Menu
2020-02-05T19:10:04-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Tesourada do mês

Copom corta Selic para 4,25% ao ano e sinaliza fim do ciclo de queda da taxa

Taxa renova mínima histórica na tentativa do BC em impulsionar a economia

5 de fevereiro de 2020
18:43 - atualizado às 19:10
Diretores do Banco Central em reunião do Copom
Diretores do Banco Central - Imagem: Raphael Ribeiro/Flickr/Banco Central

Como era amplamente esperado pelo mercado financeiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu cortar a taxa básica de juros nesta quarta-feira (5). A Selic agora passa a 4,25% ao ano.

As justificativas para o corte acabaram sendo as mesmas de sempre: necessidade de estimular a economia, inflação sob controle e cenário internacional relativamente favorável aos juros mais baixos.

A decisão, unânime entre os diretores colegiados, coloca mais combustível na tentativa do BC de estimular a economia. Vale lembrar que desde julho de 2019 o Copom vinha promovendo uma série de cortes na Selic, que recuou mais de dois pontos percentuais em pouco mais de seis meses.

Mas tudo passa, tudo passará...

Contrariando alguns poucos analistas do mercado, ao que tudo indica o ciclo de cortes nos juros chegou ao fim. O comunicado do Copom divulgado no começo da noite sinalizou que os juros devem se manter no atual patamar na próxima reunião, marcada para 18 de março.

Na visão da diretoria, alguns fatores colaboram para essa cautela maior na hora de decidir por novas quedas na Selic. O principal deles são os efeitos defasados da sequência de cortes de juros.

É que, na prática, a economia não costuma responder de imediato aos estímulos do Copom, e os resultados do atual ciclo só começaram a ser percebidos nos últimos meses. Diante disso, os diretores sinalizaram que "o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária". Mais ainda, disseram que um novo período de redução dos juros dependerá da evolução da economia como um todo.

Aos números

Em termos de indicadores econômicos, o Copom também fez algumas ponderações em relação aos números do Boletim Focus, pesquisa divulgada semanalmente e que aponta a visão dos analistas de mercado para a economia.

Para a inflação, principal instrumento de decisão sobre os rumos da Selic, o Comitê sinaliza que atualmente as diversas medidas estão de acordo com as metas estabelecidas pelo governo.

Mas o comunicado da diretoria também não deixou de pontuar alguns riscos inflacionários. Puxando os preços para baixo estão a ociosidade persistente da economia brasileira. Já na pressão por alta, a inflação conta com os recentes estímulos monetários do Copom, cujos efeitos dos cortes nos juros ainda não podem ser completamente sentidos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

de olho nas prévias

Carrefour Brasil tem alta 72,5% no e-commerce durante terceiro trimestre

No e-commerce alimentar a alta foi de 202,4%, incluindo o serviço de entrega rápidas. As vendas de não alimentares também continuaram crescendo, com alta de 69,1%

negócio fechado

Petrobras assina compromisso de compra da plataforma P-71 por US$ 353 milhões

Petrolífera fala que, por conta da nova alocação da P-71, a licitação de afretamento da plataforma que atenderia ao projeto de Itapu será cancelada

retomada

Financiamentos imobiliários somam recorde histórico de R$ 12,9 bilhões

Volume financiado é recorde, em termos nominais, na série histórica iniciada em julho de 1994, segundo a Abecip

cardápio de balanços

Cielo, Localiza, Smiles e Telefônica: os balanços que mexem com o mercado nesta quarta

Empresas estão entre as que mais recentemente divulgaram os números do terceiro trimestre, período com resultados ainda marcados pela pandemia

seu dinheiro na sua noite

A peleja da bolsa com a crise fiscal

Com tanto dinheiro girando no mundo, quem tem pede muito quem não tem pede mais. Os versos de Zé Ramalho não poderiam resumir melhor a encruzilhada na qual vive o mundo econômico em meio à crise do coronavírus. Quem tem pede muito. Nos Estados Unidos, a falta de um acordo para a aprovação de um […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies