🔴 TCHAUZINHO, NUBANK: Itaú BBA revela o nome da ação que pode colocar o roxinho para comer poeira; CLIQUE AQUI  e descubra a resposta no nosso Telegram

Matheus Spiess
Insights Assimétricos
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2022-09-09T12:12:45-03:00
INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O pior ainda está por vir: Europa corre o risco de apagões e recessão se Putin seguir cortando o gás

Existem duas frentes de preocupação da crise energética que o mercado deve permanecer de olho: o gás natural e o pétroleo

6 de setembro de 2022
7:11 - atualizado às 12:12
Europa e Alemanha em risco de recessão após Putin cortar o gás
Europa e Alemanha em risco de recessão após Putin cortar o gás - Imagem: Pixabay/Wikimedia Commons/TASS

Não é segredo para ninguém que vivemos uma grave crise energética em nível global, já sentida desde o início da recuperação pós-pandêmica, mas consideravelmente amplificada com a guerra na Ucrânia, que comprometeu ainda mais as cadeias de suprimentos e impôs sanções a um importante player energético: a Rússia.

Mais recentemente, o problema tem ganhado dimensões cada vez mais relevantes na Europa, com a inflação ao consumidor da Zona do Euro já alcançando 9,1% na comparação anual e quase 40% quando o índice avaliado é o de inflação ao produtor. Como não poderia ser diferente, o principal culpado disso é o preço da energia.

Duas frentes de preocupação aqui: i) gás natural; e ii) petróleo.

Gás natural e a crise imediata

Sobre a primeira, a dependência europeia ao gás russo é notável, sendo este responsável por cerca de 40% de todo o gás consumido na Europa, ou até 60% em alguns países, como a Alemanha.

O problema se intensificou mais recentemente com os preços do gás subindo mais de 30% em um só dia, depois que a gigante russa de energia Gazprom disse que os fluxos através do gasoduto Nord Stream, o principal gasoduto da Rússia para a Europa, permanecerão interrompidos.

Agora, por conta disso, a Europa enfrenta o risco de apagões, racionamento e uma recessão severa se a Rússia reduzir ainda mais as entregas de gás.

Tanto a Alemanha quanto a França disseram que estão muito mais bem preparadas para interrupções no fornecimento russo, graças aos reabastecimentos de armazenamento de gás — o continente trabalha para substituir as importações russas por suprimentos dos EUA, Canadá e Catar. Contudo, o temor ainda está sendo digerido pelo mercado.

No bolso do europeu

O problema é que, ainda que não falte energia, os efeitos sobre os preços são muito severos. Com o avanço atual de preços, alguns players de mercado já estimam que as contas de energia do consumidor europeu atinjam o pico só no início do próximo ano em cerca de 500 euros por mês para uma família europeia típica, implicando um aumento de aproximadamente 200% em relação a 2021. Para a Europa como um todo, isso implica um aumento de 2 trilhões de euros em contas, ou algo como 15% do PIB.

Até há algumas semanas, o cenário em que a Rússia não enviaria mais qualquer quantidade de gás para a Europa era menos provável — estimativas chegaram a mostrar que países como a Alemanha ficariam sem gás no primeiro semestre de 2023 apenas se os fluxos russos caíssem para zero ou em um inverno muito rigoroso (o que poderia aumentar o consumo em 15%, como mostram dados históricos).

Isso porque alguns fatores impediriam a catástrofe total: a destruição contínua da demanda (cerca de dois dígitos), o alto nível de reservas de gás, a capacidade de realizar troca de combustível e importações alternativas.

Por isso, assumindo um clima normal e uma taxa de execução de 20% nos fluxos de gás, esses países devem ter gás suficiente em todo o inverno, com os níveis de armazenamento de gás chegando a 45% na primavera de 2023.

Fonte(s): GS

Petróleo: uma crise por vir

Hoje, porém, este risco já é mais factível, com a retaliação russa à articulação dos países do G7 para colocar um teto sobre o petróleo russo (uma péssima ideia nesta altura do campeonato). 

Neste novo cenário de “vazão zero” a demanda total de gás precisa ser cortada em mais de 20%, o que implicaria em queda de quase 10% na demanda das residências e um corte de 30% na demanda da indústria. 

Ou seja, ainda há muito espaço para preocupação na Zona do Euro diante do agravamento do embate com a Rússia. O principal risco a partir de agora é o tamanho da recessão que o movimento de racionalização de consumo pode gerar.

O que nos traz ao segundo ponto de preocupação: o petróleo.

Depois de finalmente alcançar, pelo menos em compromisso, o patamar de oferta de barris de petróleo por dia verificado antes do início da pandemia, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+) voltou a cortar a oferta de petróleo no início desta semana. 

O corte acordado foi de cerca de 100 mil barris por dia a partir de outubro, revertendo o aumento da última reunião, que havia ampliado a oferta exatamente na mesma proporção. O movimento é uma resposta da organização à volatilidade recente verificada no mercado.

Consequentemente, o preço do barril voltou a subir e pode continuar assim, principalmente se a organização realizar novos cortes nas próximas reuniões — a próxima reunião da Opep+ está marcada para 5 de outubro.

Por essas e outras que ainda há espaço para otimismo no setor de óleo e gás. Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas. 

O setor de energia superou o mercado em 28% no acumulado do ano, mas o segmento continua extremamente barato, mesmo com os ganhos de 2022. Veja o gráfico abaixo.

Fonte(s): Bernstein e JPM 

O desempenho acima da média foi impulsionado pelo crescimento dos lucros e não pela expansão de múltiplos, sendo que as previsões de lucros para os próximos dois anos continuam sendo revisadas para cima.

A energia já esteve tão "crowded" (lotado ou abarrotado) em várias ocasiões (quando muitas pessoas do mercado apostam no setor). No entanto, a principal diferença agora é que está consensual, mas também muito barato. Isso é raro e ocorreu apenas três vezes desde 1998, sendo duas vezes em 2003 e uma vez em dezembro de 2008.

A crise energética é o tema internacional mais quente do momento e sua solução vai levar anos para ser alcançada. Até lá, os investidores deverão estar preparados para se defender e aproveitar novas pernadas neste ciclo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Eleições 2022

Pesquisa Ipespe/Abrapel mostra Lula oscilando para cima e Bolsonaro estável

24 de setembro de 2022 - 11:41

Pesquisa mostrou que votos brancos e nulos também subiram, assim como o número de eleitores que não souberam ou preferiram não responder

Tax the rich!

Imposto sobre heranças vai aumentar? Saiba quais candidatos à presidência são a favor de tributá-las ou de taxar grandes fortunas

24 de setembro de 2022 - 10:00

A discussão sobre o aumento de impostos sobre os ricos ou os “super-ricos” é tendência mundial, e no Brasil não é diferente. Mas nem todos os candidatos à presidência têm propostas nesse sentido

Banho mais caro

Tarifa de energia elétrica deve subir mais do que toda a inflação projetada pelo Banco Central em 2023, dizem especialistas

24 de setembro de 2022 - 9:47

Reajuste das tarifas chegaria a 5% em 2023, enquanto a projeção do Banco Central para a inflação é de 4,6%

Irregularidades

TSE vê indício de fraude em R$ 605 milhões em gastos das campanhas eleitorais

24 de setembro de 2022 - 9:22

Na lista de casos suspeitos estão gastos que teriam sido feitos por parentes e empresas de fachada, além de doações feitas por pessoas mortas

ESPECIAL SD 4 ANOS

Bolsa vai andar bem depois das eleições e sem o risco de ruptura política, diz Felipe Miranda, da Empiricus

24 de setembro de 2022 - 7:19

Fundador e estrategista-chefe da Empiricus vê Bolsonaro mais liberal caso seja reeleito ou um governo “Lula 1.3”, mais próximo do primeiro mandato do que do segundo

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies