🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Diretor de redação do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA, trabalhou nas principais publicações de economia do país, como Valor Econômico, Agência Estado e Gazeta Mercantil. É autor dos romances O Roteirista, Abandonado e Os Jogadores
Politica monetária

BC só considera “imprimir dinheiro” se esgotar ferramentas contra a crise

Roberto Campos Neto disse só pretende abrir “caixa de ferramentas” do Banco Central quando não puder atuar mais via corte da taxa básica de juros (Selic)

Roberto Campos Neto
André Esteves e Roberto Campos Neto - Imagem: Reprodução YouTube

O Banco Central pode tomar medidas menos ortodoxas para conter os efeitos da crise do coronavírus como “imprimir dinheiro”? A resposta é não, pelo menos enquanto não se esgotar a possibilidade de atuação via cortes na taxa básica de juros (Selic).

A afirmação é do presidente do BC, Roberto Campos Neto. “A política monetária não está esgotada. Essa é a ferramenta mais importante”, ele disse hoje à noite, ao participar de uma transmissão na internet ao lado do banqueiro André Esteves, do BTG Pactual.

O BC cortou a Selic em 0,75 ponto percentual na última reunião do Copom, para 3% ao ano. Além disso, sinalizou uma nova redução de até 0,75 ponto no próximo encontro.

Mas a Selic pode cair ainda mais depois disso? Campos Neto deu poucas pistas, mas repetiu que os diretores do BC veem a existência de um limite efetivo mínimo (lower bound) para os juros no país.

Ou seja, abaixo de um determinado patamar um corte na taxa pode ter um efeito contrário para a economia. Qual é esse patamar? Campos Neto disse que a resposta depende de uma série de variáveis, como a situação fiscal e política.

Campos Neto disse que o Banco Central só pretende abrir a “caixa de ferramentas” e adotar outros instrumentos contra a crise em uma situação limite em que não puder mais atuar via política monetária.

Nesse eventual cenário de uma piora muito acentuada da crise, Campos Neto afirmou que o BC avaliou a relação custo-benefício de uma série de medidas. Ele deu a entender, contudo, que dificilmente vai "monetizar" a economia.

Alcoólatra em degustação de vinho

Esteves perguntou então ao presidente do BC se adorar uma medida de emitir dinheiro para estimular a economia não seria o equivalente a levar um ex-alcoólatra a uma “degustação de vinho” – em uma referência ao histórico inflacionário do Brasil.

“Nós entendemos que essa é uma variável perigosa porque você vai voltar para o 'wine tasting' [degustação] e vai ficar bêbado de novo”, respondeu Campos Neto.

Para o presidente do BC, esse tipo de instrumento é confortável porque tem gasto a custo presente zero, mas impõe um ônus de credibilidade para as futuras gerações. “Nem é justo para nós decidirmos ou ter direito de usar sem ter certeza de que todo o resto foi exaurido.”

Novas medidas

Campos Neto afirmou ainda que o BC vai anunciar novas medidas de estímulo ao crédito, mas não antecipou quais. Do total de R$ 1,2 trilhão do "arsenal" liberado, até o momento foram usados R$ 260 bilhões

O presidente do BC disse que é um "mito" a percepção de que os bancos estão empoçando a liquidez e não estão liberando o crédito. De todo modo, a autoridade monetária pretende "aperfeiçoar" as ações adotadas de modo a direcionar melhor os recursos, segundo Campos Neto.

Assista à íntegra da transmissão abaixo:

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies