Menu
2020-02-03T07:24:59-03:00
após o feriado

BC da China corta juro de operação de recompra reversa para estimular crescimento

PBoC cortou as taxas de juros de operações de repos reversas com prazo de sete e 14 dias em 10 pontos-base, para 2,4% e 2,55%, respectivamente

3 de fevereiro de 2020
7:23 - atualizado às 7:24
China
Imagem: Shutterstock

O Banco Popular da China (PBoC, o banco central do país) baixou as taxas de juros de operações de recompra (repo) reversa ao mesmo tempo em que injetou um grande volume de liquidez no sistema bancário em uma tentativa de prover apoio a uma economia sofrendo com o surto do coronavírus.

O PBoC cortou as taxas de juros de operações de repos reversas com prazo de sete e 14 dias em 10 pontos-base, para 2,4% e 2,55%, respectivamente. O BC chinês também injetou 1,2 trilhão de yuans por meio desse mesmo tipo de operação no sistema financeiro.

O corte inesperado veio após um feriado estendido de ano-novo lunar em meio à rápida propagação de um vírus fatal que emergiu da China central. O surto pesou sobre o sentimento dos consumidores, a produção industrial e outros setores da economia. As ações chinesas despencaram bruscamente nesta segunda-feira, o primeiro dia de negócios após o feriado estendido.

Nos últimos dias, economistas revisaram para baixo suas projeções para o crescimento econômico da China e esperam que Pequim adote medidas mais agressivas para estimular o crescimento doméstico.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

bolso afetado

Para 50%, coronavírus causou impacto na situação financeira pessoal, diz pesquisa

Proporção de pessoas que considera que suas dívidas vão aumentar ou aumentar muito disparou de 25% para 45%

fatia maior para o motorista

Senado eleva rendimento de motorista de aplicativo até outubro

Alteração obriga empresas como Uber, Cabify e 99 a reduzirem em ao menos 15% o valor retido nas corridas

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

Reprovação aumenta

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Em busca de soluções

Governo Federal é o único que pode emitir dívida e moeda, diz Maia

Sobre o trabalho do Parlamento, Maia disse que as Medidas Provisórias começarão a ser votadas “uma a uma” na próxima semana

A mesa virou?

Sistema bancário dos EUA pode ter problema por excesso de liquidez

Com acesso ao dinheiro, empresas estão guardando os recursos em poupanças, o que, juntamente com a liquidação de ativos de risco, inunda os bancos com liquidez

Reflexos da crise

Empresas alegam ‘força maior’ e já pedem revisão de contratos na Justiça

Com a alegação de “força maior” ou “evento fortuito” – por conta do coronavírus -, o meio jurídico teme que os contratos sejam suspensos em um efeito dominó, com distorções em toda economia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements