Menu
Matheus Spiess
Caçador de assimetrias
Matheus Spiess
É economista e editor da Empiricus
2020-03-10T09:40:06-03:00
CAÇADOR DE ASSIMETRIAS

Uma nova crise do petróleo? Veja como agir e onde investir

Venho trazendo a necessidade de alocação em ativos protetivos, como ouro e dólar. A ideia era que esta parcela do portfólio não ultrapassasse 15% do total. Mas minha percepção mudou

10 de março de 2020
7:18 - atualizado às 9:40
Tanques de petróleo
Imagem: Shutterstock

Em resposta ao envolvimento dos EUA à Guerra do Yom Kippur, fornecendo armas para Israel se defender da campanha militar lançada pela Síria e pelo Egito, a OPAEP (Organização dos Países Árabes Exportadores de Petróleo) anunciou, em 1973, o embargo do petróleo contra os americanos e diversos de seus pares, como o Canadá e o Reino Unido.

Estavam lançadas as bases para o que ficou conhecido como o primeiro choque do petróleo.

Os preços avançaram, à época, de US$ 3 por barril para US$ 12. A pressão global foi sentida de imediato, com consequências de longo prazo marcantes. O efeito dominó proporcionado pelo evento descrito acima com certa brevidade norteou boa parte da política econômica da década de 70 e da próxima.

Hoje, quase 50 anos depois, nos deparamos com mais um imbróglio global pautado pelo preço do sangue negro.

Não é de se surpreender.

Afinal, se trata de um dos principais preços do mundo. As melhores cabeças do mercado financeiro acompanham minuto a minuto os desdobramentos de intrigas envolvendo o petróleo e, paralelamente, traçam diferentes cenários com uma frequência absurda.

A conjuntura atual, contudo, proporcionou um estresse a mais. 

Devido ao coronavírus, já partíamos de uma situação global delicada, com demanda agregada retraída, comprometendo o consumo. 

Veja bem, temos restrições de circulação, interrupção de eventos de massa, paralisações de fábricas e etc. Tudo isso tem um efeito cascata para a atividade econômica.

A fragilidade vigente somou-se à quebra das cadeias produtivas, interrompidas ao redor do mundo.

Agora, para melhorar ainda mais a situação, temos um choque de oferta, com impactos tenebrosos no preço. 

Com a queda do fim de semana, o preço do barril de petróleo Brent já acumula baixa da ordem de 50% em 2020, negociando ao redor dos 35 reais. 

O Goldman Sachs reduziu a sua projeção de preço para o Brent ao patamar dos US$ 30 por barril até o terceiro trimestre do ano, considerando ainda a possibilidade de queda adicional rumo aos US$ 20.

O estresse é preocupante?

Adianto: sim. 

É, bastante.

Não quero também causar alarde ao leitor mais ansioso. Vale lembrar que ainda estou otimista com o Brasil e tenho separado boas assimetrias, no meu entendimento, que deram oportunidade de compra com a queda recente dos ativos de risco.

Desejo, contudo, deixar claro que hoje existe sobre a mesa um risco de cauda antes inexistente: a chance de uma mini crise de crédito nos EUA.

Por mais que seja possível argumentar que um petróleo barato pudesse ser benéfico para a economia mundial, uma vez que consumidores e empresas estariam expostos a custos menores, dificilmente um impacto súbito de tamanha amplitude será bem recebido pelos mercados.

Resultado? Bolsa brasileira cai mais de de 10% e ativa seu “circuit breaker”. 

Bolsa globais fazem da mesma forma, caindo grotescamente algo como 7% ou mais.

Desde o início do atual bull market brasileiro, convivemos com várias momentos pontuais de maior estresse. Faz parte do jogo. O importante aqui é controlar o emocional e se disciplinar perante sua própria alocação global. 

O fator comportamental é um dos atributos de maior valor para o investidor de sucesso no longo prazo. 

Notadamente, não acredito que nosso bull market esteja fadado ao fim. Entretanto, como disse, há um elemento novo na conta: com a queda dos preços do petróleo, num momento de prévia fraqueza da economia global (coronavírus), nasce um risco de uma mini crise de crédito.

Isso se liga à problemática relacionada com toda a cadeia adjacente ou paralela ao petróleo, em particular às empresas mais alavancadas, com severa evolução da chance de defaults.

Não acredito que estejamos diante uma outra crise do sub-prime, mas também não podemos minimizar a probabilidade uma consequente pequena recessão.

O que fazer diante dessa nova dinâmica imposta?

Com isso, como a matriz de risco e retorno se alterou, precisamos também alterar nossa alocação patrimonial. 

Desde que me concederam um espaço semanal por aqui, venho trazendo a necessidade de alocação em ativos protetivos, como ouro e dólar. Contudo, a ideia era que esta parcela do portfólio não ultrapassasse 15% do total.

Tal percepção mudou.

Agora, nós aqui da Empiricus entendemos que seja pertinente um aumento nessa posição, para algo em torno de 30% do portfólio. Metade para ouro (de preferência dolarizado) e a outra metade para moeda forte, no caso dólar - sim, ainda existe espaço para depreciação adicional do real.

Tudo isso, claro, feito sob o devido dimensionamento das posições, conforme seu perfil de risco, e a devida diversificação de carteira, com as respectivas proteções associadas.

Ontem, fizemos diversas mudanças na Carteira Empiricus, muito no sentido de proteger os portfólios para os tempos mais turbulentos atuais.Quem acompanha a carteira do Felipe Miranda, Estrategista-Chefe da Empiricus, tem conseguido se proteger muito bem diante das subsequentes quedas da Bolsa brasileira. Convido-os a verificar o nosso conteúdo, pois tenho certeza de que não irá se arrepender.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Pior ainda

‘Estamos em recessão, bem pior do que a crise financeira de 2008’, diz diretora do FMI

Diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva afirmou que a recessão global decorrente do coronavírus já é uma realidade e que será “bem pior” que a crise financeira de 2008/2009

Carta aos cotistas

Gestora Legacy está comprada em ouro e vem aumentando posição em ações americanas

Em carta, gestora diz que acredita que economia americana é a mais apta a se recuperar da crise com rapidez; ouro é alternativa em meio a deterioração fiscal e monetária das moedas

Datafolha

Aprovação de Bolsonaro cai a 33% e do Ministério da Saúde dispara a 76%, diz Datafolha

Pesquisa do Datafolha divulgada nesta sexta-feira, 3, mostra que a aprovação dos brasileiros ao Ministério da Saúde, liderado por Luiz Henrique Mandetta, subiu 21 pontos percentuais (p.p), de 55% na pesquisa anterior

bolso afetado

Para 50%, coronavírus causou impacto na situação financeira pessoal, diz pesquisa

Proporção de pessoas que considera que suas dívidas vão aumentar ou aumentar muito disparou de 25% para 45%

fatia maior para o motorista

Senado eleva rendimento de motorista de aplicativo até outubro

Alteração obriga empresas como Uber, Cabify e 99 a reduzirem em ao menos 15% o valor retido nas corridas

em busca de soluções

Magazine Luiza, GPA e outras empresas promovem movimento #NãoDemita

Grandes bancos, fabricantes de alimentos, empresas de tecnologia, saúde e investimentos estão endossando uma campanha para evitar a demissão

perspectivas

Economia volta à retomada no 2º semestre, diz economista-chefe do Bradesco

Para Fernando Honorato Barbosa, o setor de serviços será o último a se recuperar

Reprovação aumenta

Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril, diz pesquisa

É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro

Virada de mão

“Vai faltar real para comprar dólar no preço atual”, diz Márcio Appel, da Adam Capital

Depois de ganhar dinheiro com a desvalorização cambial, gestor deixou de apostar na alta do dólar contra o real e avalia comprar a moeda brasileira

medida anticrise

Senado aprova texto-base de projeto que suspende prazos contratuais até outubro

Medida coloca no papel flexibilizações durante a pandemia do novo coronavírus no País e dependerá agora de chancela da Câmara

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu