Menu
2020-10-15T14:10:34-03:00
Estadão Conteúdo
Mais tranquilo

Crise tende a ser menos severa que a de 2015/2016, afirma diretor do BC

Segundo os últimos dados analisados pelo BC sobre crise, a inadimplência e o nível de ativos problemáticos não atingirão os patamares de 2015 e 2016.

15 de outubro de 2020
14:10
Banco Central BC Copom Selic ata
Fachada da sede do Banco Central (BC) em São Paulo - Imagem: Shutterstock

O diretor de Fiscalização do Banco Central, Paulo Souza, repetiu nesta quinta-feira, 15, a avaliação de que a atual crise decorrente da pandemia de covid-19 tende a ser menos severa do que a recessão de 2015 e 2016. "Ninguém sabe ainda ao certo como vai ser o fim da atual pandemia, há muita incerteza. Mas pela própria retomada da atividade, o mercado já estima hoje uma queda menor do PIB em 2020", afirmou, em entrevista coletiva sobre o Relatório de Estabilidade Financeira (REF) referente ao primeiro semestre de 2020.

Leia também:

Souza disse ainda que, em função dos últimos dados observados pelo BC, o índice de inadimplência e o nível de ativos problemáticos não devem atingir os patamares de 2015 e 2016. "É importante destacar que as provisões do sistema financeiro têm sido suficientes para cobrir essas perdas", enfatizou.

Para o diretor, com as taxas de juros em seus mínimos históricos, é possível alongar as operações das empresas em condições mais favoráveis para adequar suas capacidades de pagamento. "Temos preocupação com nível de endividamento, mas ao que tudo indica sairemos da crise de forma mais rápida do que aconteceu em 2015 e 2016", completou.

Souza repetiu que o auxílio emergencial e a repactuação de dívidas foram importantes para ajudar a economia real e cobrir as necessidades de famílias e pequenas e médias empresas durante a pandemia de covid-19. Ele lembrou que apenas as operações adimplentes puderam ser repactuadas e reforçou que o BC acompanha o andamento dessas operações.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

No mundo corporativo, quem não diversifica, se trumbica

De uns tempos para cá, uma antiga fala de Warren Buffett tem pipocado nas minhas redes. Nela, o megainvestidor diz que “diversificação não faz sentido para quem sabe o que está fazendo” — e ele, naturalmente, se coloca como um sábio. Longe de mim querer contrariar o oráculo do mercado financeiro, mas é preciso tomar […]

nos ares

Boeing realiza 1º voo do maior avião da família 737 MAX e inicia fase de testes

Empresa vem trabalhando para superar acidentes aéreos envolvendo a família de aviões 737 MAX. No Brasil, a Gol tem um pedido firme do 737-10

pix questionado

Procon-SP notifica bancos por brechas exploradas por ladrões de celulares

São requisitados esclarecimentos sobre dispositivos de segurança, bloqueio, exclusão de dados de forma remota e rastreamento de operações financeiras disponibilizados aos clientes vítimas de furto ou roubo

FECHAMENTO DA SEMANA

Juros futuros são grandes protagonistas da semana e ainda prometem mais emoção; dólar recua 1% e bolsa fica no vermelho

Com Copom duro e a sinalização de uma possível elevação nas taxas de juros nos EUA, os principais contratos de DI dispararam. Na semana, o dólar recuou com o forte fluxo estrangeiro e a bolsa seguiu o ritmo das commodities (mais uma vez)

Calendário completo

Banco Central: veja as datas das reuniões do Copom em 2022

O Copom é o órgão do BC responsável por definir, a cada 45 dias, a taxa básica de juros da economia brasileira

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies