Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-03-10T09:40:06-03:00
CAÇADOR DE ASSIMETRIAS

Uma nova crise do petróleo? Veja como agir e onde investir

Venho trazendo a necessidade de alocação em ativos protetivos, como ouro e dólar. A ideia era que esta parcela do portfólio não ultrapassasse 15% do total. Mas minha percepção mudou

10 de março de 2020
7:18 - atualizado às 9:40
Tanques de petróleo
Imagem: Shutterstock

Em resposta ao envolvimento dos EUA à Guerra do Yom Kippur, fornecendo armas para Israel se defender da campanha militar lançada pela Síria e pelo Egito, a OPAEP (Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo) anunciou, em 1973, o embargo do petróleo contra os americanos e diversos de seus pares, como o Canadá e o Reino Unido.

Estavam lançadas as bases para o que ficou conhecido como o primeiro choque do petróleo.

Os preços avançaram, à época, de US$ 3 por barril para US$ 12. A pressão global foi sentida de imediato, com consequências de longo prazo marcantes. O efeito dominó proporcionado pelo evento descrito acima com certa brevidade norteou boa parte da política econômica da década de 70 e da próxima.

Hoje, quase 50 anos depois, nos deparamos com mais um imbróglio global pautado pelo preço do sangue negro.

Não é de se surpreender.

Afinal, se trata de um dos principais preços do mundo. As melhores cabeças do mercado financeiro acompanham minuto a minuto os desdobramentos de intrigas envolvendo o petróleo e, paralelamente, traçam diferentes cenários com uma frequência absurda.

A conjuntura atual, contudo, proporcionou um estresse a mais. 

Devido ao coronavírus, já partíamos de uma situação global delicada, com demanda agregada retraída, comprometendo o consumo. 

Veja bem, temos restrições de circulação, interrupção de eventos de massa, paralisações de fábricas e etc. Tudo isso tem um efeito cascata para a atividade econômica.

A fragilidade vigente somou-se à quebra das cadeias produtivas, interrompidas ao redor do mundo.

Agora, para melhorar ainda mais a situação, temos um choque de oferta, com impactos tenebrosos no preço. 

Com a queda do fim de semana, o preço do barril de petróleo Brent já acumula baixa da ordem de 50% em 2020, negociando ao redor dos 35 reais. 

O Goldman Sachs reduziu a sua projeção de preço para o Brent ao patamar dos US$ 30 por barril até o terceiro trimestre do ano, considerando ainda a possibilidade de queda adicional rumo aos US$ 20.

O estresse é preocupante?

Adianto: sim. 

É, bastante.

Não quero também causar alarde ao leitor mais ansioso. Vale lembrar que ainda estou otimista com o Brasil e tenho separado boas assimetrias, no meu entendimento, que deram oportunidade de compra com a queda recente dos ativos de risco.

Desejo, contudo, deixar claro que hoje existe sobre a mesa um risco de cauda antes inexistente: a chance de uma mini crise de crédito nos EUA.

Por mais que seja possível argumentar que um petróleo barato pudesse ser benéfico para a economia mundial, uma vez que consumidores e empresas estariam expostos a custos menores, dificilmente um impacto súbito de tamanha amplitude será bem recebido pelos mercados.

Resultado? Bolsa brasileira cai mais de de 10% e ativa seu “circuit breaker”. 

Bolsa globais fazem da mesma forma, caindo grotescamente algo como 7% ou mais.

Desde o início do atual bull market brasileiro, convivemos com várias momentos pontuais de maior estresse. Faz parte do jogo. O importante aqui é controlar o emocional e se disciplinar perante sua própria alocação global. 

O fator comportamental é um dos atributos de maior valor para o investidor de sucesso no longo prazo. 

Notadamente, não acredito que nosso bull market esteja fadado ao fim. Entretanto, como disse, há um elemento novo na conta: com a queda dos preços do petróleo, num momento de prévia fraqueza da economia global (coronavírus), nasce um risco de uma mini crise de crédito.

Isso se liga à problemática relacionada com toda a cadeia adjacente ou paralela ao petróleo, em particular às empresas mais alavancadas, com severa evolução da chance de defaults.

Não acredito que estejamos diante uma outra crise do sub-prime, mas também não podemos minimizar a probabilidade uma consequente pequena recessão.

O que fazer diante dessa nova dinâmica imposta?

Com isso, como a matriz de risco e retorno se alterou, precisamos também alterar nossa alocação patrimonial. 

Desde que me concederam um espaço semanal por aqui, venho trazendo a necessidade de alocação em ativos protetivos, como ouro e dólar. Contudo, a ideia era que esta parcela do portfólio não ultrapassasse 15% do total.

Tal percepção mudou.

Agora, nós aqui da Empiricus entendemos que seja pertinente um aumento nessa posição, para algo em torno de 30% do portfólio. Metade para ouro (de preferência dolarizado) e a outra metade para moeda forte, no caso dólar - sim, ainda existe espaço para depreciação adicional do real.

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Ontem, fizemos diversas mudanças na Carteira Empiricus, muito no sentido de proteger os portfólios para os tempos mais turbulentos atuais.Quem acompanha a carteira do Felipe Miranda, Estrategista-Chefe da Empiricus, tem conseguido se proteger muito bem diante das subsequentes quedas da Bolsa brasileira. Convido-os a verificar o nosso conteúdo, pois tenho certeza de que não irá se arrepender.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

TECNOLOGIA

Xiaomi supera Apple em venda de celulares

O levantamento também mostra que a Samsung voltou ser a líder global de vendas de smartphones, após perder a liderança do mercado para a também chinesa Huawei, que ficou no topo por um único trimestre.

BOMBOU NO SEU DINHEIRO

Melhores da Semana: O Halloween dos mercados

A segunda onda de coronavírus é um ‘fantasma’ que ronda os mercados desde o início do ano. Muita gente não acreditou. Nesta semana, ele mostrou as caras.

POLÍTICA

Bolsonaro grava para campanhas e aposta em 2º turno em RJ e SP

Presidente busca apoiar aliados para tentar formar base nos grandes colégios eleitorais para sua campanha de reeleição em 2022

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies