gastos. Na quinta, 26, os pedidos semanais de auxílio-desemprego dos EUA dispararam para 3,2 milhões, recorde histórico.

Zandi disse que as hipóteses da Mooody's levam em conta que a maioria do impacto negativo da pandemia ocorra de agora, passe pelo mês de abril e continue em maio, mas comece a se dissipar.

Com isso, o segundo semestre pode ser de recuperação. O PIB americano deve ter contração de 18,2% no segundo trimestre e depois crescer 11,1% no terceiro e 2,4% no quarto, em valores anualizados.

Há "incertezas conhecidas" que dificultam prever melhor o cenário, ressaltou o economista. Entre elas, até quando os novos casos vão continuar a crescer; quando as quarentenas vão acabar por completo; a eficácia dos estímulos dos governos; o tamanho do impacto nos índices de confiança dos agentes.

Sobre a China, a previsão da Moody's Analytics é que o PIB tenha contração de 29% neste primeiro trimestre, pois o país foi afetado primeiro e depois se recupere 14,9% no segundo período, 27,7% no terceiro e 13% no quarto.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Rapidinhas da semana

BLINK: Magalu ou ViaVarejo? Quem mandou melhor no 1º trimestre?

Felipe Miranda, sócio-fundador e CIO da Empiricus, fala sobre Magalu, ViaVarejo e muito mais no Blink

Virando a chavinha

Agibank traça estratégia para abandonar imagem de ‘financeira’

Banco gaúcho quer alcançar marca de 35 milhões de clientes em 6 anos

O melhor do Seu Dinheiro

O dragão à solta, Elon Musk, bitcoin e outras notícias que mexeram com seus investimentos

O temor com o retorno da inflação nos EUA, as falas de Elon Musk sobre o bitcoin, as ações de empresas em recuperação judicial e outros destaques da semana

Como vai ser?

Decisão sobre ICMS vai destravar ações, dizem especialistas

Cobrança continuará até que Receita seja autorizada a alterar sistema

Efeitos da reestruturação

CEO da Cogna afirma que ajustes feitos em 2020 já mostram primeiros resultados

Rodrigo Galindo cita margem Ebitda recorrente e prazo médio de recebimento de alunos pagantes como efeitos positivos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies