🔴 RENDA MÉDIA DE R$ 21 MIL POR MÊS COM 3 CLIQUES – SAIBA COMO

Cotações por TradingView

Mercado em 5 Minutos: Os investidores se preparam para a Super Quarta

Dados recentes mostram a inflação nos EUA cada vez mais enraizada na máxima de quatro décadas, e o mercado está bastante pessimista sobre as perspectivas para a economia global

19 de setembro de 2022
11:46
Investidor olha para tela de cotações e gráficos da bolsa | Opções, ações, Armínio Fraga
Investidor olha para tela de cotações e gráficos da bolsa -

Bom dia, pessoal. Lá fora, os mercados asiáticos caíram nesta segunda-feira (19), com os investidores ainda digerindo a correção da semana passada em ativos de risco, com alta expectativa de que o Federal Reserve anunciará nesta semana outro aumento de grande proporção nas taxas de juros.

Na semana passada, as ações globais perderam cerca de US$ 3,75 trilhões em valor de mercado por conta dessas preocupações, com o temor de uma estagflação nas economias centrais. 

Com dados recentes mostrando a inflação nos EUA cada vez mais enraizada na máxima de quatro décadas, o mercado está bastante pessimista sobre as perspectivas para a economia global. 

Os futuros americanos abriram em queda, assim como os principais mercados europeus. 

Outros bancos centrais deverão anunciar taxas de juros nesta semana, inclusive o brasileiro, que deverá encerrar o ciclo de aperto monetário de uma vez por todas na quarta-feira, junto do Fed.

A ver...

00:43 — Como estão os preparativos para a Super Quarta?

Por aqui, no Brasil, os investidores vão lidar também com o Comitê de Política Monetária (Copom) depois do fechamento de mercado na quarta-feira, quando o Banco Central deverá encerrar o ciclo de aperto monetário iniciado no começo do ano passado de uma vez por todas — ele deve deixar a taxa de juros como está, em 13,75% ao ano, ainda que tenha deixado aberta a possibilidade de mais 25 pontos-base.

Sim, ainda podemos caminhar para um final de ciclo em 14% ao ano (cerca de 20% de chance, segundo o mercado), principalmente depois de algumas falas duras de membros da autoridade monetária, incluindo o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, e de dados de atividade mais fortes do que o esperado, como foi o caso do IBC-Br e dos números do setor de serviços na semana passada.

Seja qual for a escolha do Bacen, o final do contracionismo monetário permitirá que o mercado passe a precificar um afrouxamento de política (queda dos juros) em um segundo momento, o qual não deverá passar do final do ano que vem. 

Com isso, os ativos de risco locais voltam a ficar atrativos, uma vez que a queda dos juros possibilita expansão dos múltiplos e, consequentemente, alta das ações.

01:42 — Um Fed mais agressivo do que o normal

Nesta semana, os investidores globais têm o que comentar. O evento mais importante dos próximos dias se trata da reunião de política monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês) do Federal Reserve. 

Mais do que somente a taxa de juros para este encontro, que deverá subir 75 pontos-base (já bem precificado pelo mercado), o foco será a busca por pistas sobre qual o tamanho da caminhada à frente do Fed — se haverá mais uma alta de 75 pontos-base em novembro.

Sabemos que a taxa de juros caminhará para cima de 4% ao ano. Resta entender para quanto além disso ela deverá ir e por quanto tempo ficará por lá. 

A incerteza deixa o mercado confuso, optando por um ajuste de posição, muitas vezes de maneira agressiva, como vimos na semana passada. 

Algo importante para se mencionar é que há quem considere que a ressaca atual dos mercados seja culpa do próprio Fed, que errou na comunicação muitas vezes ao longo dos últimos meses.

02:34 — A situação europeia: aperto monetário e crise energética

Nesta semana também contaremos com reunião de política monetária no Reino Unido. Além disso, haverá alguns membros do Banco Central Europeu (BCE) agendados para falar nos próximos dias, inclusive hoje. 

O BCE enfrenta uma posição econômica diferente do Fed, uma vez que o velho continente está mais exposto aos preços da energia. Ainda assim, é improvável que o BCE espelhe as ações do Fed.

Por falar em energia, a crise nesta frente continua. 

Em breve, a Comissão Europeia deverá categorizar como verde a energia a gás e a nuclear (bom para o Urânio), possibilitando estímulos ao investimento nesses tipos energéticos. 

O movimento se dá depois que o governo alemão assumiu três refinarias de petróleo de propriedade russa, em um movimento que visa se preparar para a proibição em toda a União Europeia do petróleo russo em 1º de janeiro.

03:16 — A reabertura chinesa

Na Ásia, os investidores continuaram a vender suas posições nesta segunda-feira, apesar de algumas boas notícias sobre a atividade chinesa. 

Depois de, na semana passada, alguns dados econômicos terem surpreendido os investidores ao virem melhor do que o esperado, ainda recebemos a informação de que a megacidade de Chengdu, com 21 milhões de habitantes, poderia sair do lockdown.

Então, afinal, qual o problema? Bem, Chengdu agora corre o risco de se tornar outra Xangai, que enfrentou um período de escassez de alimentos ao sair da pandemia, ao passo que as cadeias de suprimentos voltam ao normal. 

Além disso, ainda repercute na Ásia os demais problemas globais, como o aperto monetário nas economias centrais. O receio pressiona os preços do petróleo nesta manhã.

04:01 — O fim da pandemia

Depois que o chefe da Organização Mundial da Saúde indicou que o fim da pandemia estaria à vista, foi a vez de Joe Biden registrar o mesmo. 

Em entrevista, o presidente americano afirmou que a pandemia teria acabado, o que deveria trazer uma sensação de alívio para as pessoas ao redor do mundo, menos para aqueles que vivem na China.

Isso porque poucos acreditam que Xi Jinping encerrará sua política "Covid Zero" em breve, apesar das revisões recentes de lockdowns. É um problema grave. 

Enquanto o resto da humanidade está aprendendo a viver com o vírus, as cidades chinesas continuam enfrentando quarentenas, com a manutenção das políticas radicais governamentais.

Há quem diga que revisões nesta política podem acontecer depois do Congresso do Partido Comunista de outubro, quando Xi Jinping se colocará à frente do gigante asiático para mais um terceiro mandato (a primeira vez que isso acontece desde Mao Tse Tung). 

De qualquer forma, o mundo precisará lidar com a desaceleração chinesa.

Compartilhe

Mercado em 5 Minutos

Mercado em 5 Minutos: Um respiro para a atividade global

16 de setembro de 2022 - 9:52

Investidores assistem à divulgação do sentimento do consumidor de Michigan nos EUA e digerem dados de inflação na Europa. Por aqui, o contexto internacional conturbado dificulta qualquer ânimo para esta sexta-feira

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Para onde vamos com o otimismo atual?

13 de setembro de 2022 - 10:30

Qualquer surpresa negativa hoje, como a inflação mais elevada do que se espera, pode fazer com que a trajetória recente se inverta, como fez depois do Simpósio de Jackson Hole

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Os rumos das moedas: quais devem ser os próximos passos do dólar, do euro e do real

13 de setembro de 2022 - 6:10

Normalmente são os mercados emergentes que arcam com o peso de um dólar forte, mas não é o que ocorre dessa vez

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Há quem diga que a ignorância é uma benção… Veja tudo o que influencia as bolsas hoje

12 de setembro de 2022 - 9:58

A semana é relevante para o contexto internacional, com dados de inflação nos EUA — e eventuais surpresas negativas sobre os preços podem fazer com que os investidores saiam da ignorância

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: O que a queda de um símbolo nos mostra sobre o momento atual?

9 de setembro de 2022 - 11:21

A morte da Rainha Elizabeth II marca não só o fim do 2º período elisabetano para os britânicos, mas também a queda de um dos mais icônicos símbolos de estabilidade das últimas décadas

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Uma nova frente de estímulos ao redor do mundo vem ganhando força

6 de setembro de 2022 - 10:14

É possível sentir uma cautela no ar antes da reunião do Banco Central Europeu (BCE), nesta semana, enquanto acompanhamos as consequências do corte de gás da Rússia

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O pior ainda está por vir: Europa corre o risco de apagões e recessão se Putin seguir cortando o gás

6 de setembro de 2022 - 7:11

Existem duas frentes de preocupação da crise energética que o mercado deve permanecer de olho: o gás natural e o pétroleo

MERCADO EM 5 MINUTOS

Mercado em 5 Minutos: Quem está ansioso para o dia da independência?

5 de setembro de 2022 - 10:10

Começamos com o Dia do Trabalhos nos EUA, nesta segunda-feira (5), que fecha o mercado americano. Os mercados asiáticos iniciaram a semana em queda, acompanhados pelas bolsas europeias.

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

Aperte os cintos: o Fed praticamente acabou com as teses de crescimento, e o fim do bear market rally está aí

30 de agosto de 2022 - 6:22

Saída da atual crise inflacionária passa por algum sacrifício. Afinal, estamos diante de um ciclo econômico clássico e será preciso esfriar o mercado de trabalho

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O conclave dos banqueiros centrais vai começar: saiba o que esperar do simpósio de Jackson Hole

23 de agosto de 2022 - 9:17

Foi em Jackson Hole que Jerome Powell previu erroneamente que a inflação nos Estados Unidos seria um fenômeno transitório

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies