Menu
Exile on Wall Street
Bruno Merola
2020-08-28T10:45:41-03:00
Exile on Wall Street

O avesso dos pontos corridos

E o que isso tem a ver com investimentos e, especialmente, com análise e seleção de fundos?

28 de agosto de 2020
10:45
fórmula 1
Imagem: Shutterstock

Ayrton Senna é o piloto mais rápido de todos os tempos.

A conclusão acima é de especialistas em machine learning da Amazon Web Services, em artigo publicado no blog da empresa,  após quase um ano criando modelos e algoritmos para homenagear os 70 anos da Fórmula 1, uma de suas principais clientes.

Mas como o piloto brasileiro tricampeão na categoria pode ter ficado, por exemplo, à frente do heptacampeão Michael Schumacher — por pouquíssimo, para ser justo — e do hexacampeão Lewis Hamilton, no auge de sua carreira e batendo recordes atrás de recordes?

Para chegar à resposta que todo brasileiro já sabia, a gigante de tecnologia utilizou big data para comparar os tempos obtidos por cada piloto em cada um dos treinos qualificatórios desde 1983 com os tempos de seus respectivos companheiros de equipe ao longo do tempo.

Assim, a Amazon criou uma rede de informações intertemporais que busca retirar o impacto das diferenças tecnológicas entre os carros de cada montadora — afinal, compara-se o piloto A com o piloto B, da mesma equipe.

Já a decisão de coletar dados apenas de treinos qualificatórios minimiza os impactos aleatórios presentes na corrida oficial, como condições adversas, a carga emocional dos pilotos e possíveis impactos entre eles.

E o que isso tem a ver com investimentos e, especialmente, com análise e seleção de fundos?

No fundo (com trocadilho), procuramos a mesma coisa que o time da Amazon — sabendo da nossa relevância irrisória perto deles, é claro — nesse estudo específico: identificar a habilidade pura do piloto de uma estratégia de investimento.

Os especialistas da empresa de tecnologia precisaram entender como separar o homem (habilidade do piloto) da máquina (características do carro) e como tratar a aleatoriedade presente na corrida versus a meritocracia do treino qualificatório.

Do lado de cá, o processo não é diferente: combinamos informações quantitativas e qualitativas de valor da cota, experiência do time, patrimônio líquido, mudanças de equipe, estrutura de custos e estilos de gestão para (tentar) separar sorte de habilidade na gestão, alfa de beta e ponderar tudo isso em um período no tempo, comparando com seus pares, e ao longo do tempo, comparando com si mesmo.

Como curiosidade, o modelo de pontos corridos, comum nos regulamentos da Fórmula 1 e dos campeonatos nacionais de futebol como o Brasileirão, premiando o piloto ou o time de maior pontuação no fim do ano, é um exemplo interessante de algo que é conceitualmente oposto ao mundo dos fundos.

A primeira diferença clara é que o tempo economizado em uma volta mais rápida ou os gols marcados em uma partida já ganha são variáveis de natureza temporárias — ganhar de 1 a 0 ou de 8 a 2 traz os mesmos três pontos para o time vencedor. Já o retorno de um investimento no fim do dia se torna o saldo inicial do dia seguinte, e o caminho importa tanto quanto o resultado.

A segunda é a assimetria da pontuação. Desde 1990, após uma Copa do Mundo sem graça, cheia de empates e com baixa média de gols por partida, o vencedor de uma partida de futebol leva três pontos, os times que empataram levam um e o perdedor fica com zero. Na Fórmula 1, os primeiros colocados também ficam com bem mais pontos proporcionalmente do que o restante.

Como os leitores desta newsletter sabem, nossa relação com as “vitórias” e “derrotas” nos investimentos é oposta a isso: sentimos a dor de uma perda de 20% com aproximadamente o dobro de intensidade de um ganho dos mesmos 20%.

E a relação não é só emocional, mas também matemática: ao perder 20% em um investimento, precisamos ganhar 25% em seguida para voltar ao estado inicial.

E se um gol no futebol tomado valesse duas vezes um gol marcado?

Talvez o jogo se tornasse mais truncado, cauteloso, cheio de cuidados extras, a remuneração dos atacantes não fosse tão desproporcional à dos zagueiros e as partidas deixassem de ser comercialmente interessantes para os anunciantes e torcedores.

Bom, deixemos tudo como está.

Pilotos de Fórmula 1 e times de futebol buscando matar um leão por dia, colecionando pontos para subirem ao pódio no fim da temporada.

E a gente continua por aqui, selecionando os gestores que melhor vão proteger seu dinheiro desse mesmo leão, evitando perdas permanentes de capital.

Nesta semana mesmo, indiquei aos assinantes da série Os Melhores Fundos de Investimento um fundo de ações, pela primeira vez disponível em plataformas de investimento, que nunca rendeu menos do que 90% em qualquer janela de três anos. É claro que retorno passado não é garantia de retorno futuro, mas, com tamanha margem de segurança, é difícil afirmar que ele não protege o seu patrimônio, não é mesmo?

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Bilionário imunizado

Adivinha quem já foi vacinado? Bill Gates compartilha foto e diz como se sente após tomar 1ª dose

Fundador da Microsoft compartilhou foto do momento em que era vacinado e enalteceu o trabalho dos cientistas, voluntários e profissionais da saúde que trabalham no combate à pandemia

Início de cobertura

Após queda de 56%, XP revela o que espera das ações da dona da rede de restaurantes Frango Assado e Pizza Hut no Brasil

Os analistas da corretora iniciaram a cobertura das ações da IMC com recomendação neutra e preço-alvo de R$ 4,00, o que indica um potencial de alta de 8%

Private equity

Ações da gestora brasileira Pátria sobem 17% na estreia na Nasdaq após IPO de R$ 3,2 bilhões

A gestora brasileira estreou com um valor de mercado de mais de R$ 15 bilhões e mira mais crescimento, o que poderá envolver aquisições

Uma nova chance?

O que esperar da nova Lei de Falências, que entra em vigor hoje

A reforma na Lei de Falências deve facilitar a recuperação das empresas que ainda são viáveis e tornar mais célere e eficiente a liquidação daquelas que estão condenadas a desaparecer

Aposta na retomada

Goldman Sachs eleva o preço-alvo de ação de locadora de veículos e recomenda compra

Os analistas elevam o preço-alvo para as ações da Localiza (RENT3) de R$ 69,30 para R$ 73,20 e projetam lucro acima do consenso do mercado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies