Menu
2020-01-26T14:31:29-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
O IMPACTO DO VÍRUS

Como o coronavírus pode impactar a economia chinesa

“Agora, crescem as preocupações de que as proibições de viagens em vigor começarão a ter um grande impacto na economia, com alguns falando em queda de um ponto percentual ou mais para o PIB chinês no primeiro trimestre de 2020”, escreveu Edward Moya, analista de mercado sênior da Oanda

26 de janeiro de 2020
14:31
china
Imagem: Shutterstock

O surto de coronavírus assustou os mercados financeiros na semana passada. Uma das preocupações é ele se propague de forma semelhante ao SARS, um vírus altamente contagioso que causou pânico global em 2003. Com origem na China, o surto de SARS infectou mais de 8.000 pessoas e matou 774, além do que afetou a economia chinesa. As informações da CNN Business.

Segundo o site, naquela ocasião, o PIB da China caiu de um trimestre para outro, com o país enfrentando uma queda acentuada nas viagens e uma expansão mais lenta das vendas no varejo. Ainda assim, a economia do país conseguiu crescer mais de 10% em 2003, segundo o Banco Mundial, um crescimento um pouco mais rápido do que o visto no ano anterior.

"Agora, crescem as preocupações de que as proibições de viagens em vigor começarão a ter um grande impacto na economia, com alguns especialistas falando em queda de um ponto percentual ou mais para o PIB chinês no primeiro trimestre de 2020", escreveu Edward Moya, analista de mercado sênior da Oanda, líder em dados cambiais e negociação forex.

Outro ponto que preocupa os mercados é que ele não poderia ter ocorrido em pior momento para a segunda maior economia do mundo, que ainda enfrenta o impacto da guerra comercial entre Estados Unidos e China.

Mas o surto também pode prejudicar outras economias do globo. Isso porque se a economia da China crescer a um ritmo mais lento do que o esperado, os países europeus que dependem de exportações também poderão ser afetados.

O novo coronavírus e as bolsas

Ao longo da semana, o noticiário referente ao novo tipo de coronavírus trouxe volatilidade às negociações, mexendo com o Ibovespa e as demais bolsas do mundo.

A tensão com o novo vírus freou os ganhos. O Ibovespa, por exemplo, fechou em queda de 0,96% na última sexta-feira (24), aos 118.376,36 pontos. Com isso, o principal índice da bolsa brasileira terminou a semana com uma leve baixa acumulada de 0,09% — praticamente no zero a zero. No mês, a alta é de 2,36%.

Nos Estados Unidos, o desempenho semanal foi um pouco pior, mas nada que inspire pânico: o Dow Jones caiu 1,22% desde segunda-feira, o S&P 500 recuou 1,02% e o Nasdaq teve perda de 0,79%.

O mercado de câmbio, por sua vez, fechou em alta. Ontem (24), o dólar à vista subiu 0,43%, a R$ 4,1845, terminando a semana com um ganho de 0,48%. A moeda americana está pressionada, mas ainda possui alguma folga em relação às máximas.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements