Menu
2020-01-26T14:31:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
O IMPACTO DO VÍRUS

Como o coronavírus pode impactar a economia chinesa

“Agora, crescem as preocupações de que as proibições de viagens em vigor começarão a ter um grande impacto na economia, com alguns falando em queda de um ponto percentual ou mais para o PIB chinês no primeiro trimestre de 2020”, escreveu Edward Moya, analista de mercado sênior da Oanda

26 de janeiro de 2020
14:31
china
Imagem: Shutterstock

O surto de coronavírus assustou os mercados financeiros na semana passada. Uma das preocupações é ele se propague de forma semelhante ao SARS, um vírus altamente contagioso que causou pânico global em 2003. Com origem na China, o surto de SARS infectou mais de 8.000 pessoas e matou 774, além do que afetou a economia chinesa. As informações da CNN Business.

Segundo o site, naquela ocasião, o PIB da China caiu de um trimestre para outro, com o país enfrentando uma queda acentuada nas viagens e uma expansão mais lenta das vendas no varejo. Ainda assim, a economia do país conseguiu crescer mais de 10% em 2003, segundo o Banco Mundial, um crescimento um pouco mais rápido do que o visto no ano anterior.

"Agora, crescem as preocupações de que as proibições de viagens em vigor começarão a ter um grande impacto na economia, com alguns especialistas falando em queda de um ponto percentual ou mais para o PIB chinês no primeiro trimestre de 2020", escreveu Edward Moya, analista de mercado sênior da Oanda, líder em dados cambiais e negociação forex.

Outro ponto que preocupa os mercados é que ele não poderia ter ocorrido em pior momento para a segunda maior economia do mundo, que ainda enfrenta o impacto da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Mas o surto também pode prejudicar outras economias do globo. Isso porque se a economia da China crescer a um ritmo mais lento do que o esperado, os países europeus que dependem de exportações também poderão ser afetados.

O novo coronavírus e as bolsas

Ao longo da semana, o noticiário referente ao novo tipo de coronavírus trouxe volatilidade às negociações, mexendo com o Ibovespa e as demais bolsas do mundo.

A tensão com o novo vírus freou os ganhos. O Ibovespa, por exemplo, fechou em queda de 0,96% na última sexta-feira (24), aos 118.376,36 pontos. Com isso, o principal índice da bolsa brasileira terminou a semana com uma leve baixa acumulada de 0,09% — praticamente no zero a zero. No mês, a alta é de 2,36%.

Nos Estados Unidos, o desempenho semanal foi um pouco pior, mas nada que inspire pânico: o Dow Jones caiu 1,22% desde segunda-feira, o S&P 500 recuou 1,02% e o Nasdaq teve perda de 0,79%.

O mercado de câmbio, por sua vez, fechou em alta. Ontem (24), o dólar à vista subiu 0,43%, a R$ 4,1845, terminando a semana com um ganho de 0,48%. A moeda americana está pressionada, mas ainda possui alguma folga em relação às máximas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

ESTRADA DO FUTURO

A equação do e-commerce: onde estamos investindo quando o assunto é varejo

O varejo é grande demais para exista um tipo de “vencedor leva tudo”. Na geração de demanda é a mesma coisa. Todos estão crescendo como derivada de uma tendência maior, que é o desenvolvimento do e-commerce

CRIPTOMOEDA

Bitcoin ultrapassa US$ 60 mil antes de abertura de capital da Coinbase Global

Criptomoeda teve alta de 4,87%, a quatro dias de IPO da maior corretora de moedas digitais dos EUA

pandemia

Mortes por Covid-19 cresceram 468% no Brasil entre janeiro e março, alerta Fiocruz

Para os novos casos, o aumento foi de 701%; Sul e Centro-Oeste tendem a cenário mais crítico nas próximas semanas.

IPCA DE MARÇO

Inflação vai a 0,93% e mercado vê risco de estourar meta

Taxa acumulada passou a 6,10% no mês passado, reforçando temor de que inflação oficial termine o ano acima do teto da meta, de 5,25%.

congresso X executivo

Orçamento tem guerra de pareceres

Câmara e Senado se armaram com notas técnicas para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro pode sancionar o Orçamento sem vetos a emendas; Ministério da Economia já prepara próprio embasamento jurídico.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies