Menu
Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-03-10T09:40:06-03:00
CAÇADOR DE ASSIMETRIAS

Uma nova crise do petróleo? Veja como agir e onde investir

Venho trazendo a necessidade de alocação em ativos protetivos, como ouro e dólar. A ideia era que esta parcela do portfólio não ultrapassasse 15% do total. Mas minha percepção mudou

10 de março de 2020
7:18 - atualizado às 9:40
Tanques de petróleo
Imagem: Shutterstock

Em resposta ao envolvimento dos EUA à Guerra do Yom Kippur, fornecendo armas para Israel se defender da campanha militar lançada pela Síria e pelo Egito, a OPAEP (Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo) anunciou, em 1973, o embargo do petróleo contra os americanos e diversos de seus pares, como o Canadá e o Reino Unido.

Estavam lançadas as bases para o que ficou conhecido como o primeiro choque do petróleo.

Os preços avançaram, à época, de US$ 3 por barril para US$ 12. A pressão global foi sentida de imediato, com consequências de longo prazo marcantes. O efeito dominó proporcionado pelo evento descrito acima com certa brevidade norteou boa parte da política econômica da década de 70 e da próxima.

Hoje, quase 50 anos depois, nos deparamos com mais um imbróglio global pautado pelo preço do sangue negro.

Não é de se surpreender.

Afinal, se trata de um dos principais preços do mundo. As melhores cabeças do mercado financeiro acompanham minuto a minuto os desdobramentos de intrigas envolvendo o petróleo e, paralelamente, traçam diferentes cenários com uma frequência absurda.

A conjuntura atual, contudo, proporcionou um estresse a mais. 

Devido ao coronavírus, já partíamos de uma situação global delicada, com demanda agregada retraída, comprometendo o consumo. 

Veja bem, temos restrições de circulação, interrupção de eventos de massa, paralisações de fábricas e etc. Tudo isso tem um efeito cascata para a atividade econômica.

A fragilidade vigente somou-se à quebra das cadeias produtivas, interrompidas ao redor do mundo.

Agora, para melhorar ainda mais a situação, temos um choque de oferta, com impactos tenebrosos no preço. 

Com a queda do fim de semana, o preço do barril de petróleo Brent já acumula baixa da ordem de 50% em 2020, negociando ao redor dos 35 reais. 

O Goldman Sachs reduziu a sua projeção de preço para o Brent ao patamar dos US$ 30 por barril até o terceiro trimestre do ano, considerando ainda a possibilidade de queda adicional rumo aos US$ 20.

O estresse é preocupante?

Adianto: sim. 

É, bastante.

Não quero também causar alarde ao leitor mais ansioso. Vale lembrar que ainda estou otimista com o Brasil e tenho separado boas assimetrias, no meu entendimento, que deram oportunidade de compra com a queda recente dos ativos de risco.

Desejo, contudo, deixar claro que hoje existe sobre a mesa um risco de cauda antes inexistente: a chance de uma mini crise de crédito nos EUA.

Por mais que seja possível argumentar que um petróleo barato pudesse ser benéfico para a economia mundial, uma vez que consumidores e empresas estariam expostos a custos menores, dificilmente um impacto súbito de tamanha amplitude será bem recebido pelos mercados.

Resultado? Bolsa brasileira cai mais de de 10% e ativa seu “circuit breaker”. 

Bolsa globais fazem da mesma forma, caindo grotescamente algo como 7% ou mais.

Desde o início do atual bull market brasileiro, convivemos com várias momentos pontuais de maior estresse. Faz parte do jogo. O importante aqui é controlar o emocional e se disciplinar perante sua própria alocação global. 

O fator comportamental é um dos atributos de maior valor para o investidor de sucesso no longo prazo. 

Notadamente, não acredito que nosso bull market esteja fadado ao fim. Entretanto, como disse, há um elemento novo na conta: com a queda dos preços do petróleo, num momento de prévia fraqueza da economia global (coronavírus), nasce um risco de uma mini crise de crédito.

Isso se liga à problemática relacionada com toda a cadeia adjacente ou paralela ao petróleo, em particular às empresas mais alavancadas, com severa evolução da chance de defaults.

Não acredito que estejamos diante uma outra crise do sub-prime, mas também não podemos minimizar a probabilidade uma consequente pequena recessão.

O que fazer diante dessa nova dinâmica imposta?

Com isso, como a matriz de risco e retorno se alterou, precisamos também alterar nossa alocação patrimonial. 

Desde que me concederam um espaço semanal por aqui, venho trazendo a necessidade de alocação em ativos protetivos, como ouro e dólar. Contudo, a ideia era que esta parcela do portfólio não ultrapassasse 15% do total.

Tal percepção mudou.

Agora, nós aqui da Empiricus entendemos que seja pertinente um aumento nessa posição, para algo em torno de 30% do portfólio. Metade para ouro (de preferência dolarizado) e a outra metade para moeda forte, no caso dólar - sim, ainda existe espaço para depreciação adicional do real.

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Ontem, fizemos diversas mudanças na Carteira Empiricus, muito no sentido de proteger os portfólios para os tempos mais turbulentos atuais.Quem acompanha a carteira do Felipe Miranda, Estrategista-Chefe da Empiricus, tem conseguido se proteger muito bem diante das subsequentes quedas da Bolsa brasileira. Convido-os a verificar o nosso conteúdo, pois tenho certeza de que não irá se arrepender.

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

na b3

GetNinjas estreia em queda na bolsa, após IPO com ação abaixo do previsto

Empresa levantou R$ 550 milhões na oferta inicial de ações, com desconto de quase 20% do valor do papel em relação ao preço mínimo da faixa

Diversificando

BTG Pactual lança fundo de investimento 100% em bitcoin

O lançamento vem em linha com a diversificação de ativos oferecidos pelo banco

Exile on Wall Street

Um investidor conservador sabe que uma boa ação tem seus defeitos

“Sou reacionário. Minha reação é contra tudo que não presta.” Se o sábado é uma ilusão, a segunda-feira deve ser a mais dura e fria realidade. Começamos a semana com Nelson Rodrigues. O conservador é um cético na capacidade de grandes revoluções oferecerem um futuro não testado que seja superior ao que sobreviveu ao teste […]

Efeito covid

Monitor do PIB aponta queda de 2,1% em março ante fevereiro, diz FGV

Na comparação com março de 2020, a atividade econômica teve avanço de 5,2%, e no primeiro trimestre, a expansão foi de 1,7%

destaques do varejo

Magazine Luiza, Grupo Soma e Mateus brilham entre os balanços das varejistas no trimestre

Aumento de receita, melhora operacional e avanço das vendas online foram alguns dos tópicos levantados por analistas; veja os destaques

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies