Menu
2020-02-05T19:10:04-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Tesourada do mês

Copom corta Selic para 4,25% ao ano e sinaliza fim do ciclo de queda da taxa

Taxa renova mínima histórica na tentativa do BC em impulsionar a economia

5 de fevereiro de 2020
18:43 - atualizado às 19:10
Diretores do Banco Central em reunião do Copom
Imagem: Raphael Ribeiro/Flickr/Banco Central

Como era amplamente esperado pelo mercado financeiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu cortar a taxa básica de juros nesta quarta-feira (5). A Selic agora passa a 4,25% ao ano.

As justificativas para o corte acabaram sendo as mesmas de sempre: necessidade de estimular a economia, inflação sob controle e cenário internacional relativamente favorável aos juros mais baixos.

A decisão, unânime entre os diretores colegiados, coloca mais combustível na tentativa do BC de estimular a economia. Vale lembrar que desde julho de 2019 o Copom vinha promovendo uma série de cortes na Selic, que recuou mais de dois pontos percentuais em pouco mais de seis meses.

Mas tudo passa, tudo passará...

Contrariando alguns poucos analistas do mercado, ao que tudo indica o ciclo de cortes nos juros chegou ao fim. O comunicado do Copom divulgado no começo da noite sinalizou que os juros devem se manter no atual patamar na próxima reunião, marcada para 18 de março.

Na visão da diretoria, alguns fatores colaboram para essa cautela maior na hora de decidir por novas quedas na Selic. O principal deles são os efeitos defasados da sequência de cortes de juros.

É que, na prática, a economia não costuma responder de imediato aos estímulos do Copom, e os resultados do atual ciclo só começaram a ser percebidos nos últimos meses. Diante disso, os diretores sinalizaram que "o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária". Mais ainda, disseram que um novo período de redução dos juros dependerá da evolução da economia como um todo.

Aos números

Em termos de indicadores econômicos, o Copom também fez algumas ponderações em relação aos números do Boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente e que aponta a visão dos analistas de mercado para a economia.

Para a inflação, principal instrumento de decisão sobre os rumos da Selic, o Comitê sinaliza que atualmente as diversas medidas estão de acordo com as metas estabelecidas pelo governo.

Mas o comunicado da diretoria também não deixou de pontuar alguns riscos inflacionários. Puxando os preços para baixo estão a ociosidade persistente da economia brasileira. Já na pressão por alta, a inflação conta com os recentes estímulos monetários do Copom, cujos efeitos dos cortes nos juros ainda não podem ser completamente sentidos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Recuperação da estatal

Lucro da Petrobras salta 55,7% em 2019 e chega a R$ 40,1 bilhões, impulsionado pela venda de ativos

A Petrobras fechou 2019 com o maior lucro líquido anual de sua história, sustentada pelos fortes desinvestimentos e ganhos de eficiência na extração de petróleo — fatores que compensaram os menores preços da commodity no exterior

De olho no balanço

Marfrig reverte prejuízo e registra lucro líquido de R$ 27 milhões no 4º trimestre de 2019

No acumulado do ano, o lucro líquido caiu para R$ 218 milhões, ante R$ 1,4 bilhão no ano anterior

Confira os números

Petrobras, Ultrapar, Marfrig, RaiaDrogasil e GPA: os balanços que vão mexer com a bolsa nesta quinta-feira

O dia começa recheado de balanços anuais das companhias listadas no Ibovespa

Recurso da estatal

TRF-4 nega recurso da Petrobras e mantém Odebrecht fora de ação da Lava Jato

No recurso, a estatal buscava o prosseguimento dos réus na ação cível e a manutenção do bloqueio de bens dos executivos

Seu Dinheiro na sua noite

Guedes fora, alta do dólar

Você se lembra de quando o dólar a R$ 4,20 era o grande “patamar psicológico” da moeda americana? Não faz tanto tempo assim, mas esse nível de cotação ficou para trás, e agora parece até um pouco distante. Hoje, o dólar à vista bateu um novo recorde de fechamento. Eu sei que você já leu […]

Mais um recorde: dólar à vista sobe a R$ 4,36 e renova a máxima nominal de fechamento

O dólar à vista subiu mais um degrau nesta quarta-feira (19): pela primeira vez, terminou uma sessão acima dos R$ 4,36, cravando um novo recorde nominal. É a oitava vez em 2020 que a moeda renova as máximas de fechamento

Ainda na liderança

Vitor Hugo crê que permanece como líder do governo; Terra diz não receber convite

O deputado disse que não recebeu sinalizações do presidente Jair Bolsonaro de que poderá ser substituído pelo ex-ministro Osmar Terra

O impasse continua

Após TRT suspender demissões, Petrobras quer negociar desligamentos em fábrica

Encerramento da operação da Ansa é o principal motivo da greve dos petroleiros

Ponto polêmico

Relator mantém trabalho aos domingos na MP do contrato verde e amarelo

Deputado Áureo manteve a permissão para que todos os trabalhadores sejam convocados para trabalhar aos domingos e feriados

Novidade no IR

Programa do IR virá sem dedução da contribuição patronal sobre domésticos

Fim da dedução é a principal novidade para as declarações de IR em 2020

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements