Menu
2020-02-08T12:26:48-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Política monetária

Brasil leva “medalha de prata” em corte de juros

País se tornou o segundo país que mais cortou os juros básicos em um ano após a redução da Selic para 4,25% ao ano pelo Banco Central

8 de fevereiro de 2020
12:26
Medalhas de primeiro, segundo e terceiro lugar
Imagem: kovop58/Shutterstock

Após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de baixar a taxa Selic em 0,25 ponto porcentual, levando-a para o piso histórico de 4,25%, na última quarta-feira, o Brasil, em uma lista de 15 países, tornou-se o segundo que mais cortou os juros básicos em um ano.

O País fica atrás apenas da Turquia, que reduziu sua taxa básica de juros em 12,75 pontos porcentuais no mesmo intervalo. O levantamento foi feito pelo fundador e CEO da Capital Advisors, Charlie Bilello.

Entre os países listados, a mais recente decisão de política monetária foi a do BC russo, anunciada na manhã de ontem, pelo horário de Brasília. Citando incertezas que podem afetar a economia global, como o coronavírus, a instituição reduziu sua taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual, levando-a para 6,00% ao ano.

A decisão vem após cinco relaxamentos consecutivos ao longo de 2019. "Vemos espaço para novos cortes", diz Dmitry Dolgin, economista-chefe do ING: "Enquanto isso, os dois principais fatores de incerteza, incluindo o surto de coronavírus, permanecem."

A liderança da lista de baixas, porém, é da Turquia. Em apenas um ano, o BC local totalizou 12,75 pontos porcentuais em cortes de juros, o último em 16 de janeiro.

Logo em seguida vem o Brasil, que no período de 12 meses levou sua taxa básica de juros, a Selic, de 6,50% para 4,25%, na última quarta-feira. O Copom sinalizou o fim do ciclo de redução dos juros, mesmo diante da nuvem de incertezas em relação à economia global.

"Apesar da explicitação de interrupção do afrouxamento, a comunicação do BC é a de que os próximos passos continuarão dependentes dos dados. Se houver grande frustração com a atividade, mudança relevante na economia global (por exemplo, por conta do coronavírus) ou forte descompressão da inflação, o Copom poderá voltar a reduzir a Selic", destaca o Bradesco, em nota.

Entre outras autoridades monetárias importantes do planeta, o Fed ( banco central americano) ocupa a oitava posição, com 0,75 ponto porcentual em três cortes ao longo de um ano. O mais recente encontro de dirigentes do Fed resultou em manutenção dos juros.

Ontem, o Fed divulgou relatório no qual diz que os possíveis efeitos secundários gerados pelo surto de coronavírus na China representam um novo risco à perspectiva econômica.

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

olho no datafolha

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Em busca de soluções

Governo Federal é o único que pode emitir dívida e moeda, diz Maia

Sobre o trabalho do Parlamento, Maia disse que as Medidas Provisórias começarão a ser votadas “uma a uma” na próxima semana

A mesa virou?

Sistema bancário dos EUA pode ter problema por excesso de liquidez

Com acesso ao dinheiro, empresas estão guardando os recursos em poupanças, o que, juntamente com a liquidação de ativos de risco, inunda os bancos com liquidez

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

covid-19 no radar

‘Esse é o momento de sobreviver à crise’, diz presidente do Itaú Unibanco

Segundo Candido Bracher, o mundo tem dificuldades para lidar com a crise por sua origem em um fator de saúde pública – e não no mercado financeiro, como ocorreu em 2008

diante do coronavírus

Opep+ vislumbra corte de produção de 10 milhões bpd, incluindo EUA e Brasil

Mais cedo, fontes afirmaram que a Opep+ planeja uma teleconferência na segunda-feira (06) para debater um eventual corte

efeitos da crise

PMI composto cai a 37,6 pontos em março, menor nível da série histórica

Quando acima dos cinquenta pontos, o indicador mostra melhora nas perspectivas de empresas na comparação com o mês anterior

novos ataques

‘Miséria, fome e violência’, diz Bolsonaro sobre eventual desemprego na crise

Presidente disse que “a sociedade não aguenta ficar dois, três meses parada” e que “vai quebrar tudo”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements