Menu
2020-04-05T09:59:09-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa e UBS Escola de Negócios. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência CMA, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico.
O BC e o coronavírus

Preferimos ter um lado fiscal um pouco pior para que as pessoas possam honrar seus contratos, diz Campos Neto

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou que a instituição se preocupa em dar condições às empresas cumprirem suas obrigações financeiras, evitando um movimento de quebra massiva de contratos

4 de abril de 2020
21:21 - atualizado às 9:59
Roberto Campos Neto
O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência pública na Comissão Mista de Orçamento da Câmara dos Deputados. - Imagem: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse hoje que um cenário de quebra generalizada de contratos por falta de liquidez seria bastante negativo para a economia como um todo — e, para evitar tal situação, a instituição vai usar as ferramentas que lhe cabem.

"Nós preferimos ter até um fiscal um pouco pior para colocar dinheiro na mão das pessoas, para que elas possam honrar os contratos", disse Campos Neto, durante teleconferência promovida pela XP Investimentos. "Se nós entrarmos em um regime de quebra de contratos, vai ser muito danoso para a economia brasileira no médio e no longo prazo".

Durante o evento, o presidente do BC destacou as principais iniciativas que já foram colocadas em prática pela autoridade monetária brasileira e elencou alguns dos próximos pontos a serem atacados pela instituição, destacando sempre a gravidade da crise do coronavírus — que, segundo ele, tem um impacto global maior e mais incerto que a de 2008.

Logo no início de sua apresentação, Campos Neto mostrou um levantamento produzido pela The Economist Intelligence Unit destacando impacto econômico do surto de coronavírus em cada país. E, de acordo com o levantamento, o PIB do Brasil irá recuar 5,5% em 2020:

Dados usados pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, durante teleconferência promovida pela XP Investimentos

"Independente de a estimativa (da The Economist) estar correta ou não, fato é que o Brasil vai ter um impacto forte", disse Campos Neto, sem revelar qualquer tipo de projeção oficial do BC.

Entre as medidas já adotadas, o presidente do BC citou a redução da alíquota do recolhimento compulsório sobre recursos a prazo, de 31% para 25% — iniciativa que, em conjunto com outras diretrizes, liberará cerca de R$ 1,2 trilhão em liquidez ao sistema financeiro.

Ao falar especificamente sobre a linha de crédito especial de R$ 40 bilhões para pequenas e médias empresas (PMEs), Campos Neto voltou a ressaltar que a medida tem como objetivo a preservação de empregos, dada a característica desse tipo de companhia.

Segundo ele, as PMEs são altamente concentradas no setor de serviços, que sofre em especial com as medidas de distanciamento social. "É uma medida que irriga essas empresas", disse o presidente do BC, afirmando que uma fatia relevante do custo operacional dessas empresas diz respeito à folha de pagamento.

Quanto às iniciativas em elaboração, Campos Neto afirmou que o BC já está trabalhando para direcionar novos créditos às PMEs, e que a autarquia está se esforçando para conseguir liberar mais recursos já na próxima semana.

Dados apresentados pelo presidente do BC, Roberto Campos Neto, durante teleconferência promovida pela XP Investimentos

Olhando adiante

Questionado a respeito dos próximos passos do BC em relação à taxa Selic, Campos Neto afirmou que a estratégia de comunicação adotada pelo banco tem sido consistente, sempre levando em conta os eixos da condução das reformas econômicas, das variáveis internacionais e dos fatores domésticos.

Dentro desses eixos, ele destacou que a expectativa de aprovação das reformas pode ter sido adiada. Quanto aos acontecimentos globais e o surto de coronavírus, ele ponderou que o equilíbrio fiscal pode piorar antes de melhorar.

"É importante comunicar que o trem vai sair do trilho, mas nossa tarefa é explica como o trem volta aos trilhos lá na frente", disse.

Campos Neto não deu qualquer sinalização mais concreta a respeito da condução da política monetária, mas ressaltou que é preciso ter cuidado ao comparar a atuação do BC brasileiro com a de outras autoridades mundiais, uma vez que as situações econômicas e fiscais nem sempre são semelhantes.

Ele citou especificamente os casos de países com taxa de juros próxima a zero, mas que são receptores de capital — ou seja, funcionam como 'portos seguros' dos investidores que retiram seus recursos de ativos de risco e, assim, não servem como comparação.

Segundo o presidente do BC, os movimentos na Selic são feitos de modo a serem permeados pela curva de juros futuros. "Sempre que cai o juros, é para fazer com que as condições de liquidez se ampliem".

Data para normalização?

Campos Neto também evitou dar alguma data específica a partir da qual a economia deva começar a retornar à normalidade. Por mais que ele concorde que a ausência de um prazo seja ruim para os empresários, ele lembra que os países que fizeram isso precisaram prorrogar o cronograma.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

ajuste tarifário

Arsesp reduz em 12,1% tarifas de gás natural para clientes industriais da Comgás

O principal fator que provocou a queda das tarifas de gás foi a diminuição dos custos da molécula e do transporte, atrelados ao preço do petróleo e à variação da taxa de câmbio

seu dinheiro na sua noite

O Brasil visto da Antártida

Por esses dias, talvez você tenha lido por aí que cientistas de um projeto financiado pela NASA teriam descoberto indícios de um universo paralelo na Antártida onde o tempo passaria ao contrário. Apesar de ser um ótimo título “caça-clique”, infelizmente (ou felizmente) não é bem isso. Não ousarei entrar em detalhes aqui sobre a física […]

Politica monetária

BC só considera “imprimir dinheiro” se esgotar ferramentas contra a crise

Roberto Campos Neto disse só pretende abrir “caixa de ferramentas” do Banco Central quando não puder atuar mais via corte da taxa básica de juros (Selic)

Presidente da Câmara

Projeto de lei das fake news pode cumprir papel muito importante, diz Maia

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) defendeu, nesta quinta-feira, 28, a tramitação célere do projeto de lei das fake news no Congresso, que, na visão dele, pode “cumprir um papel muito importante” para o País

Tensão em Brasília

Mourão diz que golpe está ‘fora de cogitação’, mas reconhece ‘estresse’

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, afirmou que uma eventual ruptura democrática está “fora de cogitação” e que “não existe espaço no mundo para ações dessa natureza”

Habilitação de maquininhas

Uso do auxílio em maquininhas começa com Cielo e GetNet; Rede é no dia 8

A Cielo informou que habilitou 1,5 milhão de maquininhas em todo o Brasil para aceitarem pagamentos dos beneficiários do auxílio emergencial

Devolvendo os ganhos

Risco político volta a aumentar e faz o dólar subir quase 2%; Ibovespa fecha em queda

O dólar à vista saltou mais de 10 centavos em relação ao fechamento de ontem, pressionado pelas tensões entre governo e STF. O Ibovespa caiu mais de 1% hoje, mas ainda acumula ganhos de 8% desde o começo de maio

Taxa de participação em queda

Desemprego seria de 16% com procura por vagas nos níveis de fevereiro, diz Itaú

Medidas de quarentena diminuíram nível de procura por trabalho e aumento do desemprego foi menor que o esperado, diz o banco

Socorro emergencial

Beneficiários do auxílio emergencial já podem usá-lo em maquininhas, diz Caixa

A Caixa Econômica Federal anunciou que os beneficiários do auxílio emergencial já podem utilizar os recursos em pagamentos de compras em maquininhas de cartão a partir desta quinta-feira

Renovação de concessão

Agronegócio prevê aumento de até 74% no transporte de grãos pela malha paulista

A renovação antecipada da concessão da malha paulista deve ajudar o agronegócio a movimentar mais grãos por ferrovia a partir de Mato Grosso

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements