🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Mercado em 5 Minutos: Um respiro para a atividade global

Investidores assistem à divulgação do sentimento do consumidor de Michigan nos EUA e digerem dados de inflação na Europa. Por aqui, o contexto internacional conturbado dificulta qualquer ânimo para esta sexta-feira

16 de setembro de 2022
9:52 - atualizado às 11:37
Investidor olha telão com cotações e ofertas da bolsa e do mercado
Investidor olha telão com cotações da bolsa e do mercado -

Bom dia, pessoal.

Lá fora, as ações europeias caem na manhã desta sexta-feira (16), com os yields dos títulos alemães de 10 anos atingindo seu maior nível desde meados de junho.

Os investidores já aguardam por uma alta de juros nos EUA, mas novos alertas do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional alimentaram os temores de uma desaceleração global, apesar dos bons dados verificados na China.

Em poucas palavras, o economista-chefe do Banco Mundial argumentou que está preocupado com um período de baixo crescimento e alta inflação pela frente, muito parecido com os argumentos do FMI. 

O pessimismo foi o suficiente para pagar qualquer presságio mais positivo dos números de atividade chinesa, resultando em queda na maioria dos mercados asiáticos.

Os futuros americanos também caem nesta manhã, assim como boa parte das commodities. 

A semana foi difícil para os ativos de risco globais, em especial depois do sell-off generalizado de terça-feira. 

Infelizmente, as coisas não parecem muito diferentes para a conclusão da semana, devendo o tom mais pessimista espraiar para os ativos brasileiros também. 

A ver...

00:52 — Teremos hoje um dia mais volátil

No Brasil, diante de um contexto mais complicado no âmbito internacional para os mercados, em especial de commodities (sinais de recessão global são ruins para as matérias-primas), fica difícil ficar animado com a sexta-feira. 

A cereja do bolo é o exercício de opções na B3, que deverá elevar a volatilidade (há nos EUA também). 

Os dados para a agenda do dia no âmbito local são menos relevantes, contando principalmente com as prévias de inflação pelo IGP-10 de setembro e o IPC-S da 2ª quadrissemana de setembro — ao que tudo indica, os dois devem mostrar deflação, enquanto caminhamos para mais um mês de queda no índice de preços.

01:23 — Os olhares sobre os americanos

Para o bem da economia americana e global, a greve dos ferroviários parece ter sido evitada com um acordo provisório entre as empresas ferroviárias e os negociadores sindicais — um aumento salarial de 24% durante o período de cinco anos de 2020 a 2024, bem como um pagamento imediato de cerca de US$ 11.000. 

O acordo de última hora evita uma greve que poderia ter interrompido as cadeias de suprimentos em todo o país (cerca de 40% do comércio de longa distância é transportado por ferrovia, com uma greve poderia ter paralisado mais de 7.000 trens e custando à economia dos EUA cerca de US$ 2 bilhões por dia).

Com isso tirado do caminho, pelo menos por enquanto, podemos voltar a nos preocupar com todos o resto (só tem problemas), em especial com o risco de recessão. 

Essencialmente, quanto melhor a economia, mais o banco central precisa usar os freios para desacelerar as coisas e manter a inflação sob controle (sinuca de bico).

Ao mesmo tempo, as taxas de juros mais altas são ruins para os valuations das ações, sendo que sempre há o risco de o Fed ir longe demais e empurrar a economia para uma recessão. 

Ou seja, os dados de ontem, nos EUA, de um varejo e mercado de trabalho fortes acabaram sendo ruins para os ativos de risco.

Não há uma saída clara para a atual volatilidade, a não ser a inflação caindo de forma contundente, o que parece cada vez menos provável. 

Por isso, hoje, os investidores estarão de olho nos dados de sentimento do consumidor de Michigan. Em vindo pior do que o esperado, o mercado começa a ver mais espaço para a inflação cair.

02:47 — Digerindo a inflação da Zona do Euro

Hoje, na Europa, se digere os dados de inflação, que vieram em linha com o esperado. 

Os preços ao consumidor ficaram estável em agosto frente ao mês de julho, com crescimento 0,6% na comparação mensal e 9,1% na anual. 

Apesar de não saírem muito fora das expectativas, os dados ainda não são animadores, com o núcleo de preços repousando em +4,3% em um ano (máxima histórica para a Zona do Euro).

Até agora, o dia parece ruim na Europa, com expectativa para a fala da presidente do BCE, Christine Lagarde, hoje mais tarde. 

Espera-se que a autoridade mantenha o discurso mais agressivo, o que deverá voltar a pressionar ativos de risco e as estimativas para crescimento na União Europeia, que já estão bem ruins, principalmente por conta de toda a crise energética.

03:27 — China ainda respira

Na China, apesar da queda de hoje dos mercados por lá, os investidores foram surpreendidos positivamente com dados de crescimento. 

Respondendo a uma produção de eletricidade e automotiva mais robusta, os números de produção industrial vieram mais fortes do que o esperado, crescendo 4,2% em agosto (comparação anual).

O número não é só mais alto do que o esperado, como uma aceleração frente ao dado de julho, quando o indicador marcou 3,8% na base anual. 

Não apenas isso, mas as vendas no varejo também surpreenderam na mesma linha (aceleração entre os meses e acima do esperado), indicando que os estímulos econômicos começam a surtir efeito.

Apesar de soar positivo, o bom desempenho desses setores não sinaliza uma demanda global mais forte. 

Ainda assim, já passam um indicativo um pouco melhor sobre o gigante asiático, podendo haver um respiro para as commodities na entrada do último trimestre de 2022, o que seria bom para o Brasil.

04:13 — Ethereum 2.0

Depois de muita espera, o mundo cripto passou por uma grande mudança ontem (15), quando foi finalmente concluída a atualização da rede do Ethereum (o ether é o segundo maior ativo digital depois do Bitcoin). 

Conhecida como "The Merge", o evento é uma marca importante neste representativo segmento do mercado.

O que aconteceu e qual a razão de isso ser importante? Bem, o "Merge" se trata de uma mudança no mecanismo de funcionamento do protocolo para validação de transações.

Passa-se do método de Proof-of-Work (PoW), utilizado até hoje pelo Bitcoin e que necessita de um gasto energético maior, para Proof-of-Stake (PoS), que não depende de um esforço computacional tão intenso e, por isso, é mais amigável ao ambiente.

Para que isso aconteça, o Ethereum fundiu os dois blockchains que estava executando em um (por isso o termo "Merge", de fusão), podendo reduzir seu uso de energia em 99,95% e abrindo o caminho para o crescimento da rede. 

Nossa especialista em criptos, Vinicius Bazan, apresentou uma comparação interessante: se o gasto energético do Bitcoin fosse o Burj Khalifa (prédio mais alto do mundo), o do Ethereum passa a ser o equivalente a um parafuso, tamanha a diferença.

Segundo um dos criadores da rede, Vitalik Buterin, o "Merge" reduzirá o consumo de energia global em 0,2% (ou seja, como o consumo atual é irrisório, o Ethereum já usava 0,2% de toda a economia do mundo, o que é muita coisa para uma tecnologia tão nova). 

Agora, a fusão pode causar um grande impacto no impacto ambiental do setor e possivelmente até pressionar o Bitcoin a reduzir seu uso de energia.

Menos demanda de energia também abre as portas para futuras atualizações que eram planejadas para acelerar o processamento de transações e escalar toda a atividade da rede — a atividade de mineração deixou de existir e passou-se a utilizar um mecanismo de validação.

Além disso, outro ponto da mudança é que, a partir de agora, haverá uma redução potencial na emissão de ETH, uma vez que a depender do uso da rede, a emissão passará a ser negativa, o que tornará o ETH um ativo deflacionário. 

O movimento deverá ter um efeito interessante nesse mercado, o qual pode ser explorado por meio de veículos como CriptoMoedas e Cripto Smart.

Compartilhe

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Os investidores se preparam para a Super Quarta

19 de setembro de 2022 - 11:46

Dados recentes mostram a inflação nos EUA cada vez mais enraizada na máxima de quatro décadas, e o mercado está bastante pessimista sobre as perspectivas para a economia global

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Para onde vamos com o otimismo atual?

13 de setembro de 2022 - 10:30

Qualquer surpresa negativa hoje, como a inflação mais elevada do que se espera, pode fazer com que a trajetória recente se inverta, como fez depois do Simpósio de Jackson Hole

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os rumos das moedas: quais devem ser os próximos passos do dólar, do euro e do real

13 de setembro de 2022 - 6:10

Normalmente são os mercados emergentes que arcam com o peso de um dólar forte, mas não é o que ocorre dessa vez

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Há quem diga que a ignorância é uma benção… Veja tudo o que influencia as bolsas hoje

12 de setembro de 2022 - 9:58

A semana é relevante para o contexto internacional, com dados de inflação nos EUA — e eventuais surpresas negativas sobre os preços podem fazer com que os investidores saiam da ignorância

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: O que a queda de um símbolo nos mostra sobre o momento atual?

9 de setembro de 2022 - 11:21

A morte da Rainha Elizabeth II marca não só o fim do 2º período elisabetano para os britânicos, mas também a queda de um dos mais icônicos símbolos de estabilidade das últimas décadas

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Uma nova frente de estímulos ao redor do mundo vem ganhando força

6 de setembro de 2022 - 10:14

É possível sentir uma cautela no ar antes da reunião do Banco Central Europeu (BCE), nesta semana, enquanto acompanhamos as consequências do corte de gás da Rússia

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O pior ainda está por vir: Europa corre o risco de apagões e recessão se Putin seguir cortando o gás

6 de setembro de 2022 - 7:11

Existem duas frentes de preocupação da crise energética que o mercado deve permanecer de olho: o gás natural e o pétroleo

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Quem está ansioso para o dia da independência?

5 de setembro de 2022 - 10:10

Começamos com o Dia do Trabalhos nos EUA, nesta segunda-feira (5), que fecha o mercado americano. Os mercados asiáticos iniciaram a semana em queda, acompanhados pelas bolsas europeias.

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Aperte os cintos: o Fed praticamente acabou com as teses de crescimento, e o fim do bear market rally está aí

30 de agosto de 2022 - 6:22

Saída da atual crise inflacionária passa por algum sacrifício. Afinal, estamos diante de um ciclo econômico clássico e será preciso esfriar o mercado de trabalho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O conclave dos banqueiros centrais vai começar: saiba o que esperar do simpósio de Jackson Hole

23 de agosto de 2022 - 9:17

Foi em Jackson Hole que Jerome Powell previu erroneamente que a inflação nos Estados Unidos seria um fenômeno transitório

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies